ENTRIAMO IN MASSA NELL' ICD E AFFOSSIAMO L' ALIENAZIONE PARENTALE!

DOBBIAMO ENTRARE NELL' ICD E AFFOSSARE LA JUNK SCIENCE ALIENAZIONE PARENTALE...NON C'E' PIU' TEMPO!!!!


COME FARE?

FACILE FACILE .... ANCHE PER CHI NON CONOSCE L'INGLESE, COME ME !!!!!!!!!

E SE CI SONO RIUSCITA IO, CI RIESCONO TUTTI...  VI ASSICURO !


PRIMO:
andate sul sito Web dell'ICD-11 e registratevi. Chiunque può registrarsi e commentare; non è necessario essere un medico o un professionista della salute mentale (eh si...incredibile vero?).

Ti registri su ICD-11 andando in questa pagina:  https://icd.who.int/dev11/l-m/en.

A circa metà della pagina c'è un collegamento : "Registrati" ( v. Register ).
Dovrai identificarti, fornire un indirizzo email e rispondere a un paio di domande.
Dopo esserti registrato, passerai automaticamente alla pagina con una funzione di ricerca (research).
Se già ti sei registrato in precedenza, vai alla stessa pagina, https: //icd.who.int/dev11/lm/en , ed esegui l'accesso pigiando il link nell'angolo in alto a destra della pagina.


SECONDO:

Una volta registrati si finisce automaticamente su una pagina dove-IN ALTO A SX, c'è la funzione di ricerca (RESEARCH).

Si ricerca "parental alienation."

Attenzione....da fine febbraio 2020 il termine "parental alienation"  e' stato cancellato!"

Tuttavia i sostenitori della Parental Alienation stanno continuando a riproporre la formulazione sotto l'  index term  "QE52.0  Caregiver-Child Relationship Problem".
Sotto il titolo "All Index Terms," compariva  "Parental Alienation" con piccola freccia a dx.
Cliccando  sulla freccia  si veniva reindirizzati alla pagina per Parental Alienation.
Quindi clicca sul bottone in cima che recita: "Contributions"

E POI CLICCA SU "Proposals".

TERZO:

dovresti vedere una lunga lista di proposte (proposal) chiamate " delete entry proposal " o "Add New Entry Proposal."

cliccate sulle proposte ...si aprira' la pagina della proposta (in inglese).

Alla fine della proposta si vota: agree o disagree. .

Come votare?

SE CONOSCETE L'INGLESE E' FACILE...

MA SE NON SIETE BRAVI (COME ME) VI INDICO UN METODO FACILE FACILE!!!!!!

SEMPLICE ANCHE PER CHI NON CONOSCE L'INGLESE !!!!!!!...

GUARDATE BENE ......c'è un numeretto vicino AGREE e DISAGREE:

cliccate sopra il numeretto e vi appariranno tutti i nomi di coloro che hanno già votato !!!!

Guardate il nome di Rachel Holway , quello di Tanise, Unidi Infancia, Michela Nacca, Simona D'Aquilio ecc e guardate come loro hanno già votato....
FATE UGUALE !

SE TROVATE DEI COMMENTI O PROPOSTE NON VOTATE DA PERSONE CONOSCIUTE, LEGGETE GLI ALTRI NOMI: SE TROVATE SOSTENITORI PRO PAS (W. Bernet, Jose-Luis Espinosa-Fernandez, Alejandro Mendoza-Amaro , Juliana Aguadas ecc) ALLORA VOTATE IL CONTRARIO DI COME HANNO FATTO LORO !

Alla fine di ogni proposta troverete anche commenti... x quelli scritti da Jose-Luis Espinosa-Fernandez , Alejandro Mendoza-Amaro , Juliana Aguadas, W. Bernet votate sempre disagree....

Per quelli di Unidi Infancia, Rachel Holway ecc invece sempre Agree...!
Anche in questo caso potete vedere come hanno votato gli altri, cliccando sul numerino...seguite i nomi anzidetti

Se volete potete commentare voi stesse/i !!!

W. Bernet, dopo aver inserito la Proposta "Parental Alienation" ed aver ricevuto varie stroncature (ora non piu' visibili) ,   registra il 25 agosto  2016 la seguente ulteriore proposta di inserimento nell' ICD

"Problem associated with interpersonal interactions in childhood" 

The proposal addresses children who are affected by significant relationship distress between their parents. It is well known that children are affected when their parents argue in a serious way (relationship distress with spouse or partner) and when they engage in physical violence (spouse or partner violence). In DSM-5, this concept has been termed "child affected by parental relationship distress" (CAPRD). There are (at least) four scenarios that may occur with CAPRD: (1) a child might experience anxiety or depression or other symptoms when exposed to relationship distress with spouse or partner (e.g., frequent arguing); (2) a child might experience posttraumatic symptoms when exposed to spouse or partner violence involving the parents (e.g., physical abuse) between the parents; (3) a child might develop somatic or psychological symptoms in the context of an intense loyalty conflict (trying to maintain affection for both parents, who are in conflict with each other); and (4) a child might develop false beliefs and false memories in the context of parental alienation (gravitating to one parent and wrongly believing that the rejected parent is dangerous).

W. Bernet

il 27 agosto cosi commentano

This comment focuses on the most common cause of extreme parental relationship distress impacting minor children, which is the out-dated use of adversarial methods of resolving separation and divorce cases. Inter-parent conflict of this nature becomes most extreme when family lawyers specializing in litigation are involved, particularly when there are multiple children, and most particularly, when either of the parents, grandparents or others financing the litigation have substantial income, real property or other significant assets. Counsel's fees will be a function of the intensity and duration of inter-parent conflict that counsel, and those counsel employs, can create. In such cases, counsel will seek to employ what is known as the "nuclear option"--i.e., an ex parte "protection" order--at the start of the case. The ex parte part of such an order(without notice to the principally targeted parent) is a family court routine designed for a prior century when parents were treated unequally by law under the tender years doctrine, or under an even older concept that children were considered paternal chattel upon divorce. In virtually every U.S. state, ex parte protection orders are normally granted essentially automatically, within a few minutes of their filing, to whichever parent first applies for this order in this fashion. They are normally filed and immediately granted under a vague abuse, harassment or stalking statute, often over vague allegations stemming from drop-off or pick-up of the child/children at or near the start of the litigation. These orders will typically sever all inter-parent communication, exile the principally targeted parent from his/her entire immediate family, and will make any alleged violation of the protection order a crime resulting in incarceration. These instantly create a massive disparity in inter-parent power and control, create intense fear and anger among the parents (and humiliate and quickly impoverish the principally targeted parent), often destroy the possibility of mediation, and result in a massive increase in court filings, misunderstanding, ultimately and routinely impoverish both parents, and often result in homicides, suicides and community massacres. The principal effect of these protection orders is to transfer all the assets, savings and property of the family to family lawyers (mostly), GALs, custody evaluators, individuals who provide supervised visitation services and others in the family litigation industry. The use of adversarial methods of resolving separation/divorce issues, and in particular ex parte protection orders, are believed to be the most common cause of parental alienation (and deep, long-tern sadness)in the U.S. and internationally. It is further posited that the vast majority of parental alienation situations can be eradicated by reforming and updating family court practices, most notably the protection order system, and by modernizing and armonizing family court laws and practices to match the best interests of children, including in those jurisdictions that already recognize joint custody as being in the best interest of children, complemented by mandatory and extended mediation of all such cases, and equal treatment of parents of biological children, consistent with modern laws. This will require major reform of the conflict, violence, poverty-inducing and too often deadly "protection" order system, principally used to instantly create intense, long-term conflict between separating/divorcing parents, and to thereby transfer the assets, savings and property of vulnerable parents (and children) in flux, to family lawyers and others. Treating and preventing the bulk of parental alienation cases will require ridding the family courts of their historical pattern of denying due process and equal protection to parents, training family court judges on the benefits to children and parents of joint custody, equal parenting time, and inter-parent communication and mediation, while largely eradicating the (erroneous) use, by family courts, of adversarial methods of dispute resolution--an outdated system whereby family lawyers and others derive extraordinary profits off vulnerable families (and children), as a direct function of the number of children and parents they harm, and the severity of that harm.  Dana Richard

- Il 28 agosto 2016  I strongly agree with the proposal regarding parental alienation issues. Wording should be included which addresses the issue of the severing of a child's relationship with parent without legitimate cause. This issue of alienation is demonstrable worldwide, with extraordinarily similar symptoms/behaviors/results. The research on the alienation conditions are clear, and the resulting harm to the child is avoidable if addresses properly. richard purisky

Il 27 marzo 2017 il Team3 WHO rigetta anche questa  proposta, scrivendo

The requested added detail is almost exclusively a forensic issue and not a health care issue. A classification of diseases can be defined as a system of categories to which morbid entities are assigned according to established criteria. The role of an international classification is to permit systematic recording, analysis, interpretation and comparison of mortality and morbidity date collected in different countries or areas and at different times.

Team3 WHO 2017-Mar-27 - 09:00 UTC

W. Bernet commenta

"Although my colleagues and I appreciate the team's consideration of this proposal, you are totally mistaken when you say that "the requested added detail is almost exclusively a forensic issue and not a health care issue." When there is conflict between parents, it is extremely common for the children to have emotional, cognitive, and behavioral problems. The highly selective authors of DSM-5 decided to include "child affected by parental relationship distress (CAPRD)" in their classification. The attached article (by Bernet, Wamboldt, and Narrow) explains rather precisely how this diagnosis can be used. It is our understanding that the ICD-11 consultants, the Relational Processes Working Group, endorsed and encouraged you to adopt this terminology. Is that correct?

William Bernet 2017-Mar-28 - 23:01 UTC"


Viene rigettata anche la formulazione  Child affected by parental relationship distress e la seguente definizione
Lo stesso dicasi di loyalty conflict e parental alienation


Il 4 settembre 2019 il MSAC  scrive

The Medical and Scientific Advisory Committee (MSAC) has discussed this proposal. There was agreement that:

• Parental alienation is a type of caregiver/parent-child relationship problem and is primarily relevant in forensic settings. It is not a disease or disorder and is therefore located in Chapter 24 Factors influencing health status or contact with health services.

• An index term (and therefore a foundation entity), was added for parental alienation so that it could appropriately be classified in case it is reported.

• As an index term, parental alienation does not have a code in the ICD so is not uniquely identified in statistics.

• Some discussants refer to a parental alienation 'syndrome', which is not included in the ICD-11.

• Incorporation of a term for classification purposes does not indicate WHO endorsement or any sort of formal recognition. It is only an acknowledgment that it is a term that may be used in health care settings and therefore may need to be classified.

MSAC Recommendation

Il 10 ottobre 2019  il Msac Secretariat ribadisce la stessa risposta sotto la proposal "Caregiver-child relationship problem" aggiungendo "Retain the index term (and therefore foundation entity) 'parental alienation', as it is an issue that may be recorded in a clinical context. Inclusion of the term does not indicate formal recognition or endorsement by WHO."

A cio' viene replicato

Parental alienation has not been operationally defined and is inferred from child behavior. Why not have as an index term something directly observable, for example "child resistance to or refusal of contact with one parent"?

Jean Mercer 2019-Oct-27 - 17:38 UTC



Jean Mercer is mistaken when she says that PA is "inferred from child behavior." Currently, writers use the Five Factor Model for the identification of PA, which are: (1) the child resists or refuses a relationship with a parent; (2) prior positive relationship between the child and the now rejected parent; (3) absence of abuse, neglect, or seriously deficient parenting on the part of the now rejected parent; (4) use of several alienating behaviors on the part of the favored parent (e.g., the 17 alienating behaviors defined by Baker and others); and (5) manifestation of many of the eight behavioral symptoms of PA in the child (e.g., the behaviors described by Gardner and many others). Mercer and her colleagues have repeated many times the false claim that PA "is inferred from child behavior."

William Bernet 2019-Oct-27 - 19:49 UTC



I commenti piu' interessanti inseriti nel sistema ICD


Sotto la proposta di indicizzazione Caregiver-child relationship problem troviamo vari commenti:


- LA GRAN MENTIRA PEDOFILIA LLAMADA SAP/PAS

La teoría SAP/PAS es una herramienta de violent@s ,abusadores y pedofil@s para revertir la denuncia y acusar a la parte denunciante/victima. Esta teoria fue desarrollada por el médico generalista, militar , Richard Gardner en 1985, Gardner fue militante para la legalización de la pedofilia y tanto el como su socio Ralph Underwagger murieron los dos acusados de abuso sexual infantil en Estados Unidos, hace casi ya 30 años que la Organización Mundial de la Salud rechaza esta teoria por inexistencia del supuesto síndrome y ha sido rechazada claramente su incorporación a todas las listas de enfermedades, trastornos o síndromes . Desde Alerta Vida Ong hemos compilado la fundamentaciòn juridica y cientifica con fallos y resoluciones de entidades médicas, sobre la inexistencia del sindrome de alienación parental que nada tiene que ver con asuntos de familia , aunque se confunde a la gente con esto.

Es la teoría de un misogino y pedofilo que quiso legalizar la pedofilia y que jamas fue aceptada.

Este mèdico Richard Gardner decía que las mujeres ( todas) son naturalmente histericas. Que la pedofilia era buena para la humanidad. Que la madre que no acepta que el padre tenga relaciones sexuales con sus hijos es una madre alienadora y en 1992 avanza agregando que esta madre que no permite las relaciones sexuales entre padre e hijos ( incesto) debe ir presa.

La violencia en estos terminos hacia la mujer se llama misoginia.

Y la violencia sexual hacia los niños se llama pedofilia.

La pedofilia es el unico trastorno mental ( parafilia) que es criminal.

Artículos sobre el falso SAP

https://www1.rionegro.com.ar/diario/debates/2008/05/04/12644.php

https://www.telam.com.ar/notas/201311/40971-el-sindrome-de-alienacion-parental-es-ilegal-aseguran-especialistas.html

https://www.eparquiodelgado.com/index.php/trastornos-a-medida-de-ideologias-i-el-sindrome-de-alienacion-parental/

https://www.elcomercial.com.ar/index.php?option=com_telam&view=deauno&idnota=435244&Itemid=116

https://www.mujeresparalasalud.org/spip.php?article241

https://www4.diputados.gov.ar/dependencias/dcomisiones/periodo-130/130-2253.pdf

Constanza Holway 2019-Apr-26 - 02:40 UTC


---

Surprised to found this item here. As all the people know Richard Gardner´s theory is reject and this point is Richard Gardner ´s theory . Children are human beings with own rights and decitions . Everybody should to respect their elections . Love can not be forced and this theory was used to link children with their abusers. I made a blog sap-no.blogspot.com my email is rachelholway@gmail.com and my phone is +541158721823 member of Global Alliance against minor explotaition and Alerta Vida fighting against child abuse and trata. I made some dossiers with very important information about the paedophile lobby and world wide movement. Gardner was prosecuted by child abuse and people must know this. This item is based in his theory. And are words from his books

Rachel Holway 2018-Jul-11 - 16:21 UTC


Aqui no Brasil as ideologias pró pedofilia de Richard Gardner geraram a Lei da Alienação Parental que literalmente tem condenado crianças que pedem ajuda por violência sexual ou outro tipo de violência a convivência e muitas vezes até a guarda de seus agressores. Sabemos que Richard Gardner se fundamentava nas pesquisas do nazista Alfred Kinsey e suas nefastas planilhas construídas com base na violência sexual cometida a mais de trezentas crianças em campos de concentração. As influências da síndrome da alienação parental de Gardner já destruíram a vida de milhares de crianças pelo mundo, muitas morreram ou se suicidaram na juventude...no Brasil também já morreram pessoas por causa da LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL.

Sabemos do dinheiro alto que peritos em alienação parental tem arrecadado com sua litigância de má fé...

Juliana Dos Santos Castro 2018-Oct-19 - 15:31 UTC

Errata:

-crianças que pedem ajuda após sofrer violência sexual tem sido condenadas pela justiça brasileira a viver com seus agressores com o uso da lei da alienação parental.

-Advogados, psicólogos, psiquiatras peritos em alienação parental tem ganhado muito dinheiro com a litigância de má fé.

Juliana Dos Santos Castro 2018-Oct-19 - 15:38 UTC


We are not discussing Dr Gardner as a person. He is marginal in this issue, maybe he 'invented' a name, but many professionals (legal, health,..) are working with children alienated from his/her father/mather/extense family.

Why do you deny the obvious?

Is there any 'hidden agenda'.

Please explain your reasons and forget about Gardner, he is no relevant.

Julio Berbel 2019-Apr-23 - 07:49 UTC


Dear Sirs / Madams,

I am writing you in relation to having found on the official website of the World Health Organization (WHO) in search of the new list of diseases and disorders CIE 11 "parental alienation", which appears in the code QE52.0

Parental Alienacion, SAP, PAS, Parental Alientation is a theory created by the militant criminal doctor for the legalization of pedophilia in the world and with a criminal file in the FBI that can request, Richar Alan Gardner (1931-2003)

Already several times the associations of doctors and psychiatrists from around the world have said that the disorder invented by Richard Alan Gardner to favor abusers in their trials does not exist, besides that Gardner was not a psychiatrist nor was he prepared to make diagnoses.

This pedophile tool created by doctor Richard Alan Gardner has cost life to children around the world since the creation of the theory in 1985 and since some courts decided to use it forcing links against the will of children.

Abused children around the world have been forced to see their abuser by a court order based on the theory of Gardner which has said, written and publicly stated that pedophilia is good for the development of humanity.

Just read Richard Alan Gardner for it from 1983 to 2003

He was a member of the CIA and was investigated in the operation of the FBI called PAEDOCRAZY (it appears in his criminal file that they can apply to the FBI)

At the time of his death Richard Alan Gardner was accused of child sexual abuse with other people.

In the certainty of a prompt and satisfactory response

Regards

Rachel Holway 2018-Jul-11 - 16:29 UTC




W. Bernet  scrive

- It is garbage to say that Richard A. Gardner was a "militant criminal doctor," that he advocated the legalization of pedophilia, that Gardner was not a psychiatrist, that PAS does not exist, etc.
William Bernet 2019-Apr-14 - 13:47 UTC

Dear Dr. Bernet, Thank you for your expertise on caregiver-child relationship problems. Here is an historical photo of Dr. Gardner having a working lunch with Carey Linde in Cresskill, New Jersey circa February 1998 to add to this important discussion affecting so many children around the world.
https://divorce-for-men.com/wp-content/uploads/2019/02/gardner3.jpg 

I remain sincerely yours,Kevin Pedersen 2019-May-07 - 14:57 UTC

- good photoLuciano Carrizo 2019-May-12 - 14:33 UTC


Regarding Wiliam Bernet and his defense of his 'fraternal friend' Richard Gardner:

I take no issue here with his views and practices as well as with his social entourage of pro-pedophilia friends. There are serious researcher conducting research on that aspect -- so we'll wait.

I take an issue with Bernet renditions of Gardner professional qualifications -- which Bernet knew very well.

(i) His fraternal friend made his reputation in PAS circles in US Courts as a Professor and Doctor in the Psychiatry Department at Columbia University. Indeed, evidence, in written and audiovisual media, reveals that he claimed to be a Full Tenured Professor and Doctor at Columbia University. He used these 'professional qualifications' to provide his services as "expert of false accusations of sexual abuses of children by fathers" in cases like those in which Woody Allen and Michael Jackson were accused of pedophilia and sexual abuse of children.

(ii) He was never a professor and doctor at Columbia University. He was -- since 1963 -- an unpaid volunteer in the Psychiatry Department with the honorific title that is given to all volunteers of 'Clinical Professor'. That honorific title DOES NOT render a Clinical Professor a member of the Faculty and Staff of Columbia University. Only provides the Volunteer with access to university facilities and allows the volunteer to put the title in the personal CV -- with the clause that the volunteer explains when necessary that he/she IS NOT in the Faculty-Stuff of the University. Bernet disregarded all that and presented himself in Courts as Full Tenured Professor and Doctor.

(iii) Richard Gardner published his 'personal ideas' about his PAS in an 'opinion journal' of which he was a member in December of 2014. By February 2015, the Faculty of Psychiatry held a Departmental Meeting to discuss their unpaid volunteer and his publications of his personal ideas about his PAS. At the end of the meeting, with a unanimous vote, the Faculty of the Psychiatry Department of Columbia University expelled for life Richard Gardner from the Department and the University.

(iv) The Faculty of the Psychiatry Department of Columbia University gave three major reasons for Gardner expulsion:

- Gardner was ignorant of the Discipline of Psychiatry;

- Gardner did not know how to think 'scientifically' -- that is according to the scientific criteria of the discipline;

- Gardner was a naive inductivist - who 'inferred' his 'personal ideas about his PAS' from personal observations of patients that he treated from his home office.

(v) Gardner never set foot in the Psychiatry Department of Columbia University from 1985 to 2003 -- the year in which he died.

(vi) In his obituary in the New York Times, Gardner and his family claimed that he had been a Professor and Doctor at Columbia University. Columbia University intervened and asked the New York Times to make corrections: Gardner had never been part of the FAculty and of the Medical Body of Columbia University; he had been an unpaid volunteer from 1963 to 1985.

(vii) Everyone by now knows what happened in 1985. Perhaps William Bernet can claim that he knew nothing about this story of his fraternal friend Richard Gardner.

(viii) It will be asked shortly to the professionals at the ICD-11 what they know about what William Bernet knows about his own 'constructions' of his own relationships with the ICD-11 as well as with the DSM-5.

(Re: It is garbage to say that Richard A. Gardner was a "militant criminal doctor," that he advocated the legalization of pedophilia, that Gardner was not a psychiatrist, that PAS does not exist, etc.)

sarnen Gustafson 2019-May-26 - 23:03 UTC


-----


The term "parental alienation" is currently included in ICD-11 as an index term for "caregiver-child relationship problem." It is not clear what led to the inclusion of the term since this term did not appear in ICD-10. While there is no problem with the parent category of "caregiver-child relationship problem," we are proposing deletion of the foundation layer entity and MMS index term "parental alienation" for several reasons.

While ICD-11 does not mention "parental alienation syndrome", in multiple blogs/articles/TV news programs that have surfaced, WHO's inclusion of "parental alienation" in ICD-11 is explicitly being used to argue for the validity and legal recognition of "parental alienation syndrome," claiming that is has been formally and officially recognized by WHO. Although this is not the intention or meaning of an index term, inclusion of "parental alienation" in the foundation layer appears to lend credence to this assertion.

Since the term's inclusion in ICD-11, PAHO (and WHO HQ) have fielded questions from different sources (media, academics, community members, etc.) from 7 countries (Argentina, Brazil, Canada, Colombia, Mexico, United States, Uruguay) expressing concerns, including:

1. There is a lack of scientific evidence to support "parental alienation";

2. The adoption of "parental alienation" has the potential to lead to serious adverse consequences, particularly during legal child custody disputes where there is a history of abuse in the family;

The inclusion of "parental alienation" in ICD 11 may be used as evidence of its recognition by WHO within legal disputes to discredit women's accusations of domestic violence and child abuse, most commonly against the father. One of the risks is that individuals accused of abuse will blame the contact refusal on "parental alienation", and uninformed or misinformed judges will transfer full or partial custody of the children to the abusive parent.

Uruguay shared examples of magistrates referring to "parental alienation syndrome" in their court decisions and described an ongoing attempt in that context to have "parental alienation syndrome" established legally as an official diagnosis, citing its recognition by WHO. PAHO Brazil was contacted by a man undergoing divorce proceedings who requested a letter confirming the inclusion of "parental alienation" in ICD 11 and its recognition by WHO.

The parent category, "caregiver-child relationship problem," provides sufficient scope for application in clinical situations in which problems arise in a relationship with a non-abusive parent in the context of a high-conflict divorce.

In light of the above, we reiterate our proposal to delete the foundation layer entity and MMS index term "parental alienation".

Alessandra Guedes 2019-Apr-13 - 21:59 UTC


can't find any foundation document explaining when and how PA was included as well as a scientific paper that was reviewed that allowed the WHO sub-committee to include the term - PAS was rejected by the APA for inclusion in DSM5 so this appears to be a backdoor attempt for legitimacy as part of WHO classification - PA is not a disease

Peter Jaffe 2019-Apr-19 - 16:42 UTC 


Parental Alienation is a widely understood and recognized psycho-social dynamic affecting a huge number of families around the world struggling with successfully restructuring after a family separation. It is broadly recognized in the legal and mental health worlds. It's existence as a family systems dynamic is beyond debate. It is a "disease" of otherwise healthy family relations and a classic example of a parent-child relational problem. It can be studied and treated by skilled clinicians and parental coordinators when empowered by the legal system, as otherwise the dynamics are intractable. Parental alienation is widely recognized in the legal and mental health communities as a form of emotional child abuse and domestic violence by proxy.

Brian Ludmer 2019-Apr-19 - 21:02 UTC



No one at the ICD-11 has ever said anything about Parental Alienation being included!

It was William Bernet that in July of 2018 sent a letter to the PAS Gang of his PASG (www.pasg.info) proclaiming that his 'Parental Alienation' had been included in the ICD-11. See the official letter thanking the member and affiliates of his Pasist Gang for their work and effort in manipulating the ICD-11 through their assiduous work on the ICD-11 website.

Unexpected? No! William Bernet has manipulated Pasist members / affiliates and whole organizations since 2010. Then in 2010 Bernet began to proclaim that i PAS/PAR was in the DSM-5 when in fact the DSM-5 had publicly and officially rejected his PAS/PAR proposal presented in 2008 with the mobilization of hundreds of PAS professionals, organizations of separated fathers, and law offices in the US and Europe and in the Anglo-Australian world. Between 2010 and 2016 he manufactured six big lies to justify his one big lie, even naming respected professionals at the ICD-11 by name. Criminal!

In 2010, in connection with the DSM-5 rejection of his PAS/PAR proposal he assembled a meeting of pro-PAS professionals to present a parallel PAS Proposal to the ICD-11 -- see the book edited in 2010. He proclaimed that the DSM-5, which had recognized his PAS/PAR -- had asked him to do harmonize the code between DSM-5 and ICD-11. Big lie in 2016.

Bernet presented - in 2013 - the same proposal which he had presented to the DSM-5 in 2008 and which the DSM-5 rejected in 2010. The ICD-11 rejected his proposal requesting the inclusion of his PAS as a medical diagnosis. Bernet went on the attack again and presented a second proposal -- the one seemingly accepted which renders his PA as a criminal event on the part of the denigrating/ alienating / refusal inducing parents ... i.e., sociologically the mother in >95% of cases.

How the professional at the ICD-11 decided to accept such proposal by Bernet the second time is a story that needs to be investigated -- perhaps even criminally.

*** Here is Bernet's letter to his PASG Gang in July of 2018:

ICD-11 Includes Parental Alienation

Numerous members of PASG helped bring about this recognition.

By William Bentet, President, Parental Alienation Study Group

ICD-II

FOR THE FIRST TIME, the term "parental alienation" is included in the new edition of the International Classification of Diseases (ICD-11). Parental Alienation is not a separate diagnosis in ICD-I l; but is considered a synonym or an index term for a specific diagnosis, that is, caregiver-child relationship problem (QE52.0).

The final version of ICD-11 is freely available on the Internet at https/icd.who.int. Go to that link and then to "ICD Browser." You can easily search for "Parental Alienation" and "Parental Estrangement". Both terms are recognized because they are in the Index of the three-volume set of ICD-11. Both terms take the reader to the diagnosis of caregiver-child relationship problem.

That is what ICD personnel have been telling us for more than a year; that is, that alienation and estrangement are considered "index terms" for caregiver-child relationship problem. We knew all along that parental alienation would not be a separate diagnosis, but that was considered an alternative term for caregiver-child relationship problem.

If you ask me, I think it is correct to say: "Parental Alienation is in ICD-11"; also "PA is considered another name for caregiver-child relationship problem"; and also "ICD-11 recognizes the reality of Parental Alienation"; and so on.

Numerous members of PASG helped bring about the recognition of Parental Alienation by ICD11 and the World Health Organization (WHO). Starting about two years ago, PASG members logged into the website, where ICD-11 was under development. On the ICD-I I website, PASG members indicated their support for including SOME reference to alienation and estrangement. (We tried to go one step further, that is, for ICD-11 to include definitions for "alienation" and "estrangement", but that initiative was not successful.)

The WHO released the final version of ICD-11 on June 18, 2018. According to a WHO press release, ICD-11 will be presented at the World Health Assembly in May 2019 for adoption by Member States, and will come into effect on January 1, 2022. Starting now, individual countries can plan how to use the new version, prepare translations, and train health professionals. ICD-II contains around 55, 000 unique codes for injuries, diseases, and causes of death. It provides a common language that allows health professionals to share health information across the globe.

July 2018 14 Volume 3, Issue 4

sarnen Gustafson 2019-May-26 - 22:20 UTC

------

The terms unjustified parental alienation and justified parental estrangement have been implemented in the International Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11). The draft resolution A72 / 29 Add.1 (ICD-11) was adopted without amendments and by a unanimous vote. It includes gaming disorder, parental alienation, parental estrangement, traditional medicine, gender incongruence, among many other classifications. This coding tool have been approved by the Committee B of the World Health Organization Assembly on May 25, 2019. The session began at 9:00 am and concluded at 2:00 pm in Geneva, Switzerland. It was approved that the adoption of this new tool by the 194 Member States must be before 2022.

Best regards,

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-27 - 15:18 UTC


---

In response to Alessandra Guedes: It is blatantly incorrect to say, "There is a lack of scientific evidence to support 'parental alienation.'" There are hundreds of peer-reviewed articles regarding parental alienation on the Parental Alienation Database at Vanderbilt University. (Just Google that term.) There are scholarly books regarding parental alienation that have been published in U.S., U.K., Canada, Sweden, France, Italy, Spain, Portugal, Australia, etc. In the U.S., the reality of parental alienation has been recognized by the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, the American Psychological Association, the American Bar Association, the American Academy of Pediatrics, and other professional organizations.

It is unclear how often and whether the concept of parental alienation is abused in legal settings. If it is, the solution is NOT to suppress identification and discussion of parental alienation. The solution is to increase discussion and education regarding this topic, so that it is used appropriately in both clinical and legal situations.

William Bernet 2019-Apr-14 - 13:39 UTC


-----

Dr. Bernet is correct. One of the best medical-legal definitions of the dynamic is found in a 2012 Canadian case (Manitoba) where a leading psychologist described it as follows:

It is a descriptive term that refers to a process. It is not a diagnostic label. It doesn't appear in any nomenclature about mental health disorders. It is a descriptive term that refers to a process where there is a systematic devaluation, minimization, discreditation of the role of, typically, the other parent in a parental dyad. One parent systematically, through a variety of physical, emotional, verbal, contextual, relational set of maneuvers systematically reduces the value, love, commitment, relationship, involvement of the other parent by minimizing, criticizing, devaluing that parent's role. It can involve children having their sense of history being "re-written" by a parent's redefinition of history, reframing things, repetitively talking about things. It can involve sometimes very subtle and sometimes not so subtle suasion, coercion, direction, misrepresentation and so on.

It is an abusive practice. It is child abuse when it occurs. It's emotionally abusive. It cripples and stunts children's development because the reality they knew at one point is undermined by this process. It is dangerous for the development because in ideal situation, children should feel free to love and interact with the adults who are important in their lives, unencumbered by twisted turns of relational loyalties that are, unfortunately misplaced in this situation.

So parental alienation is a process, an interactional process where systematically one parent's role in, for the children is eroded over the course of time.

Brian Ludmer 2019-Apr-19 - 21:14 UTC

-----

LA GRAN MENTIRA PEDOFILIA LLAMADA SAP/PAS

La teoría SAP/PAS es una herramienta de violent@s ,abusadores y pedofil@s para revertir la denuncia y acusar a la parte denunciante/victima. Esta teoria fue desarrollada por el médico generalista, militar , Richard Gardner en 1985, Gardner fue militante para la legalización de la pedofilia y tanto el como su socio Ralph Underwagger murieron los dos acusados de abuso sexual infantil en Estados Unidos, hace casi ya 30 años que la Organización Mundial de la Salud rechaza esta teoria por inexistencia del supuesto síndrome y ha sido rechazada claramente su incorporación a todas las listas de enfermedades, trastornos o síndromes . Desde Alerta Vida Ong hemos compilado la fundamentaciòn juridica y cientifica con fallos y resoluciones de entidades médicas, sobre la inexistencia del sindrome de alienación parental que nada tiene que ver con asuntos de familia , aunque se confunde a la gente con esto.

Es la teoría de un misogino y pedofilo que quiso legalizar la pedofilia y que jamas fue aceptada.

Este mèdico Richard Gardner decía que las mujeres ( todas) son naturalmente histericas. Que la pedofilia era buena para la humanidad. Que la madre que no acepta que el padre tenga relaciones sexuales con sus hijos es una madre alienadora y en 1992 avanza agregando que esta madre que no permite las relaciones sexuales entre padre e hijos ( incesto) debe ir presa.

La violencia en estos terminos hacia la mujer se llama misoginia.

Y la violencia sexual hacia los niños se llama pedofilia.

La pedofilia es el unico trastorno mental ( parafilia) que es criminal.

Artículos sobre el falso SAP

https://www1.rionegro.com.ar/diario/debates/2008/05/04/12644.php

https://www.telam.com.ar/notas/201311/40971-el-sindrome-de-alienacion-parental-es-ilegal-aseguran-especialistas.html

https://www.eparquiodelgado.com/index.php/trastornos-a-medida-de-ideologias-i-el-sindrome-de-alienacion-parental/

https://www.elcomercial.com.ar/index.php?option=com_telam&view=deauno&idnota=435244&Itemid=116

https://www.mujeresparalasalud.org/spip.php?article241

https://www4.diputados.gov.ar/dependencias/dcomisiones/periodo-130/130-2253.pdf

Constanza Holway 2019-Apr-26 - 02:40 UTC AGREE -18 DISAGREE SPAM REMOVE

Sra. Constanza Holway. Paso a explicarle diferentes puntos para que entienda usted de lo que hablamos aquí.

1. El síndrome de alienación parental de GARDNER excluye especifiamente a los violadores o abusadores como el mismo lo escribió. Evidentemente no ha leído la obra de Richard Gardner de la que tanto opina.

2. No encontré una sola mención de diario/reporte de EE.UU de que Richard Gardner fuera acusado de pedofilia legalmente.

3. Es correcto que hasta el momento el SINDROME DE ALIENACION PARENTAL no esta incluido en lista de enfermedades y justamente eso es lo que se debate en este CID 11. Por lo tanto no es un argumento lo que escribe a este respecto sino que muestra que tampoco esta usted entendiendo la idea de esta web del CID 11 que es analizar su inclusión en el listado del CID 11 o no.

4. Su pagina de ALERTA VIDA no da ninguna información estadística en contra de la existencia de los síntomas del SÍNDROME DE ALIENACIÓN PARENTAL por lo tanto lo único que tienes allí son artículos sueltos de la televisión y notas sin valor académico científico. Poco serio su material según un análisis profesional medico-psicológico. Si cree que no estoy en lo correcto refierame artículos académicos publicados en PUBMED donde se enuncie con probabilidad estadística que los síntomas de SAP no existen. Con gusto analizare cada una de sus citas y le opinare al respecto con rigor científico.

5. En ninguna parte de la obra de Richard Gardner esta afirmado que la Pedofilia es buena para la humanidad como usted dice.

6. Los artículos citados por usted al final de su comentario no son artículos de estadística medica o psicológica de valor científico. Seria bueno que si realiza afirmaciones técnicas lo justifique sobre datos extraídos de artículos científicos, cosa que no he visto en ninguna de sus afirmaciones.

7. La invito con todo gusto a tratar de realizar afirmaciones como explique en el punto 6 y con todo gusto le opinare sobre cada una de ellos con rigidez científica, cosa que hasta ahora no he leído en ninguna de sus frases.

8. Infiero poca seriedad en lo suyo.

María Capornio 2019-May-13 - 03:02 UTC AGREE 15 DISAGREE SPAM

William Bernet: It is a lie to say

"There are hundreds of peer-reviewed articles regarding parental alienation on the Parental Alienation Database at Vanderbilt University. (Just Google that term.)

William Bernet must provide -- to wit on the Sodoma-Gomorra story -- the title of at least of 1 peer-reviewed article in that so-called database! We are talking about reputable peer review, not 'funny peer review'. After all his fraternal friend Richard Gardner published >40 books from his own editing house that had as address his ... home-office. None peer-reviewed -- all regurgitations by Richard Gardner peer-reviewed by ... Richard Gardner. (Information available upon request.)

William Bernet should also know that a dossier is being forward to the Director of the Science Center of the Medical School of Vanderbilt University; the dossier documents how Bernet conned the Director into publishing 'his' database as 'scientific' because the DSM-5, Bernet claimed, had included his Parental Alienation. The DSM-5 had rejected Bernet proposal in 2010. The dossier is alsobeing forwarded to the Director of the DSM-5 and of the ICD-11.

sarnen Gustafson 2019-May-29 - 00:13 UTC AGREE -1 DISAGREE SPAM

The International Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11) now includes: Gaming disorder, work burnout, parental alienation, parental estrangement, traditional medicine, gender incongruence, among many other denomination. There are in the region of 55,000 codes in the Eleventh Edition of the ICD compared with around 14,400 in the old ICD-10. The terms unjustified parental alienation and justified parental estrangement have been implemented under the caregiver-child relationship problems section. For this and other objectives, 4000 delegates from WHO's 194 Member States and partner organizations convened in Geneva, Switzerland from 20 to 28 May 2019, for the Seventy-second session of the World Health Assembly (WHA), the theme of which was "UNIVERSAL HEALTH COVERAGE: LEAVING NO-ONE BEHIND". The ICD-11 draft resolution A72 / 29 Add.1 was adopted without amendments and by a unanimous vote. This coding tool have been approved by the Committee B of the World Health Assembly on May 25, 2019 at 10:20 am. The session began at 9:00 am and concluded at 2:00 pm, Geneva time. It was approved that the adoption of this new tool by the Member States should be before 2022.

Best regards,

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-29 - 01:45 UTC AGREE 2 DISAGREE SPAM

Parental Alienation is not only settled science, it is recognized as emotional abuse of the children by DSM and APSAC. Removing Parental Alienation from is an unforgivable disservice to these abused children who are experiencing a life-threatening psychiatric emergency. Untreated, these children not only lose a parent, based on ACE studies are at significant risk of substance abuse, alcoholism, depression, suicide, getting involved with abusive partners similar to their alienators, divorce and becoming target/rejected parents themselves. Based on ACE studies there is no difference between emotional abuse and sexual and/or sexual abuse. These children are like cult members and none of their decisions are based on their free will. They may say so but that is called Independent Thinker Phenomenon; a known indicator of parental alienation. To dismiss science, first you need to study it. How many of you proposing to remove parental alienation from ICD-11, have actually studied significant body of literature on parental alienation and contributions of dedicated experts such as Dr. Bernet, Dr. Baker, Dr. Miller, Dr. Warshak, and Dr. Lorandos just to name a few? I strongly object to removal of parental alienation from ICD-11.

Dr. Noushin Izadifar Hart 2019-Apr-19 - 21:27 UTC REPLY AGREE 42 DISAGREE SPAM

Sexual and/or physical *

Dr. Noushin Izadifar Hart 2019-Apr-19 - 21:37 UTC AGREE 14 DISAGREE SPAM

from ICD-11*

Dr. Noushin Izadifar Hart 2019-Apr-19 - 21:31 UTC REPLY AGREE 15 DISAGREE SPAM

I knew Dr. Gardner personally. I went to school with his children. And he even was my therapist for a time. He is anything but a pedophile. In fact, anyone from his hometown would laugh in your face for saying this. Many of my best friends hung out at his home and played there. If he was such a pedophile, then why did kids of all ages never get attacked by him in all the years that he lived and worked by his hometown? Because it is not true. He was a good man who recognized a serious form of child abuse by parents who are so filled with hatred, anger and rage at the other parent that they are determined at any cost to anyone to destroy that other parent.

From my 23 years of work with parents who have been abused by aggressive alienating ex-spouses, this is what I have learned:

Alienated Parent vs Alienator

The Alienated Passive Parent:

First, there is a difference between Targeted and Alienated Parent. A targeted parent still sees and spends quality time with their kids while the other parent attempts to destroy the relationship. The alienated parent has no relationship with their kids. It is a living death. The children are physically alive but emoåtionally and mentally dead to them. When a child dies, there is closure because we know where they are. When a child is missing or alienated, there is no closure, and hence the term "Living Death".

The alienated/targeted parent is the peacemaker, go with the flow, whatever you say honey parent.

The Alienator Aggressive Parent:

As for the aggressive alienating parent, they are the controller and need to have total control.. Alienators are narcissists. They have extreme low self-esteem and sense of self-worth. They are filled with hatred, anger and rage. Stuck in the anger stage of the grieving process, they emotionally cannot more forward. Whether this is from childhood issues or the loss of a relationship, they are stuck. This is not necessarily from you but from their family of origin issues (FOO).

They were also raised to believe they have to be perfect because if they are not perfect, then they are not lovable. And if they are not lovable, they will be abandoned. And if they are abandoned they are lone. And this terrifies them. This need to be perfect is why they cannot go to counseling or loose because then they are not perfect and will end up alone.

From my work, 99% of alienators were abused as children or raised by narcissistic dysfunctional parent or parents. No one saved them from this abuse. So now when their relationship ends, their warped minds truly believe they are saving their children from some perceived abuse. What they are really doing is projecting their own FOO (Family of Origin) issues through the children on to you. In reality, they are trying to save little them as a child, through the children and blaming you for not saving them from the abuse or for abandoning them. In other words, they are projecting their childhood issues through the children onto the targeted parent in an attempt to save little them. In their warped minds, they truly believe that they are saving their children from some perceived abuse. So now they must make themselves out to be the perfect parent and make you to be the bad parent. There is no gray. It is just a very black or white thing. You either are with them or your are not.

This adds to their inability to recognize their own feelings and emotions are separate from their children's. It is what I call Borderless Boundaries. There is no boundary or border between who they are and what they feel, hear, or see and what their children do.

The only way I can explain this warped brain is to describe it as a piece of wood that has been left out in the rain. It is warped and completely distorted. It takes special tools and expertise to straighten out that piece of wood. And even with that, it will never be perfect.

The Relationship:

When the two parents met it was a yin/yang relationship. The alienator was looking for someone to control. And the targeted parent is the peacemaker, go with the flow whatever you say honey person who is just looking for someone to take the command and control. But the day that the targeted parent stands up and tries to take back the control, is the day all hell hits the fan.

Joan Kloth-Zanard 2019-Apr-19 - 21:33 UTC REPLY AGREE 43 DISAGREE SPAM

If you knew personally Dr Richard Alan Gardner ask of his crime file to FBI about the operation against paedophilia that was prosecuted in 2000.

Rachel Holway 2019-Apr-23 - 04:02 UTC AGREE -18 DISAGREE SPAM

We perfectly understand where the radical gender lobby mistakenly concatenated the connection between the psychiatrist Richard Gardner and his professional work with the issue of "pedophilia" at a personal level...

There is cross-information due to a homonym.

There was a case of a rapist of minors back in the day whose name was also Richard Gardner: https://boyscoutssexualabuse.com/wp-content/uploads/iv_files/bsa_richard-e-gardner.pdf

Recent news on this case: https://www.youtube.com/watch?v=EoeskhIauTs

These unfortunate comments about Dr. Gardner are the saga of a cluster of bad translations, cognitive biases and lies in bad faith thrown in the heat of legal child custody confrontations as a form of attack to his theories.

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-21 - 18:01 UTC AGREE 16 DISAGREE SPAM

Parental Alienation is not only psychological child abuse, it is a form of domestic violence, continued after separation/divorce, using children as a weapon. This form of violence against children and a parent is not only ignored by current family courts, but is rewarded by primary or sole custody. In not so distant future, we will look back in horror what our family court system is doing currently with these cases. By then, we have a generations of children who has grown up with mental disorders - or worse, have already committed suicide. There are cases of alienated children committing murder through brainwashing. See links below. How long are we going to watch on sidelines and see families suffer through actions of one mentally compromised parents who has no empathy for their own children's mental well-being?

s://www.cbsnews.com/news/michele-neurauter-murder-i-had-to-choose-did-a-father-brainwash-his-daughter-to-help-kill-her-mother/

https://canadiancrc.com/Newspaper_Articles/ABC13_PAS_10_year_old_shot_father_29DEC04.aspx

https://nationalparentsorganization.org/blog/21284-alienating-mother-marilyn-edge-charged-with-murder-of-two-children

D S 2019-Apr-20 - 00:09 UTC REPLY AGREE 36 DISAGREE SPAM

The continued use of arguments about whether parental alienation is a syndrome or not is misleading as is the continued distortion of the problems faced by children of divorce and separation as a political issue of women's rights. Both of these issues are used to distract focus from the actual problem faced by children who are suffering from alienation from a parent. Children of divorce and separation have needs which are independent of their parents and require assistance which is focused upon enabling them to avoid the problems seen when parents are transferring their own mental health issues to their children.

Parental alienation is a mental health problem faced by the child because the problem seen in the child-caregiver relationship causes the defence of psychological splitting which is an ego defence which causes the child to form a false self or persona which is aligned to one parent and rejecting of the other. To induce psychological splitting - a false self in a child - is to cause a mental health problem and therefore the index term of parental alienation for the problem in a child-caregiver relationship is relevant and necessary.

Additional problems such as parentification and spouseification which are both attachment disorders are also present in cases of a child's unjustified rejection of a parent.

Further elements of concern are encapsulated delusional disorder and fixed idee, both psychiatric problems seen in cases of severe parental alienation.

This is settled science, the range of peer reviewed documentation in this arena is substantial and it is correct to keep parental alienation as the index term as proposed.

karen woodall 2019-Apr-20 - 08:01 UTC REPLY AGREE 41 DISAGREE SPAM

Here is a list of scientific articles on parental alienation chronologically - it is as real is Heart Disease and Diabetes:

https://parentalalienationresearch.com/scientific-evidence/

D S 2019-Apr-24 - 07:25 UTC AGREE 19 DISAGREE SPAM

Karen well done on your excellent work on Parental Alienation. the Irish government has not got a clue about it and have pushed my correspondance about it between three departments mental health, children & family and Justice. They have just passed Coercive Control domestic abuse legislation and ignored PA as well. is there any possibility that you could share this petition about it on your fantastic Blog? https://my.uplift.ie/petitions/make-parental-alienation-an-offence

Paul Anderson 2019-Apr-24 - 08:20 UTC AGREE 20 DISAGREE SPAM

Parental alienation is a situation wherein a child/children are triangulated into the conflictual parental relationship. Here one parent by himself/herself or with the help of others in the extended family manipulates the child/children into hating and emotionally cutting off the other parent. The techniques used in this manipulation, the extent of their use and the threatening consequences faced by the resisting child may vary and determines the severity of the outcome. This I believe is done with the main aim of emotionally abusing the targeted parent. The effect is devastating for everyone in the family system and also leads to trans generational repetition of patterns. With the alarming increase in the conflictual divorces and child custody disputes, the cost of this phenomenon on the family system, legal system, mental health system are likely to be huge. It is high time this phenomenon is recognized and further research encouraged to curtail its effects.

Manjula V 2019-Apr-20 - 13:52 UTC REPLY AGREE 39 DISAGREE SPAM

Poisoning Children against the other Parent / Relative is a well known and sadly un punished method of abuse against the parent and especially against the child and must be recognised diagnosed and remedied. Please veiw petition on https://my.uplift.ie/petitions/make-parental-alienation-an-offence

Paul Anderson 2019-Apr-22 - 13:51 UTC REPLY AGREE 29 DISAGREE SPAM

my son is already being alienated, and this step is needed so that the policy makers can make changes to laws to account for this symptom making legal procedures less ambiguous.

Kiran Sanjeeva 2019-Apr-25 - 00:43 UTC REPLY AGREE 19 DISAGREE SPAM

Parental Alienation is not recognised in Ireland but it should be as thousands of children and parnts are suffering please sign my petition to make PA and Offence

https://my.uplift.ie/petitions/make-parental-alienation-an-offence

Paul Anderson 2019-Apr-25 - 19:28 UTC REPLY AGREE 18 DISAGREE SPAM

Well done on the petition. May lots sign it and get it into the courts

Niall Mulrine 2019-May-03 - 12:37 UTC AGREE 15 DISAGREE SPAM

Paul Anderson <foreverfathersdonegal@gmail.com>

Attachments

Wed, Apr 24, 11:26 PM (22 hours ago)

to MinisterDaly_Office, Ministers, Minister's_Office, katherine.zappone, pearse.doherty, alan.kelly, Stephen.Donnelly, louise.oreilly, bcc: brian, bcc: Derek-Anthony, bcc: Mairéad, bcc: eoin.obroin

Re: Question about Parental Alienation to the Minister of Health

Padraig

Thank you for your speedy response to my query. There are 3 things that still remain unanswered in your reply to me and these are:-

1. Government Communication

Why is the answer in the HSE letter to TD Pearse Doherty not in the public domain and not on the Oireachtas website (public record) so that Irish Citizens can know what the answer that was given to him was so that they can be informed on what the Minister of Health's department is doing or not in this case about Parental Alienation?

2. DSM-V and ICD-11

The second paragraph states in the reply to Pearse Doherty TD

(i) That "it (Parental Alienation) is not recognised as a clinical entity by American Psychiatric Association in their classification of health disorders, the Diagnostic and Mental Health Disorders (DSM), the most recent iteration of which was published in 2013 is DSM-V. However the DSM-V defines 'Child Psychological Abuse' as a "non-accidental verbal or symbolic acts by a child's parent or caregiver that result or have reasonable potential to result in significant psychological harm to the child".

Dr. Bernet along with Dr. Wamboldt and Dr. Narrow who are the same authors of the DSM-V chapter collaborated together and produced the 2016 paper entitled &quot;Child Affected by Parental Relationship Distress. This article can be found at https://doi.org/10.1016/j.jaac.2016.04.018. Indeed there are There are 4 codes relevant to parental alienation in DSM-5.

V995.51 Child psychological abuse, suspected/confirmed

V309.4 Adjustment disorder with mixed disturbance of emotions and

conduct

V61.20 Parent Child relational problem

V61.29 Child affected by Parental Relationship distress

For more information on DSM-V see attachment

(ii) Also the letter of reply to Pearse Doherty TD states that "Nor is it recognised by the World Health Organisation in their standard tool the International Classification of Diseases and related health problems (ICD) most recently updated in 2018 as ICD-11."

This is also incorrect as in actual fact on June 18th 2018 the World Health Organisation (WHO) indexed Parental Alienation in their new International Classification of Diseases 11 (ICD-11) under section QE52.0 'Caregiver-child relationship' which identifies "substantial and sustained dissatisfaction within a caregiver - child relationship associated with significant disturbance in functioning". ICD-11 will be presented at the World Health Assembly in May 2019 for adoption by Member States, and will come into effect on 1 January 2022. This release in June is an advance preview that will allow countries to plan how to use the new version, prepare translations, and train health professionals in all countries for the new areas added.

Points 1 and 2 make the final part and substance of the reply to Pearse Doherty TD's question also meaningless and therefore incorrect because since Parental Alienation is an internationally recognised condition (It is in both the ICD-11 and DSM-V) and therefore it should be "supported by the development of the National Clinical Programmes." Which to my knowledge it is not.

3. Responsibility & Accountability

In addition the last correspondance from Minister of State Jim Daly TD stated that

"I have been advised that this matter is more appropriate to Mr Charlie Flanagan T.D., Minister for Justice and Equality."

I am asking once again if this is still the Minister's belief as Parental Alienation has been described by the United Kingdom's Children and Family Court Advisory and Support Service (CAFCASS) as

"we recognise parental alienation as when a child's resistance or hostility towards one parent is not justified and is the result of psychological manipulation by the other parent"

see https://www.cafcass.gov.uk/grown-ups/parents-and-carers/divorce-and-separation/parental-alienation/?highlight=%22parental%20alienation%22

This and Parental Alienation inclusion in both in the DSM-V and ICD-11 certainly makes Parental Alienation an issue of psychological (mental) health does it not? If not what is it defined as I wonder and whose responsibility is it to address competently?

Can you please address these three points for us; I thank you for your considerable time and effort and I look forward to your reply.

Yours sincerely

Paul Anderson

Alienated Childrens Advocates (ACA) & Forever Fathers

Brian O Sullivan

M.Sc. (Syst. Psych), B.A Psych & Psych Testing, Dip. Emergency Medicine, FTAI, ICP, PASG.

Consultant Systemic Family Psychotherapist

M:087 7773128

www.changes.ie

.Picture

Attachments area

Paul Anderson 2019-Apr-25 - 21:04 UTC REPLY AGREE 20 DISAGREE SPAM

Thank you for your reply. This issue is indeed a mental health one. On June 18th 2018 the World Health Organisation (WHO) indexed Parental Alienation in their new International Classification of Diseases 11 (ICD-11) under section QE52.0 'Caregiver-child relationship' which identifies "substantial and sustained dissatisfaction within a caregiver - child relationship associated with significant disturbance in functioning". ICD-11 will be presented at the World Health Assembly in May 2019 for adoption by Member States, and will come into effect on 1 January 2022.

Indeed the Minister of Health has answered questions on Parental Alienation previously on two occasions to Caoimhghín Ó Caoláin TD in 2014 https://www.oireachtas.ie/en/debates/question/2014-12-16/444/#pq_444 and as recently as 22nd January 2019 to Pearse Doherty TD https://www.oireachtas.ie/en/debates/question/2019-01-22/431/. On the second occasion the answer given by the HSE was incorrect and has now been changed fropm the one given to Pearse Doherty TD on the Oireachtas website..

I have addressed the question to the Minister of Justice Charlie Flanagan and the Minister of Children and Family Affairs Katherine Zappone because they will have to deal with the symptoms and repercussions of what psychologists in the field have labelled as "a serious form of child psycholgical abuse" (W von Boch-Galhau - 2018)1, as "intimate terrorism" (Harman - 2016)2, and as "family violence" (Harman, Kruk, & Hines, 2018)3. I have copied the named Ministers into this correspondance plus the spokes persons on Health for Labour, Fianna Fail and Sinn Fein.

Can you advise how your department (working together with the other named departments) aim to satisfy the WHO requirements in:

Services to recognise Parental Abuse

Rehabilitation of the victimes of Parental Abuse

Reconciliation of the families victimised by Parental Abuse

Punishment and / or rehabilitation of those who have been recognised with the disorder of Parental Abuse

The required legislation to prevent and intervene where cases of Parental Alienation are identified

If you wish to meet with Alienated Childrens Advocates (ACA), family victims and experts on this issue this can be convened.

Thank you for your time and we look forward to hearing from you.

Paul Anderson 2019-May-05 - 09:35 UTC AGREE 16 DISAGREE SPAM

I find the wording ambiguous as the main issue is to understand the child relationship with all his caregivers (plural). These caregivers should probably at le&ast include both parents. But that is precisely the issue and the drafting which avoids the plural makes it even more ambiguous. Indeed, many, including children health professional, consider the mother as the primary caregiver. In reality, the primary caregiver may well be a nanny, sibling, aunt, etc.

On one hand, "parent-child relationship problem" seems to be more specific but may omit other issues.

On the other hand, "caregivers-child relationship" problem seems to cover all types of dysfunctional relationships at the risk of being too wide and not specific enough.

To make the matter worse, the problems it refers to are most likely to be systemic with many parties involved. And, more specifically, there is a high risk of weaponization of any terminology within a family conflict and its legal resolution. Judges as well as social workers will hear any medical terminology when the child's best insterest is at stake.

In the end, I find that "parental alienation" is a much clearer wording. It is unfortunately obvious that many children from broken families have dysfunctional relationships with their father if any relationship at all, and that these children suffer from many comorbidities: schooling / academic performance, quality of life, substance abuse, suicide...

The only argument I have read against parental alienation is that its recognition would lead to not recognizing child abuse. I find this argument very weak as it is obvious that both should be recognized! The fact that some lawyers may use both of these abuses in family court as an attack or a defense is very sad but totally irrelevant here and should not be considered at this scientific definition level. If anything, I believe that a clear medical understanding of both types of abuse (physical and psychological) would lead to further studies based on evidence and a therefore reduced use of poorly defined qualifications.

Mark Sinsheimer 2019-Apr-28 - 17:55 UTC REPLY AGREE 19 DISAGREE SPAM REMOVE

As an alienated mother who had sole custody of her child for 10 years, I invite you to read Dr. Warshak's Ten Parental Alienation Fallacies That Compromise Decisions in Court and in Therapy.

Dr. Noushin Izadifar Hart 2019-May-01 - 19:44 UTC AGREE 18 DISAGREE SPAM

Dear World Health Organization

On the 22nd April 2019 you recieved a Collective Memo of Concern regarding the Inclusion of "Parental Alienation" as a "Caregiver-child relationship problem" Code QE52.0 in the International Classification of Diseases 11th Revision (ICD-11). It was from concerned Family Law Academics, Family Violence Experts, Family Violence Research Institutes, Child Development and Child Abuse Experts, Children's Rights Networks and Associations1 who appear to be mainly women.

I just wanted to add witness that "Parental Alienation" is very much a real problem impacting on the well being of millions of children and families worldwide including my own family.

Millions of women around the world witness that "Parental Alienation" exists in their role as mothers, daughters, grandmothers, cousins, sisters, aunts, girlfriends, partners, wives, head mistresses and clinical psychologists etc. Millions of men witness it too.

Everyone knows that Domestic Violence (DV) exists and that it has massive impacts on the development and safety of children. Abuse comes in many forms physical abuse, sexual abuse, psychological/emotional abuse and neglect. Perpetrators can be mothers or fathers. The letter they sent appears to be suggesting that it is only women who are victims and only men are perpetrators, which anyone who deals with official statistics or works in Social Services in any country in the world knows is not true. Both sexes can have Personality Disorders which impacts on their ability to parent with empathy. Both sexes are capable of coercive, controlling and abusive behaviour. As a result such people are capable of brainwashing a child to reject a normal range/safe parent and extended family.

It ignores the voice of once child victims who are now adults and can express the psychological abuse they were subject to. It ignores the voices of alienated mothers.

It appears to make the assumption that all allegations of DV are true.

It ignores the parents who are denied contact with their own children as a result of DV claims made in Family Courts but are trusted to care for children in their role as teachers and foster parents as well as those who move on to new relationships where they are successfully able to co-parent and raise well-adjusted children.

There is criticism in this letter of experts on Parental Alienation who have dedicated their lives to raise awareness suggesting that they are promoting Parental Alienation to make money from it. How many people giving support to this letter have vested interests? How many get paid for the work they do?

It's very difficult to watch the light leaving the eyes of the children in our families and seeing the impact it has on their development and behaviour at home and at school. Children who were fine before their parent's relationship ended but who are pressurised to align with one parent over another by coercive and controlling strategies.

Judges are not mental health experts, neither are most of the people supporting this letter. Families and Judges need expert help to resolve this world wide problem because it has been impacting children, their families and wider society for decades.

DV exists, it needs to be eradicated and billions are spent in every country every year to help achieve this. However, the manipulation of children to unjustifiably reject a normal range parent also exists and can do just as much damage. It needs to be recognised and solutions need to be put in place to resolve it. Parents, children and family members around the world need your support to do this. We don't care what you call it but we do need you to recognise it.

There may be some coercive and controlling parents who would falsely claim they are being rejected because of Parental Alienation but the key is the need for better assessment and fact finding to gather evidence in order to assess risk. When the parent being rejected is normal range, one of those risks is psychological abuse and it is a form of Intimate Partner Violence which ultimately harms the development of the child. The solution is not to ignore it or claim it does not exist when we witness that it does.

Thank you for listening.

Angela Ruberto 2019-May-07 - 12:05 UTC REPLY AGREE 21 DISAGREE SPAM REMOVE

World Health Organization様

私は、日本国内で片親疎外問題に携わっている公認心理師・臨床心理士です。以下の理由により片親疎外が専門用語としてICD-11に記載され、日本国内に周知されるよう期待しています。

1.家庭裁判所調査官の問題

 家庭裁判所調査官は、通常1回1時間程度のみ子の監護状況を調べます。ほとんどの場合、子の監護状況は同居親が事前に裁判所に提出した「子の監護状況についての陳述書」に記載された内容を鵜呑みにし、目視等によって確認されるのは、子の現住居の内部状況のみです。

 子の意思の確認は、児童の権利条約にも明記されている重要な権利ですが、子の監護や面会交流を争う多くの同居親は、子が自由意志に基づき自らの処遇を検討するために必要な情報を遮断、あるいは改ざんし、別居親を不当に危険視したり悪い印象を与えています。その結果、子どもたちは早晩別居親を不条理に拒絶あるいは蔑視するようになりますが、調査官は、同居親や子の心理と態度形成の機序につき無知であるか無視し、表面的な言葉のみを子の意思として裁判所に報告します。

 家庭裁判所調査官は、子を保護する必要のないケースにおいてなされた子の連れ去りが、子への心理的な虐待に相当するとの疑いすら持たず、子を連れ去った同居親が安全であり継続して監護すべきであるとの確証バイアスを持ち、反論の検証をせぬまま裁判所に意見を述べています。

2.裁判所の問題

 家庭裁判所は、正当な監護評価として通常調査報告書のみを認め、一部同居親から提出された医師の診断書を参考にする場合がありますが、調査報告書は前述したように確証バイアスに基づき同居親の主張を鵜呑みにしたものであり、セカンドオピニオンとして別居親が指定する医師や心理士に子を診察させることはできません。従って、同居親による明らかな外傷を伴う身体的虐待でも認められない限り、同居親がほぼ自動的に監護者として指定されることになります。

 裁判所は、月に1回2時間から多くても月に2回半日程度の面会交流を認めるのみであり、別居親が現監護状況の各種危険を訴えて監護者を自分に指定または変更するように求める場合、あるいは子が双方の親と十分な関係を将来にわたって継続しうる程度の面会交流を求める場合、単に自らの監護が優れ子との十分な愛着があることや、フレンドリー・ペアレントルールに則り同居親とも協力関係を築いていけることをアピールするだけでは不十分であり、同居親の態度・行動が虐待に相当すると主張せざるを得ません。

 同居親は自らの子の連れ去りや引き離しを正当化するため、同居親の代理人弁護士は離婚訴訟のみならず慰謝料請求・財産分与の成功報酬や訴訟継続のメリットのため、同居時に現別居親がDVや虐待を働いたと誇張し、または完全にでっちあげ、時に性的虐待をねつ造すらします。

これら双方の主張の結果、葛藤は激化され、子の利益は軽視され人質とされたり取引材料とされます。裁判所が、最初の子の連れ去りを不問にし、同居親に継続性の原理を適用させることによって、多くの日本の家族は壊され、やり直しの機会や安寧な面会交流・共同養育の機会が奪われています。

3.行政の問題

 保育施設や学校は、家庭・家族問題には直接的あるいは間接的にも介入しないという社会的なコンセンサスがあります。夫婦関係が悪化しそれを子が訴えても、父母の一方がDVを受けているという認識を持たない限り面前DVとは認識せず、子は守られません。逆に、一方がDV被害を訴える場合にはとりとめのない夫婦のいざこざであっても、他方がDV加害者とされ、引き離されることになりかねません。

 児童相談所は、一方の親からの不当な子の引き離しを心理的虐待と認めず、一時保護を実施しませんし、引き離しを継続するあるいは面会を制限する親に対して指導や助言を行いません。

 女性センターは、男女平等の理念を無視し、女性の訴えのみを鵜呑みにし、何らの調査も行わず、夫・父に一方的な非があるとの思い込みのもとに、DVの相談記録を作成し、これが事実上のDV証明として他の機関に認められる制度になっています。

4.専門家の問題

 夫婦不和や離婚が子に与える影響とその支援の必要性を理解する専門家養成や専門研修がなされていません。臨床心理士や公認心理師をはじめとする心理支援者も、相談者の主張を疑いなく傾聴するばかりで、子の福祉の視点に基づき、家族の再統合のための予防的介入・支援を行ったり、離婚を前にした親教育を実施したり、離婚や父母の葛藤による子の傷つきへのケアをしたり、片親疎外の改善のためのセラピーを実施することは極めてまれです。

 真のDVが認められる場合であっても、加害者が加害行為に至る背景・機序を無視し、単に罰して引き離すことのみが解決であるかのように考えられているため、加害者臨床がなされずに新たな被害者を生みだす可能性が高いと考えられます。

 子の養育に対する父母の共同責任を理解する心理支援者は極めてまれであり、面会交流を制限する同居親、そして面会交流や養育費の支払いを拒む別居親に対してその必要性を説くことのできる専門家も極めて少ないのが現状です。

5.日本の民法上の問題

 日本国内において、夫婦の離婚後は単独親権制が採られており、子の親権や監護権を奪い合う状態が継続しています。

これらの問題を解決するためには、国内の司法・心理・医療・福祉・教育関係者が、父母の別居後に子と同居する親の態度によって子の意思が歪められるということを認識し、表面的な表示意思に対して疑問を持つよう「片親疎外」という専門用語が周知されることがきっかけとなると思います。

Hideyuki Ishigaki 2019-May-08 - 01:10 UTC REPLY AGREE 7 DISAGREE SPAM REMOVE

I agree with Dr. Ishigaki, a psychologist in Japan. Dr. Ishigaki explains how child custody is addressed in Japanese courts and he favors the inclusion of parental alienation in ICD-11.

William Bernet 2019-May-11 - 11:29 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

GARDNER AND THE NAMBLA ASSOCIATION

Gardner's perspective on adult-to-child sexual relations aligns with that developed by advocates of the legalization of adult-to-juvenile sexuality and pro-pedophile groups such as North American Man Boy Love Association (NAMBLA). ).

This association, created in 1978, describes itself as a "political organization for civil rights and education" whose purpose is to "end the oppression of men and boys who have consenting relationships". The association states that it "does not engage in any activity contrary to the law, and encourages no one to break it".

NAMBLA, however, provides documentation and support to imprisoned sex offenders, calling them "unduly incarcerated persons" for "romantic relationships between people of different ages" instead of describing them as men imprisoned for breaking the law and caused harm to children.

Gardner and NAMBLA claim that sex between children and adults is biologically natural and not necessarily bad for the child: if the child gets hurt, they say, it's not because of the relationship itself but because society stigmatizes this practice. According to Gardner, "the traumatic nature of these experiences (that is, these sexual encounters between adults and children) depends mainly on society's reaction to it. He declared:

"Many societies have been unjustly repressive of those with paralytic sexual tendencies (ie pedophiles, rapists, etc.) and have not paid attention to the genetic factors that can affect them. explain. Taking this dimension into account may help to better tolerate those with atypical sexual tendencies. I hope this theory will help to better understand and respect those individuals who otherwise play a role in the survival of the species "(Gardner" True and False Accusation ", note 27, 670).

Gardner claimed that "repeat offenders must be ostracized", but he also stated that they should only be imprisoned if treatment fails, so he said they would not be incarcerated "highway criminals" and they do not have to carry out unending prison sentences (Gardner, "Sex Abuse Hysteria", note 356, 119).

On the political front, Gardner has been actively working for the abolition of the mandatory reporting of sexual assault on minors, for the abolition of the guarantee of protection for professionals reporting a case of child abuse, and for the creation of funded programs at the federal level to help people who claim to be victims of false accusations.

The organization NAMBLA, like Gardner, says that sexual relations between adults and children are normal, healthy and beneficial for children.

Proponents of pedophilia and the scientists who support them, deliberately ignoring the evidence of pedophilia damage on children of both sexes, say that children do not suffer from sexual contact that they can experiment with adults; they even say that denying children these sexual contacts is tantamount to flouting their rights.

Gardner and NAMBLA have both stated that sexual relations between adults and children have no consequences for them and that they are even beneficial. Both say condemn and hate sexual exploitation and abuse but none defines the concept of sexual assault on children.

The fact that the EWS originated in a theory that can easily be described as "pro-pedophile" poses some practical legal and judicial concerns.

The origins and use of EWS show that it is a political and legal tool invented and used to protect child molesters from prosecution and to promote their unhindered contact with these children through court orders assigning them total custody.

The EWS considers that women and children violate the rules of patriarchy when they allow themselves to be disrespectful or when they refuse to show respect for men.

The EWS assumes a priori that any complaint of male violence is necessarily unfounded: this is a clear denial of circumstantial evidence that men use violence more than women and is a reminder of the patriarchal law that male against women and children is legal.

The EWS condemns women who make use of their right to sue: by doing so, it reissues the patriarchal rule that women are deprived of legal rights.

Thus, it appears that the promoters of the EWS are looking for ways to involve the state so that it takes coercive measures against women and children, that it listens to the grievances of men who demand that they are shown affection and respect and unconditionally protect the links between sex offenders and their child victims by giving them full custody. (https://contrelesap.canalblog.com/archives/2008/01/20/7639669.html)

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:25 UTC REPLY AGREE -14 DISAGREE SPAM REMOVE

Richard Gardner was a prolific writer and had opinions about many topics. For example, he said, "Child molesters should be in prison." In any case, Gardner died 16 years ago and his opinions and writings have nothing at all to do with the current discussion of whether "parental alienation" and "parental estrangement" should be in the Index of ICD-11.

William Bernet 2019-May-11 - 11:40 UTC AGREE 16 DISAGREE SPAM REMOVE

"Parental Alienation", better known as "SAP" Parental Alienation Syndrome, according to its predecessor Richard A. Gardner, does not constitute a psychic anomaly, but a disorder that arises mainly in the context of child custody disputes, denigrating and degrading the child. parent alienated, caused by the spouse who has custody of the minor or the minor.

Gardner's formulation was severely criticized as lacking a scientific basis, and as a hypothesis from which proponents failed to find scientific evidence.

Almost all the countries in the world have discouraged their admissibility, excepting Brazil and some Family Sticks in the United States.

Even at this juncture, criticized by the other countries of the world, Brazil, on August 26, 2010, ended up including this issue in our legal system, decreeing the wrong Law No. 12,318.

To Gardner's arguments, our psychologists added to being a part of the Parental Alienation Syndrome, by instilling the alienating parent into the child's "planted memories," in order to drive her away from the other spouse.

It is important to emphasize that "Psychology" is not an exact science and as such, conclusions are drawn in comparative data, often beyond the limits of reasonableness, depending on the moment in which the professional in charge of this analysis lives.

Moreover, the skills must never be semi-directed, since in this way the verdict is already formulated, there is no longer any study. The correct one would be a deep study, case by case, without interferences or prejudices.

The professional is not exempt from the variables that involve each case, and ends up applying a single principle, neglecting the characteristics of each case. As stated in law: "each case is a case, although it bears certain similarities". One can not judge all cases by a single formula, this has to be considered the variants that each case presents.

This is also the case in psychosocial assessments. The assessment of a case depends on the focus of the situation to be analyzed. The Psychologist or Psychiatrist is more exposed to errors than another health professional working with "probabilities".

Gardner himself, in his study, concluded that the principle he advocated was being misused and in Brazil, the misuse of Gardner's principles has cost the lives of innocent children, as will be seen in the course of the present reflection.

In order to understand the impractical nature of Gardner's formulation, we have to resort to real cases that, throughout the practice of law, have passed through the scrutiny of the Judiciary.

The so-called Maria da Penha Act came to fulfill a reality that the country was and still lives of aggression and domestic violence.

For specific cases, the Maria da Penha Law has to be applied, following the Penal Code.

What has been observed during these six years of the Parental Alienation Act is that there was an erroneous application of Gardner's formulations, as was already the case in his time.

When a child is sexually abused, it is necessary to rely on article 217-A, second part of the Penal Code, which accentuates "or practice another libidinous act under the age of 14 years", when there is no carnal conjunction, first part of the designation of the legal precept.

The abuse of the formulation of Parental Alienation is to the extent that the cause of the part of the Author of the illegal act, uses as a defense the argument that there was no criminal act and that there is the alienation.

This crime is practiced "always" between four walls. He has no eyewitnesses. It is when the word of the victim, child, remains, against the word of the perpetrator of the criminal fact, eventually being acquitted the offender.

When this happens, and it is almost always the case, the victim is at the mercy of the criminal, who is always a close relative, or the parent himself.

There are cases, which the Public Prosecution Office even thinks about the conviction, but the Judge decides for acquittal.

Although the Statute of the Child and Adolescent, Law 8069 of July 13, 1990, was promulgated to protect the child, however, is only in theory, therefore, the voice of the child does not find echo in practice.

Thus the annals of the Judiciary record hundreds and thousands of errors culminating in the death of innocents who were not protected by the state, as determined by law.

The Criminal Code and the Code of Criminal Procedure should be reformulated, especially in Articles 217-A of the Criminal Code and, consequently, Article 18 of the Code of Criminal Procedure.

Article 18 of the Criminal Procedure Code can not and should not be applied in cases with reports of abuse of vulnerable or pedophilia. He authorizes the Judge to file the case, awaiting "new facts".

What facts are expected for the continuity of the process? That it appears in the headlines of the newspapers and the media in general, announcing the death of the child occasioned almost always by the parent or the stepmother, or by the mother and stepfather?

The cases of Isabela Nardoni, Bernardo Boldrini, and many others are very recent. And when it happens the Judge "cries" and apologizes; I messed up

Too late. Acknowledging a mistake will not resurrect the minor or the minor killed by sloppiness, disregard of the authority that is bound to protect them.

The Judiciary is not given the right to make a mistake!

Article 18 of the Code of Criminal Procedure should not be applied to cases to which we are mentioning. The criminal proceeding must be received by the Public Prosecution Service and even if they have doubts, due process must be formed, with their instruction, and judgment. Absolution or Conviction should be the outcome of such proceedings and not filing. If this were to happen, the possibility of error would be much lower.

The principle "in doubtful pro defend" has no application and can never be in cases involving rape or abuse of vulnerable. The principle must always be "IN DOUBT IN FAVOR OF THE VITIMA" that is a defenseless child, the greatest good to be protected by the State. Give it to anyone who hurts!

This misuse of the device, in the Parental Alienation, must be changed, in agreement with the others, not to accept purely the claim of parental alienation, this so that concluded a Psychologist, without any scientific basis, since what is at stake is not the property of someone, but the life of a child, which may be interrupted before the time.

Very recently, I became aware as a lawyer of a mother who has been traveling with her child for a period of 10 years because she was sentenced for "Parental Alienation", having a history prior to divorce, still in the marriage record , of mistreatment and physical aggression of the parent with the child. This mother only quieted when she received information that her son's father had died in Rio de Janeiro.

The authorities, during all this time, did nothing to the aid of the child and his mother, and she had to do what the State had denied her: to protect her son.

How long will this inconsequence last?

If we depend on what we have, an inconceivable justice, combined with principles other than the Constitutional ones, until we get up to someone committed to moral principles, and why not say, with God, we will still watch in our armchair, on the flat of our television , the continuity of the crimes of those who fear nothing, because justice does nothing!

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:30 UTC REPLY AGREE -17 DISAGREE SPAM REMOVE

Another dump of copy-paste gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 00:59 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

O BRASIL É O ÚNICO PAIS DO MUNDO QUE TEM A LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL. VEJAM O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL POR CAUSA DESTA LEI.

ALIENAÇÃO PARENTAL x PSICOSSOCIAL

Existe uma total impropriedade da Lei 12.318/2010, Lei da "Alienação Parental", mais conhecida como "SAP" Síndrome de Alienação Parental, quando invocada na defesa de acusados de abuso sexual ou estupro de vulnerável.

Tenho insistido em afirmar que o próprio Gardner, em seu estudo, acabou por concluir que o principio por ele defendido, alienação parental, estava sendo mal empregado e no Brasil, o emprego errado dos princípios de Gardner tem custado a vida de crianças inocentes, como se verá no transcorrer da presente reflexão

A Psicologia como ciência humana, é possivelmente a mais propensa a erros, isto porque se firma no principio da comparação de comportamento sem apresentar uma prova cientifica que assegure sua aplicação como dogmática.

Por ser um fato empírico que se apóia somente em experiências vividas, na observação de coisas, e não em teorias e métodos científicos, não tem comprovação científica nenhuma.

Em um debate realizado pelo Conselho Federal de Psicologia, em 24 de Abril de 2.018, deu-se conhecimento de que "alienação parental" não é um problema para a psicologia e sim para a Justiça resolver. A psicologia não tem condições de afirmar com um mínimo de segurança se a alienação se instalou em uma criança ou não.

O ponto nevrálgico se encontra no art. 217-A do Código Penal Brasileiro onde lemos que:

" Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos:

Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.

§ 1o Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência.

§ 2o (VETADO)

§ 3o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave:

Pena - reclusão, de 10 (dez) a 20 (vinte) anos.

§ 4o Se da conduta resulta morte:"

Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.

Quando o agressor infringe este artigo 217-A do Código Penal, que trata do abuso sexual de vulnerável, via de regra a defesa toma como linha de defesa que o crime não existiu e que está havendo alienação parental, como forma de afastar o agressor alienado do filho ou filha.

A palavra do menor, que deveria ser absoluta na conformidade do que dispõe o Estatuto da Criança e do Adolescente, respeitado seu estágio de desenvolvimento e grau de compreensão sobre os fatos deveria ter sua opinião devidamente considerada. Muito ao contrário, temos registrado em processos que passaram pelo meu escritório, Desembargadores afirmam que "NEM SEMPRE O QUE A CRIANÇA FALA OU QUER É O MELHOR PARA ELA".

Tratando-se de opção quanto ao genitor que com quem ela quer viver, a toda evidencia que a palavra e a vontade da criança deve ser respeitada. Quanto a agressão ou abuso que sofreu, a palavra da criança deve prevalecer `a do agressor.

É o que deveria acontecer mas no geral não acontece. Prevalece a palavra do agressor. E quando isto não acontece o Juiz invoca o artigo 18 do Código de Processo Penal, que reza: " Art. 18. Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para a denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas tiver notícia."

Assim, é determinado o arquivamento do Inquérito Policial, e só será reaberto diante de "fatos novos".

O resultado é sobejamente conhecido, ou seja, o agressor fica livre e quem se atreveu levar o que a criança narrou a Delegacia da Mulher, além da humilhação, passa por um constrangimento tamanho, que se não for forte o suficiente enlouquece, especialmente por ver o filho ou a filha a mercê do "alienado" que se coloca de vítima.

Segundo o refrão popular, para se conhecer uma pessoa, é necessário comer um saco de sal junto com ela. Um saco de sal não se come em uma hora. Para se comer um saco de sal leva-se uma vida inteira e ainda assim nunca se sabe o que se passa na mente, no mais profundo do intimo do ser humano, aquilo que consiste a sua personalidade.

O que pode concluir uma perícia psicossocial que houve as partes em apenas uma hora? Isso sem considerar que as psicossociais forenses no geral são profissionais em inicio de carreira, sem o mínimo de experiência.

Temos ainda a considerar que a perícia é "semi-dirigida", ou seja, a parte entrevistada vai se limitar a responder apenas o que lhe for perguntado. Se a pergunta não enfocar o problema maior, no caso de abuso sexual, a menor não falará a respeito, até mesmo por um instinto de preservação de seu pudor.

Como se não fora o suficiente a perita psicossocial não permite a presença dos Assistentes Técnicos, escudada pela Resolução 008/2010, do Conselho Federal de Psicologia sobretudo o art. 2º, 8º e 10º , alegando em suma que a interferência de uma terceira pessoa em situação de entrevista psicológica produz alteração significativa na avaliação, e que os aspectos trazidos desta resolução foram referendados pelo Núcleo de Apoio de Serviços e Psicologia do Tribunal de Justiça de São Paulo conforme comunicado nº 01/2008.

A Resolução acima mencionada fere a credibilidade do perito, isto porque oferece margem a parcialidade ao registrar apenas o que favorece a uma das partes, o que faz com que o trabalho apresentado torna-se passível de dúvidas.

A Psicologia é por demais subjetivas. Uma perícia psicossocial depende mais do estado de humor do examinador do que da entrevistada. Fica também a mercê de influencias desde uma conclusão vazia do examinador, até mesmo de tráfico de influencia, abuso de poder, de quem a ele é superior.

No meio jurídico se diz que a prova testemunhal é a prostituta das provas. Se assim considerando, sem margem de erro posso afirmar que a prova psicossocial é a adultera das provas, isto porque os psicólogos não estão preparados para atuarem em casos como o que estamos abordando.

Em face da fragilidade que é o exame psicossocial, e o descaso do Judiciário, ocorrem casos como os por demais conhecidos e que já citamos em capítulos anteriores.

Citamos o caso ocorrido em 11 de Abril de 2015, Beatriz Silva de 27 anos de idade, casada com Manoel Vital Carneiro de Souza, conhecido pelas suas apresentações em festas infantis, até mesmo no meio Evangélico, como Boneco Lilico, pagou com sua própria vida por ter informado a Delegacia de que seus filhos de 03 e 06 anos eram abusados sexualmente pelo padrasto. O resultado foi ser morta próximo a Bragança Paulista com o carro ateado por fogo por Lilico. O Estado foi incompetente em não dar-lhe a segurança necessária.

E então ? O que adianta a Justiça condenar Lilico a 30 anos de prisão?

Não adianta nada !.

E assim é a Justiça no Brasil. Primeiro a vítima tem que morrer para depois os "fatos novos" fazerem efeito.

Apenas mais um erro enorme da perícia psicossocial.

Em 26 de Agosto de 1.997, após passar 30 anos atrás das grades, João Acácio Pereira da Costa, conhecido pela alcunha de "Bandido da Luz Vermelha", foi solto.

O Desembargador Amador da Cunha Bueno Neto, após analisar laudos médicos realizados pelos psiquiatras Charles Louis Kiraly e Norberto Zollner Junior, entendeu que não se justificava a permanência do sentenciado na Casa de Custódia.

Em 07 de Janeiro de 1998, 05 meses após ser solto, o "Bandido da Luz Vermelha" foi morto por Nelson Pisingher para salvar a vida do irmão Lírio Pisingher, que fora agarrado por "Luz Vermelha" e ameaçado com uma faca após desentendimento por causa de assédios cometidos por Acácio contra a mãe e esposa de Lírio Pisingher, em Joinville-SC.

E aí? Os laudos psicossociais ou psiquiátricos são seguros?

A resposta é "Absolutamente" não!.

Nenhum psicólogo ou psiquiatra tem a capacidade de penetrar na mente humana.

E o que falar da Assistente Social que em casos de menor visita a casa de um e de outro genitor. Muitas vezes entra em uma das casas sem nenhuma pergunta fazer. Entra em outra casa e faz perguntas até mesmo para quem não é parte em um processo. Um dia está de bom humor e então faz um relatório comovente. Outro dia amanhece mau humorada ou humorado e faz um relatório que em ambos os casos não condizem com a realidade.

A psicóloga, como auxiliar da medicina existe para ouvir os queixumes de seus pacientes mas jamais serve para emitir pareceres, visto que ela não pode penetrar no interior de quem está sendo entrevistado e saber a real causa do desarranjo emocional que a pessoa está passando ou vivenciando.

Foram-se os tempos em que em situações de conflito nas separações judiciais envolvendo guarda de menor, muitas vezes o Juiz deixava o conforto de seus gabinetes e eles mesmos se dirigiam a casa de um e de outro e tirava a sua conclusão. Hoje, lamentavelmente concluem em pareceres de quem não tem o mínimo interesse de serem imparciais.

Na quarta feira, dia 02 de Dezembro de 2015, mais uma vez fiquei estarrecida com a morte da pequena Sofia, de apenas quatro anos de idade. Os seus genitores estavam separados e no estabelecimento da guarda, o pai ficaria com Sofia um final de semana e outro ficaria com sua mãe.

As relações do casal não eram harmoniosas. Ricardo Krause Esteves Najjar, pai da Sofia, não há levou no final de semana anterior e a sua revelia, sem consultar a sua mãe, a apanhou na escola quarta-feira, levando-a para seu apartamento, fato esse que gerou uma acirrada discussão entre ambos. Para não agravar ainda mais, a mãe acabou em deixar a Sofia com o pai. No mesmo dia, Ricardo matou Sofia e com a ajuda de sua namorada limparam a cena do crime. Ocorre que no Instituto Médico Legal, foi constatado que a Sofia, de quatro anos de idade havia sofrido abuso sexual, pois, em sua genitália foram encontrados pelos de homem adulto e restos de papel higiênico. A perícia apurou ainda que papel higiênico foi encontrado no apartamento de Ricardo, com manchas de sangue, no quarto e no lixo do banheiro. Agregue-se a isso que a família de Ricardo não aceitou a relação de Ricardo com a mãe de Sofia, tanto assim que face ter a mãe se engravidado de Sofia, nesta mesma época Ricardo foi deserdado, segundo foi divulgado.

Diante de um quadro como este, a Justiça que deveria ser a guardiã da menor, mais uma vez aquiesceu mesmo que seja com uma mera homologação do requerido pelas partes.

Ricardo foi preso ainda no velório de Sofia. Tarde demais. A prisão de Ricardo não trará Sofia de volta.

Em face do que tenho presenciado e vivido advogando na área da família, faço aqui o meu alerta as mães. Que ponham sua intuição em alerta e quando houver um mínimo de dúvida ou indicio de perigo, não entregue seu filho ou sua filha ao genitor. Resista, e faça o possível e o impossível para que seus filhos, se tiverem que ver o pai, somente com visita assistida ou que não o vejam, e seu filho ou sua filha estará preservada de ter o mesmo destino que Sofia. Enfrente os "deuses" ou "semi deuses" do Judiciário com tudo o que for possível, mas não façam concessões. Só assim seus filhos estarão seguros.

Bem recentemente, no dia 27 de janeiro de 2016, vimos estarrecidos a reportagem feita pela Rede Globo de Televisão exibindo uma reportagem feita no Distrito Federal, Brasília, que acabou circulando em vídeo pelas redes sociais, mostrando as conseqüências de uma decisão judicial, que possivelmente não tenha sido a mais acertada, envolvendo um menino de seis anos de idade, de nome Samuel.

De acordo com o processo que tramita no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Rosilene tirou a criança da guarda do pai sem o consentimento dele. Na decisão do juiz, consta que ela trouxe o menino para o DF, retirando-o de seu convívio familiar, parentes, amigos, escola e consultas médicas.

Diante dos fatos, o pai ajuizou, na comarca de Capivari (SP), ação de busca e apreensão com pedido de liminar, que foi deferido pela Justiça de São Paulo, com a expedição de carta precatória, documento que é enviado pelo juiz a um colega de outro estado. Em outubro do ano anterior, a mãe de Samuel tomou conhecimento da situação e ajuizou uma ação de modificação da guarda. Rosilene conta que conheceu o ex-marido em 2008. Ele é operário e veio à Brasília para fazer um curso em uma igreja evangélica do Riacho Fundo II. Com três meses de namoro, os dois se casaram e passaram a viver em uma casa no Distrito Federal. Segundo a mulher, ela sofria agressões constantes do marido.

"Cheguei a registrar ocorrência. Ele me ameaçou de morte várias vezes", alega. Em 2010, ela, a filha de 8 anos, fruto de outro casamento, e Samuel fugiram de casa.

Dois anos depois, Rosilene conta que foi coagida a repassar a guarda de Samuel ao pai biológico.

Durante os três anos em que a criança ficou sob os cuidados do pai e da madrasta, a mãe diz que conseguia falar com o filho apenas por telefone e, ainda assim, com a supervisão do pai.

Em janeiro de 2015, Rosilene abriu um processo para recuperar a guarda do filho. Em agosto daquele ano, a denúncia de um familiar da criança que também mora em São Paulo deixou os parentes preocupados no Distrito Federal. "Essa pessoa me procurou e me alertou sobre o comportamento de Samuel. Me disse que ele não era uma criança normal", citou.

No feriado de 7 de setembro, quando a mãe poderia ficar com o filho, Rosilene levou o garoto para o Riacho Fundo. Ele ficou hospedado na casa da mãe e dos avós. "Começamos uma corrida contra o tempo para tentar a guarda definitiva dele. Conseguimos a guarda provisória", explica, sustentando que reuniu laudos do Conselho Tutelar, de psicólogos e de médicos que atestam maus-tratos.

"Não posso perder meu filho", disse a servidora pública Rosilene Batista, 31 anos, que há dois dias afirma não receber notícias do filho de 6 anos. A criança voltou a morar com o pai, em São Paulo, após uma decisão judicial. O drama vivido pela família ganhou força nas redes sociais após a divulgação de um vídeo que mostra a reação do garoto ao saber que voltaria a morar com o pai. "Eu ligo, mando mensagem, mas não me deixam conversar com ele. É desesperador ficar sem saber se meu filho está bem", conta Rosilene.

Segundo a mãe, o garoto sofria maus-tratos na casa em que o ex-marido mora com a madrasta.

A audiência teve duração de cinco horas, diz Rosilene. Ao final, quando soube da sentença, ela passou mal e teve de ser socorrida por uma equipe do Corpo de Bombeiros. "O procedimento foi errado do início ao fim", denuncia.Tenho denúncias de Maria da Penha contra esse agressor", acusa. Agora, a família luta para conseguir a guarda da criança.

https://www.youtube.com/watch?v=-5o9AXX2PUw

https://www.youtube.com/watch?v=RiHGs-DAPBs

Muitos comentários foram feitos, sendo que a Revista Virtual JusBrasil publicou uma matéria de um colega, Dr. Anderson Fogueira da Roza, em que ele afirma que quando na defesa de acusados de delitos sexuais envolvendo menores e que pede-se licença para copiar:"Nestes delitos, a palavra da vítima tem um valor enorme, e a defesa do acusado mais do que nunca deve ser muito técnica, pormenorizando todas as áreas que estudam o comportamento infantil, esta é a chave para saber se a criança está falando a verdade ou está sendo induzida a relatar fatos que não aconteceram."

Ainda outra fala que merece destaque que: "Porém, é sabido que crianças também podem mentir, podem ser induzidas a mentir".

Dr Felício Alonso, advogado que deu inicio ao nosso escritório, hoje com 72 anos de idade, dos quais quarenta e dois anos dedicados a advocacia, tem outra opinião a respeito do que acima foi afirmado, inclusive no caso do menino Samuel.

Realmente para tratar-se de um caso de menor, no caso do menino Samuel com apenas 6 ou 7 anos, é necessário o máximo cuidado possível.

Com todo respeito a opinião do nobre colega Dr. Anderson, pela experiência que tenho na área da família, uma criança dessa idade não mente, ou dificilmente mentiria a respeito de fatos com ela ocorridos. Muito menos, é impossível que uma criança dessa idade consiga gravar um "script" para representar uma situação não ocorrida. Afirmar que ela estava fazendo "teatro" é um absurdo. Ela estava mesma desesperada, conforme mostram as imagens.

A criança é muito mais sincera do que os adultos. Os adultos, quando acusados, na sua maioria, quase na sua totalidade negam ter cometido o crime.

O Estatuto da Criança e do Adolescente veio em socorro das crianças, mas é muito pouco lembrado.

Especialmente o artigo 18 Inciso II, que deixa claro que a criança tem o direito de expressar sua opinião, melhor dizendo, ser ouvida quanto a sua preferência.

A observação de todo o ECA é de fundamental importância ao tratar de casos semelhantes ao menino Samuel, especialmente os artigos 15 a 18, que dão a criança plenos direitos de decidir.

Quanto a fragilidade da prova psicossocial, no caso do Samuel ela restou evidente. Basta observar o que foi noticiado quanto as opiniões emitidas pelos Conselheiros e Promotores, tanto do Distrito Federal como de Capivari.

Conforme divulgado pela Revista JusBrasil, em 01/02/2016, no processo de Brasília, uma Conselheira Tutelar relata que ouviu do garoto que ele sofria maus-tratos do pai e da madrasta e que queria continuar vivendo com a mãe em Brasília. Outra profissional da cidade onde o menino morava até então, (Capivari), diz que não havia indícios da situação. Um assistente social do Ministério Público afirma que a criança se referia ao pai como alguém de quem tivesse medo.

Observa-se um contraste gritante em um mesmo laudo, desnudando por completo a prova psicossocial."

O Nobre Colega parece-me ser novo na profissão, pois, salvo engano tem pouco menos de 11 anos de profissão, portanto ainda no inicio da carreira. Para quem inicia no direito, analisar um caso que ocorreu na casa do vizinho é muito fácil. Mas quando esta situação vem parar em seu colo, ou dá-se em sua família, tenho certeza que sua opinião será outra."

Foucault afirma em seu livro "Doença Mental e Psicologia" (1998), que a psicologia não deve copiar das ciências naturais a objetividade excessiva, nem copiar das histórias biográficas as características segmentadas.

Para Foucault e Husserl, a psicologia deve ir para o campo da observação multifocal, enxergando por vários ângulos o mesmo fenômeno.

O processo de observação e análise procura a "verdade" na relação entre os sujeitos. É como enxergar a doença com os olhos do próprio doente, enxergar o outro a partir dele mesmo.

Segundo Augusto Cury, um psiquiatra ou psicólogo pode se conscientizar dos transtornos do seu paciente, mas jamais penetrará na psique deles, jamais atingirá a essência intrínseca dos seus medos, da depressão, da obsessão, da psicose. Toda conscientização é um sistema de interpretação.

Se os profissionais da saúde mental não aprenderem a interpretar bem os conflitos dos seus pacientes, se não se colocarem no lugar deles, o conhecimento que produzirão será muito distorcido, contaminado, gerando graves erros.

Nosso parecer a respeito dessa matéria não está isolada, mas encontra eco juntamente com inúmeros outros colegas, dentre os quais, pedimos licença para pedir a você que assista o vídeo postado por Dr. Marcelo Souza, do Distrito Federal - Brasília, no youtube, que corrobora tudo o que acima foi expressado conforme segue:

Para o Dr Marcelo Souza todos os técnicos judiciais precisam olhar o caso com muita cautela.

O comportamento do Samuel ficou totalmente galgado no Estatuto da Criança e do Adolescente e na Alienação Parental. O próprio Dr. Marcelo ficou indignado com comentários de que a criança foi manipulada para falar o que falou, ou ainda, que a criança foi induzida a ter este comportamento. Dr. Marcelo considera a idade da criança que tem somente 6 anos, e considera que o choro e a fala da criança nos moldes da gravação de forma nenhuma ela tenha sido induzida; mas ela agiu de coração. No presente caso não houve uma pericia prévia de como deveria ser feito esse trabalho de acordo com o interesse da criança.

No Art. 16, inc. II do Estatuto da Criança e do Adolescente garante que a criança tem direito a se expressar.

Portanto "se expressar da criança" seria a criança dizer para o juiz: "eu quero ficar com minha mãe. Eu fico com meu pai, ele me agride, eu apanho. A minha madrasta faz isso ou faz aquilo comigo".

A Lei da Alienação Parental é muito curta, porem nela traz todo interesse da criança.

Deve-se estudar sobre quem atende o interesse da criança e com quem ela tem que ficar. Isso não obsta o direito de visita, mas sim o direito de visita assistida.

No caso em discussão dever-se-ia entrar com recurso com pedido de liminar para que a guarda fique provisoriamente com a mãe, fazer um novo laudo pericial e levaria perante o Desembargador que será o relator desse recurso. porque ai sim, ver com presteza a veracidade dos fatos e principalmente manter a segurança e a idoneidade da criança.

A Sociedade está cansada, cansada de ver mulheres serem agredidas por maridos, por ex-companheiros; crianças sendo agredidas por pais, crianças que perdem a vida por causa dessas agressões violentas. Então não vamos permitir isso. hoje nós temos toda a mídia, toda essa rede de internet que podemos falar e se expressar...".

(https://www.youtube.com/watch?v=9GwXOpQEDKs)

Deixo para reflexão: Até hoje se tem registro na História, que somente um psicólogo foi capaz de penetrar no âmago das pessoas.

Certa manhã, trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério e , pondo-a no meio, disseram-lhe: esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. Queriam apedrejá-la.Mas este Grande Psicólogo, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. Ninguém foi capaz de dizer o que Ele escrevia.

Ergueu-se, endireitou-se, olhou nos olhos de todos, perguntando-lhes : Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.

Quando ouviram isto, acusados pela consciência, deixaram as pedras caírem ao chão e saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Ele e a mulher que estava no meio.

Endireitando-se, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

E ela disse: Ninguém. E disse-lhe o Grande Mestre: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.

Jesus ! É o seu nome!

Recentemente, em 08 de Abril de 2.018, em uma reportagem levada ao ar pela Rede Globo de Televisão, no programa do Fantástico, a própria Ex- Desembargadora Dra. Maria Berenice Dias, do Tribunal do Rio Grande do Sul,que colaborou na elaboração da Lei de Alienação Parental, declarou que:

"os peritos na maioria deles não tem o conhecimento suficiente deles, para distinguir se a criança que é ouvida foi abusada ou não foi abusada, e isso é muito grave".

E ainda afirmou que:

"Mas há uma consequência ainda pior: a possibilidade de identificar como falsa denúncia o que pode ser uma verdade. Nos processos que envolvem abuso sexual, a alegação de que se trata de alienação parental tornou-se argumento da defesa. Invocada como excludente de criminalidade, o abusador é absolvido e os episódios incestuosos persistem." ( Maria Berenice Dias, artigo Incesto e o Mito da Família Feliz, pág. 171 do livro "Incesto e Alienação Parental, realidades que a Justiça insiste em não ver", coordenado por Maria Berenice Dias, 2010)

E ainda , na mesma entrevista, o Desembargador Dr. José Antonio Daltoé Cesar,do Rio Grande do Sul, presidente da Abraminj (Associação Brasileira dos Magistrados da Infância e da Juventude) declarou que:

"Os profissionais não foram capacitados para especificamente trabalhar sobre isso. O Sistema da Justiça a mesma coisa..."

Transcorridos 08 anos da promulgação da Lei da Alienação Parental, a própria Desembargadora que cooperou na elaboração da lei, afirma que hoje ainda não temos técnicos preparados para uma avaliação psicossocial.

E mesmo assim, o Judiciário diariamente, determina a inversão da guarda, mesmo sabendo dos riscos que a criança está se expondo, em conviver com um abusador.

_ . _

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:31 UTC REPLY AGREE -12 DISAGREE SPAM REMOVE

Another dump of copy-paste gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 01:00 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

O EXAME PSICOSSOCIAL X CIENCIA

O exame psicossocial pode ser feito de forma científica? Pode. E porque não é feito de forma científica? Porque não há interesse do Judiciário.

Reafirmo o que já escrevi anteriormente. As Psicossociais, ou sejam as psicólogas e assistentes sociais não são competentes o suficiente para elaboração de um laudo de tamanha importância, em que está em risco a incolumidade física, emocional ou até mesmo a vida de uma criança.

Recentemente uma especialista Dr. Albertina Duarte, ginecologista e obstetra que faz um excelente trabalho de proteção e ajuda as crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, fiquei abismada e doeu-me até as entranhas , ao ouvi-la dizer que o seu trabalho de recuperação física de uma criança ou adolescente que sofreu estupro ou violência sexual, como médica, pode durar quatro ou cinco horas e o corpo dessa criança estará em forma, porém, a cicatriz que fica na alma dessas meninas duram uma vida inteira.Nenhum psicólogo ou psiquiatra humano, terá condições de curar a dor da alma que elas levarão vida afora.O traumas, o espectro do que sofreram a acompanharão pelo resto de suas vidas.

Podem serem aliviados, mas jamais extirpados de suas mentes.

Essas psicólogas ou psicossociais forenses, no geral são nomeadas por serem parentes de Magistrados, Desembargadores, ou por eles apadrinhados, até mesmo por políticos, sem nenhuma experiência, não sabendo nem mesmo o restante das afirmações de Gardner, detendo-se tão somente na alienação parental.

Se tirar o conceito de Gardner sobre o assunto, não saberão mais nada. Apóiam-se única e exclusivamente em uma teoria que sabem de antemão que foi rejeitada por todos os países do mundo. E ainda mais pela obscuridade de seu idealizador, que ainda em tempo, vendo o estrago que fizera, suicidou-se.

Nos países avançados, como já se está fazendo na quarta Vara Cível do Foro da Comarca de Cuibá-MT., e em aproximadamente em setenta cidades no Brasil, é possível utilizar-se de meios científicos para essa perícia. Uma sala devidamente apropriada, dotada de câmeras que gravam ou transmitem ao Magistrado as perguntas dos peritos e as respostas e as reações dos periciados,e o MM. Juizo por sua vez faz as suas perguntas a psicóloga, que transmite para a criança em sua linguagem, torna-se possível uma perícia confiável, com menos erros como hoje acontecem, pois, as perguntas e respostas nos laudos que hoje fazem, já estão pré-preparadas e as conclusões já vem prontas. Basta mudar os nomes das partes.

Não fosse verdade o que se está sendo dito, não haveria tantos erros judiciais, e tamanhas angustias causadas pela morte desnecessária de crianças que são entregues a genitores dos quais a Justiça tem o dever de protegê-las.

Se existisse um caso ou outro de falha da perícia, ainda seria suportável, pois, a falha humana é possível , como reconheceu o MM. Juiz Juiz Fernando Vieira dos Santos, juiz da Vara da Infância e da Juventude do Fórum de Três Passos - RS, que diante da morte de Bernardo Boldrini, afirmou: "Errei", e seu choro foi ouvido pelos quatro cantos do Brasil. Tarde demais! As lágrimas de Dr. Fernando não trarão Bernardo de volta?

A pergunta que faço é: Porque tem que chegar a esse ponto? Porque temos que perder as nossas crianças por causa de um erro Judiciário, para não dizer " relaxo" do Judiciário?

A pouco tempo, em um processo que nosso escritório tem a responsabilidade de cuidar, tivemos a oportunidade de, em um recurso, obtermos no Tribunal de São Paulo a anulação da sentença. Ao dar o V. Acórdão anulatório da sentença, o Presidente da Turma Julgadora dirigindo-se ao representante da empresa que representamos e a nós, pediu desculpas pelo erro cometido pela Juíza de 1º Instancia. Disse o Presidente: "Chega as nossas mãos dez processos e um deles vem com esse erro Judiciário que põe a perder todo o trabalho feito pelo Tribunal".

Mas o pior é que esses erros, muitas vezes custam vidas de inocentes que nós estamos gritando para que não aconteçam! Ao Judiciário não é dado o direito de errar!.

Fica o meu alerta, mais uma vez: mães, mulheres, não se calem. Não aguardem passivamente passar diante de seus olhos o esquife de seus filhos!

Resistam o quanto puderem! Além do que puderem! Seus filhos merecem todo e qualquer sacrifício, pois, eles são únicos!.

Estou com vocês, sofro como vocês, e tudo farei para que nossas palavras, nossa luta não seja em vão. Haveremos de ter um bom futuro para nossos filhos!.

Teve curso perante a Câmara dos Deputados Federal o Projeto de Lei nº 3792/2015, de relatoria da Deputada Federal Sra. Maria do Rosário, que foi aprovado, e poderá ser um avanço na melhor avaliação da fala das crianças, sendo que atualmente não é dado o devido valor como determina o ECA e a Constituição Federal.

A Associação Brasileira de Psicologia Jurídica - ABPJ. divulgou um manifesto de apoio ao referido projeto.

O Projeto de Lei nº 3792/2015, foi sancionado pelo Excelentíssimo Presidente da Republica Dr. Michel Temer, no dia 04 de Abril de 2017 e publicado no dia 05 de Abril de 2017, Lei nº 13.431, que entrou em vigor em 05 de Abril de 2.018,um ano após sua publicação. Esperamos que referida Lei possa oferecer maior segurança as crianças, pois, o que temos hoje , protege o acusado ou indiciado por conta da dúvida, e a vítima fica a mercê da própria sorte.

O texto da lei é o que segue:

Presidência da República

Casa Civil

Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017.

Vigência

Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

TÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1o Esta Lei normatiza e organiza o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência, cria mecanismos para prevenir e coibir a violência, nos termos do art. 227 da Constituição Federal, da Convenção sobre os Direitos da Criança e seus protocolos adicionais, da Resolução no 20/2005 do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas e de outros diplomas internacionais, e estabelece medidas de assistência e proteção à criança e ao adolescente em situação de violência.

Art. 2o A criança e o adolescente gozam dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhes asseguradas a proteção integral e as oportunidades e facilidades para viver sem violência e preservar sua saúde física e mental e seu desenvolvimento moral, intelectual e social, e gozam de direitos específicos à sua condição de vítima ou testemunha.

Parágrafo único. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios desenvolverão políticas integradas e coordenadas que visem a garantir os direitos humanos da criança e do adolescente no âmbito das relações domésticas, familiares e sociais, para resguardá-los de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, abuso, crueldade e opressão.

Art. 3o Na aplicação e interpretação desta Lei, serão considerados os fins sociais a que ela se destina e, especialmente, as condições peculiares da criança e do adolescente como pessoas em desenvolvimento, às quais o Estado, a família e a sociedade devem assegurar a fruição dos direitos fundamentais com absoluta prioridade.

Parágrafo único. A aplicação desta Lei é facultativa para as vítimas e testemunhas de violência entre 18 (dezoito) e 21 (vinte e um) anos, conforme disposto no parágrafo único do art. 2o da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Art. 4o Para os efeitos desta Lei, sem prejuízo da tipificação das condutas criminosas, são formas de violência:

I - violência física, entendida como a ação infligida à criança ou ao adolescente que ofenda sua integridade ou saúde corporal ou que lhe cause sofrimento físico;

II - violência psicológica:

a) qualquer conduta de discriminação, depreciação ou desrespeito em relação à criança ou ao adolescente mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, agressão verbal e xingamento, ridicularização, indiferença, exploração ou intimidação sistemática (bullying) que possa comprometer seu desenvolvimento psíquico ou emocional;

b) o ato de alienação parental, assim entendido como a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente, promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou por quem os tenha sob sua autoridade, guarda ou vigilância, que leve ao repúdio de genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculo com este;

c) qualquer conduta que exponha a criança ou o adolescente, direta ou indiretamente, a crime violento contra membro de sua família ou de sua rede de apoio, independentemente do ambiente em que cometido, particularmente quando isto a torna testemunha;

III - violência sexual, entendida como qualquer conduta que constranja a criança ou o adolescente a praticar ou presenciar conjunção carnal ou qualquer outro ato libidinoso, inclusive exposição do corpo em foto ou vídeo por meio eletrônico ou não, que compreenda:

a) abuso sexual, entendido como toda ação que se utiliza da criança ou do adolescente para fins sexuais, seja conjunção carnal ou outro ato libidinoso, realizado de modo presencial ou por meio eletrônico, para estimulação sexual do agente ou de terceiro;

b) exploração sexual comercial, entendida como o uso da criança ou do adolescente em atividade sexual em troca de remuneração ou qualquer outra forma de compensação, de forma independente ou sob patrocínio, apoio ou incentivo de terceiro, seja de modo presencial ou por meio eletrônico;

c) tráfico de pessoas, entendido como o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento da criança ou do adolescente, dentro do território nacional ou para o estrangeiro, com o fim de exploração sexual, mediante ameaça, uso de força ou outra forma de coação, rapto, fraude, engano, abuso de autoridade, aproveitamento de situação de vulnerabilidade ou entrega ou aceitação de pagamento, entre os casos previstos na legislação;

IV - violência institucional, entendida como a praticada por instituição pública ou conveniada, inclusive quando gerar revitimização.

§ 1o Para os efeitos desta Lei, a criança e o adolescente serão ouvidos sobre a situação de violência por meio de escuta especializada e depoimento especial.

§ 2o Os órgãos de saúde, assistência social, educação, segurança pública e justiça adotarão os procedimentos necessários por ocasião da revelação espontânea da violência.

3o Na hipótese de revelação espontânea da violência, a criança e o adolescente serão chamados a confirmar os fatos na forma especificada no § 1o deste artigo, salvo em caso de intervenções de saúde.

§ 4o O não cumprimento do disposto nesta Lei implicará a aplicação das sanções previstas na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

TÍTULO II

DOS DIREITOS E GARANTIAS

Art. 5o A aplicação desta Lei, sem prejuízo dos princípios estabelecidos nas demais normas nacionais e internacionais de proteção dos direitos da criança e do adolescente, terá como base, entre outros, os direitos e garantias fundamentais da criança e do adolescente a:

I - receber prioridade absoluta e ter considerada a condição peculiar de pessoa em desenvolvimento;

II - receber tratamento digno e abrangente;

III - ter a intimidade e as condições pessoais protegidas quando vítima ou testemunha de violência;

IV - ser protegido contra qualquer tipo de discriminação, independentemente de classe, sexo, raça, etnia, renda, cultura, nível educacional, idade, religião, nacionalidade, procedência regional, regularidade migratória, deficiência ou qualquer outra condição sua, de seus pais ou de seus representantes legais;

V - receber informação adequada à sua etapa de desenvolvimento sobre direitos, inclusive sociais, serviços disponíveis, representação jurídica, medidas de proteção, reparação de danos e qualquer procedimento a que seja submetido;

VI - ser ouvido e expressar seus desejos e opiniões, assim como permanecer em silêncio;

VII - receber assistência qualificada jurídica e psicossocial especializada, que facilite a sua participação e o resguarde contra comportamento inadequado adotado pelos demais órgãos atuantes no processo;

VIII - ser resguardado e protegido de sofrimento, com direito a apoio, planejamento de sua participação, prioridade na tramitação do processo, celeridade processual, idoneidade do atendimento e limitação das intervenções;

IX - ser ouvido em horário que lhe for mais adequado e conveniente, sempre que possível;

X - ter segurança, com avaliação contínua sobre possibilidades de intimidação, ameaça e outras formas de violência;

XI - ser assistido por profissional capacitado e conhecer os profissionais que participam dos procedimentos de escuta especializada e depoimento especial;

XII - ser reparado quando seus direitos forem violados;

XIII - conviver em família e em comunidade;

XIV - ter as informações prestadas tratadas confidencialmente, sendo vedada a utilização ou o repasse a terceiro das declarações feitas pela criança e pelo adolescente vítima, salvo para os fins de assistência à saúde e de persecução penal;

XV - prestar declarações em formato adaptado à criança e ao adolescente com deficiência ou em idioma diverso do português.

Parágrafo único. O planejamento referido no inciso VIII, no caso de depoimento especial, será realizado entre os profissionais especializados e o juízo.

Art. 6o A criança e o adolescente vítima ou testemunha de violência têm direito a pleitear, por meio de seu representante legal, medidas protetivas contra o autor da violência.

Parágrafo único. Os casos omissos nesta Lei serão interpretados à luz do disposto na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), na Lei no 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), e em normas conexas.

TÍTULO III

DA ESCUTA ESPECIALIZADA E DO DEPOIMENTO ESPECIAL

Art.7o Escuta especializada é o procedimento de entrevista sobre situação de violência com criança ou adolescente perante órgão da rede de proteção, limitado o relato estritamente ao necessário para o cumprimento de sua finalidade.

Art. 8o Depoimento especial é o procedimento de oitiva de criança ou adolescente vítima ou testemunha de violência perante autoridade policial ou judiciária.

Art. 9o A criança ou o adolescente será resguardado de qualquer contato, ainda que visual, com o suposto autor ou acusado, ou com outra pessoa que represente ameaça, coação ou constrangimento.

Art.10º A escuta especializada e o depoimento especial serão realizados em local apropriado e acolhedor, com infraestrutura e espaço físico que garantam a privacidade da criança ou do adolescente vítima ou testemunha de violência.

Art.11º O depoimento especial reger-se-á por protocolos e, sempre que possível, será realizado uma única vez, em sede de produção antecipada de prova judicial, garantida a ampla defesa do investigado.

§ 1o O depoimento especial seguirá o rito cautelar de antecipação de prova:

I - quando a criança ou o adolescente tiver menos de 7 (sete) anos;

II - em caso de violência sexual.

§ 2o Não será admitida a tomada de novo depoimento especial, salvo quando justificada a sua imprescindibilidade pela autoridade competente e houver a concordância da vítima ou da testemunha, ou de seu representante legal.

Art. 12º O depoimento especial será colhido conforme o seguinte procedimento:

I - os profissionais especializados esclarecerão a criança ou o adolescente sobre a tomada do depoimento especial, informando-lhe os seus direitos e os procedimentos a serem adotados e planejando sua participação, sendo vedada a leitura da denúncia ou de outras peças processuais;

II - é assegurada à criança ou ao adolescente a livre narrativa sobre a situação de violência, podendo o profissional especializado intervir quando necessário, utilizando técnicas que permitam a elucidação dos fatos;

III - no curso do processo judicial, o depoimento especial será transmitido em tempo real para a sala de audiência, preservado o sigilo;

IV - findo o procedimento previsto no inciso II deste artigo, o juiz, após consultar o Ministério Público, o defensor e os assistentes técnicos, avaliará a pertinência de perguntas complementares, organizadas em bloco;

V- o profissional especializado poderá adaptar as perguntas à linguagem de melhor compreensão da criança ou do adolescente;

VI - o depoimento especial será gravado em áudio e vídeo.

§ 1o À vítima ou testemunha de violência é garantido o direito de prestar depoimento diretamente ao juiz, se assim o entender.

§ 2o O juiz tomará todas as medidas apropriadas para a preservação da intimidade e da privacidade da vítima ou testemunha.

§ 3o O profissional especializado comunicará ao juiz se verificar que a presença, na sala de audiência, do autor da violência pode prejudicar o depoimento especial ou colocar o depoente em situação de risco, caso em que, fazendo constar em termo, será autorizado o afastamento do imputado.

§ 4o Nas hipóteses em que houver risco à vida ou à integridade física da vítima ou testemunha, o juiz tomará as medidas de proteção cabíveis, inclusive a restrição do disposto nos incisos III e VI deste artigo.

§ 5o As condições de preservação e de segurança da mídia relativa ao depoimento da criança ou do adolescente serão objeto de regulamentação, de forma a garantir o direito à intimidade e à privacidade da vítima ou testemunha.

§ 6o O depoimento especial tramitará em segredo de justiça.

TÍTULO IV

DA INTEGRAÇÃO DAS POLÍTICAS DE ATENDIMENTO

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 13º Qualquer pessoa que tenha conhecimento ou presencie ação ou omissão, praticada em local público ou privado, que constitua violência contra criança ou adolescente tem o dever de comunicar o fato imediatamente ao serviço de recebimento e monitoramento de denúncias, ao conselho tutelar ou à autoridade policial, os quais, por sua vez, cientificarão imediatamente o Ministério Público.

Parágrafo único. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão promover, periodicamente, campanhas de conscientização da sociedade, promovendo a identificação das violações de direitos e garantias de crianças e adolescentes e a divulgação dos serviços de proteção e dos fluxos de atendimento, como forma de evitar a violência institucional.

Art.14º As políticas implementadas nos sistemas de justiça, segurança pública, assistência social, educação e saúde deverão adotar ações articuladas, coordenadas e efetivas voltadas ao acolhimento e ao atendimento integral às vítimas de violência.

§ 1o As ações de que trata o caput observarão as seguintes diretrizes:

I - abrangência e integralidade, devendo comportar avaliação e atenção de todas as necessidades da vítima decorrentes da ofensa sofrida;

II - capacitação interdisciplinar continuada, preferencialmente conjunta, dos profissionais;

III - estabelecimento de mecanismos de informação, referência, contra referência e monitoramento;

IV - planejamento coordenado do atendimento e do acompanhamento, respeitadas as especificidades da vítima ou testemunha e de suas famílias;

V - celeridade do atendimento, que deve ser realizado imediatamente - ou tão logo quanto possível - após a revelação da violência;

VI - priorização do atendimento em razão da idade ou de eventual prejuízo ao desenvolvimento psicossocial, garantida a intervenção preventiva;

VII - mínima intervenção dos profissionais envolvidos; e

VIII - monitoramento e avaliação periódica das políticas de atendimento.

§ 2o Nos casos de violência sexual, cabe ao responsável da rede de proteção garantir a urgência e a celeridade necessárias ao atendimento de saúde e à produção probatória, preservada a confidencialidade.

Art. 15º - A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão criar serviços de atendimento, de ouvidoria ou de resposta, pelos meios de comunicação disponíveis, integrados às redes de proteção, para receber denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes.

Parágrafo único. As denúncias recebidas serão encaminhadas:

I - à autoridade policial do local dos fatos, para apuração;

II - ao conselho tutelar, para aplicação de medidas de proteção; e

III - ao Ministério Público, nos casos que forem de sua atribuição específica.

Art. 16º O poder público poderá criar programas, serviços ou equipamentos que proporcionem atenção e atendimento integral e interinstitucional às crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência, compostos por equipes multidisciplinares especializadas.

Parágrafo único. Os programas, serviços ou equipamentos públicos poderão contar com delegacias especializadas, serviços de saúde, perícia médico-legal, serviços socioassistenciais, varas especializadas, Ministério Público e Defensoria Pública, entre outros possíveis de integração, e deverão estabelecer parcerias em caso de indisponibilidade de serviços de atendimento.

CAPÍTULO II

DA SAÚDE

Art.17º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão criar, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), serviços para atenção integral à criança e ao adolescente em situação de violência, de forma a garantir o atendimento acolhedor.

Art.18º A coleta, guarda provisória e preservação de material com vestígios de violência serão realizadas pelo Instituto Médico Legal (IML) ou por serviço credenciado do sistema de saúde mais próximo, que entregará o material para perícia imediata, observado o disposto no art. 5o desta Lei.

CAPÍTULO III

DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Art.19º. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão estabelecer, no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (Suas), os seguintes procedimentos:

I - elaboração de plano individual e familiar de atendimento, valorizando a participação da criança e do adolescente e, sempre que possível, a preservação dos vínculos familiares;

II - atenção à vulnerabilidade indireta dos demais membros da família decorrente da situação de violência, e solicitação, quando necessário, aos órgãos competentes, de inclusão da vítima ou testemunha e de suas famílias nas políticas, programas e serviços existentes;

III - avaliação e atenção às situações de intimidação, ameaça, constrangimento ou discriminação decorrentes da vitimização, inclusive durante o trâmite do processo judicial, as quais deverão ser comunicadas imediatamente à autoridade judicial para tomada de providências; e

IV - representação ao Ministério Público, nos casos de falta de responsável legal com capacidade protetiva em razão da situação de violência, para colocação da criança ou do adolescente sob os cuidados da família extensa, de família substituta ou de serviço de acolhimento familiar ou, em sua falta, institucional.

CAPÍTULO IV

DA SEGURANÇA PÚBLICA

Art.20º O poder público poderá criar delegacias especializadas no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência.

§ 1o Na elaboração de suas propostas orçamentárias, as unidades da Federação alocarão recursos para manutenção de equipes multidisciplinares destinadas a assessorar as delegacias especializadas.

§ 2o Até a criação do órgão previsto no caput deste artigo, a vítima será encaminhada prioritariamente a delegacia especializada em temas de direitos humanos.

§ 3o A tomada de depoimento especial da criança ou do adolescente vítima ou testemunha de violência observará o disposto no art. 14 desta Lei.

Art.21º Constatado que a criança ou o adolescente está em risco, a autoridade policial requisitará à autoridade judicial responsável, em qualquer momento dos procedimentos de investigação e responsabilização dos suspeitos, as medidas de proteção pertinentes, entre as quais:

I - evitar o contato direto da criança ou do adolescente vítima ou testemunha de violência com o suposto autor da violência;

II - solicitar o afastamento cautelar do investigado da residência ou local de convivência, em se tratando de pessoa que tenha contato com a criança ou o adolescente;

III - requerer a prisão preventiva do investigado, quando houver suficientes indícios de ameaça à criança ou adolescente vítima ou testemunha de violência;

IV - solicitar aos órgãos socioassistenciais a inclusão da vítima e de sua família nos atendimentos a que têm direito;

V - requerer a inclusão da criança ou do adolescente em programa de proteção a vítimas ou testemunhas ameaçadas; e

VI - representar ao Ministério Público para que proponha ação cautelar de antecipação de prova, resguardados os pressupostos legais e as garantias previstas no art. 5o desta Lei, sempre que a demora possa causar prejuízo ao desenvolvimento da criança ou do adolescente.

Art.22º Os órgãos policiais envolvidos envidarão esforços investigativos para que o depoimento especial não seja o único meio de prova para o julgamento do réu.

CAPÍTULO V

DA JUSTIÇA

Art.23º Os órgãos responsáveis pela organização judiciária poderão criar juizados ou varas especializadas em crimes contra a criança e o adolescente.

Parágrafo único. Até a implementação do disposto no caput deste artigo, o julgamento e a execução das causas decorrentes das práticas de violência ficarão, preferencialmente, a cargo dos juizados ou varas especializadas em violência doméstica e temas afins.

TÍTULO V

DOS CRIMES

Art.24º Violar sigilo processual, permitindo que depoimento de criança ou adolescente seja assistido por pessoa estranha ao processo, sem autorização judicial e sem o consentimento do depoente ou de seu representante legal.

pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

TÍTULO VI

DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 25º O art. 208 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), passa a vigorar acrescido do seguinte inciso XI:

"Art. 208. ...........................................................

XI - de políticas e programas integrados de atendimento à criança e ao adolescente vítima ou testemunha de violência....................................................." (NR)

Art.26º Cabe ao poder público, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias contado da entrada em vigor desta Lei, emanar atos normativos necessários à sua efetividade.

Art.27º Cabe aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias contado da entrada em vigor desta Lei, estabelecer normas sobre o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência, no âmbito das respectivas competências.

Art.28º Revoga-se o art. 248 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Art.29º Esta Lei entra em vigor após decorrido 1 (um) ano de sua publicação oficial.

Brasília, 4 de abril de 2017; 196o da Independência e 129o da República.

MICHEL TEMER

Osmar Serraglio

Este texto não substitui o publicado no DOU de 5.4.2017

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:33 UTC REPLY AGREE -12 DISAGREE SPAM REMOVE

Another dump of copy-paste gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 01:00 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

NO BRASIL DA LEI A PRISÃO... OLHEM O QUE ESTÁ ACONTECENDO!

PROJETO DE LEI Nº 4.488/16.

A que horas estamos da noite?

Não poderia continuar essa reflexão sem antes lembrar um texto Bíblico, inserido em uma profecia.

Diz o texto: "Sentença contra Dumá. Gritam-me de Seir: Guarda, a que horas estamos da noite? Guarda, a que horas? Respondeu o guarda: Vem a manhã, e também a noite; se quereis perguntar, perguntai; voltai, vinde." (Isaías 21:11-12)

Dumá na versão bíblica conhecida como Septuaginta é traduzido como Edom. Dumá foi um dos descendentes de Ismael (Gênesis 25:14 e I Crônicas 1:30) Alguns estudiosos da Bíblia tomam Dumá como um nome simbólico para Edom, já que a profecia menciona Seir.

Havia, entretanto, um lugar chamado Dumá no deserto da Arábia, a leste de Edom, a qual estava conectada com os Ismaelitas.

Alguém em Edom pergunta nervosa e insistentemente ao profeta o que haveria de vir pela frente. A hora era de escuridão e perigo, e eles estavam ansiosos para saber quando chegaria a manhã trazendo alívio da ansiedade e do temor.

A resposta do guarda é misteriosa e esconde maus presságios. O guarda não dá nenhuma resposta definitiva, mas simplesmente diz que embora a manhã venha, outra noite chegará novamente..

O futuro reservava pouca esperança ou luz. O guarda vê as horas que estão pela frente como horas de escuridão e incerteza. Assim seria a história do povo Edomita.

Seir, também é conhecida como "cidade do silencio" ou "cidade dos mortos", também tida como a cidade para onde eram levados os povos das Nações conquistadas ou escravizadas, para serem mortos pelos babilônios.

A semelhança com o momento que estamos vivendo é mera coincidência? Até parece que esta profecia é para nós mulheres.

A luta que empreendemos não é, e não será fácil.

Quer me parecer que nossos representantes se venderam pelo preço de estrume de pombos, e ao invés de defenderem os interesses de nós que os colocamos no poder, defendem os bandidos e criminosos.

Estamos em densas trevas e quando clamamos: A que horas estamos da noite? Ouvimos simplesmente: "Vem a manhã, e embora o sol apareça, a noite voltará". Parece-me que estamos em uma luta inglória!

Mas não será assim. Haveremos de ter bom futuro para nossos filhos! Quem viver, verá!

Fiquei e fico tremendamente indignada quando tomei conhecimento do Projeto de Lei nº 4488/2016, de autoria do Deputado Arnaldo Faria de Sá, no qual altera o artigo 3º da Lei nº 12.318/2010, Lei da Alienação Parental, que estamos combatendo, e nesse projeto criminaliza a alienação parental ,inspirado na "Teoria da Ameaça" ou "Terapia da Ameaça", também desenvolvida pelo próprio Gardner e seus seguidores.

Esse projeto além de inconstitucional, pois, segundo a Constituição não haverá prisão civil, a não ser em casos de falta de pagamento de alimentos,e fere tratados Internacionais.

A Constituição Federal de 1988 destaca-se por elencar extensivo rol de direitos humanos. Além disso, prevê no § 3º do art. 5º que os tratados Internacionais que versem sobre Direitos Humanos quando aprovados pelo Congresso Nacional terão força de Emenda Constitucional.

A questão é que o art. 5º, LXVII admite que haja prisão civil do responsável por inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e do depositário infiel, enquanto que o Pacto de San Jose da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário, somente a admite no caso do devedor de alimentos.

Do depositário infiel, a Jurisprudência tem se firmado não pela prisão, mas pela obrigação do mesmo a pagar o valor do bem do qual é depositário, que corresponderá ao valor da dívida.

Além disso, no Código Penal já existe ordenamento no qual a denunciação caluniosa é punida.

Dessa forma esse Projeto de Lei não poderá ser aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça, e muito menos no Congresso Nacional. Se isto vier a acontecer, deverá ser proposta ação de inconstitucionalidade desse projeto que eventualmente tornar-se lei.

Nosso ordenamento jurídico não permite a dupla punição, ou seja ser punida duas vezes pelo mesmo fato.

Apenas para argumentar, se for criminalizada a lei de alienação parental, o que não pode, pois, ela é de caráter civil, mas ainda que assim se admita, será o genitor penalizado por ela e também penalizada pelo Código Penal? Não! Não pode em hipótese alguma.Uma lei Civil não poderá regular matéria penal.

Para conhecimento dos leitores, abaixo transcrevo a integra do Projeto de Lei do Deputado Arnaldo Faria de Sá.

LEI DE CRIMINALIZAÇÃO DA ALIENAÇÃO PARENTAL - PUBLICADO EM 31 DE MAIO DE 2016

CÂMARA DOS DEPUTADOS

Gabinete do Deputado Federal

ARNALDO FARIA DE SÁ

PROJETO DE LEI NºPL 4488/16 , DE 2016 (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

"Acrescenta parágrafos e incisos ao art 3.º da Lei 12.318/2010 que dispõe sobre a alienação parental.

O Congresso Nacional decreta:

O Art. 3.º da Lei 12.318/2010 passa a vigorar com os seguintes parágrafos e incisos:

Art. 3.º - .........................................

§ 1.º - Constitui crime contra a criança e o adolescente, quem, por ação ou omissão, cometa atos com o intuito de proibir, dificultar ou modificar a convivência com ascendente, descendente ou colaterais, bem como àqueles que a vítima mantenha vínculos de parentalidade de qualquer natureza. Pena - detenção de 03 (três) meses a 03 (três) anos § 2.º

O crime é agravado em 1/3 da pena:

I - se praticado por motivo torpe, por manejo irregular da Lei 11.340/2006, por falsa denúncia de qualquer ordem, inclusive de abuso sexual aos filhos;

II - se a vítima é submetida a violência psicológica ou física pelas pessoas elencadas no

§ 1.º desse artigo, que mantenham vínculos parentais ou afetivos com a vítima;

III - se a vítima for portadora de deficiência física ou mental; § 3.º Incorre nas mesmas penas quem de qualquer modo participe direta ou indiretamente dos atos praticados pelo infrator.

§ 4.º provado o abuso moral, a falsa denúncia, deverá a autoridade judicial, ouvido o ministério público, aplicar a reversão da guarda dos filhos à parte inocente, independente de novo pedido judicial.

§ 5.º - O juiz, o membro do ministério público e qualquer outro servidor público, ou, a que esse se equipare a época dos fatos por conta de seu ofício, tome ciência das condutas descritas no §1.º, deverá adotar em regime de urgência, as providências necessárias para apuração infração sob pena de responsabilidade nos termos dessa lei. Art. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICAÇÃO

É de conhecimento que o mal da alienação parental é prática mais que comum, em mais de 80%(oitenta por cento) nas relações de pais separados, com manejo falso da Lei Maria da Penha, denúncias de abusos sexual, são atos criminosos que visam afastar os filhos do outro cônjuge, ou das pessoas que mantenham vínculos afetividade, com estes. Não existe, até o momento em nosso ordenamento jurídico, norma penal capaz de efetivar o temor reverencial dessas condutas criminosas, onde as crianças e adolescentes são as maiores vítimas, seja por invenções descabidas de fatos inexistentes, de denúncias criminais falsas, propositais, visando, unicamente, impedir o contato, a convivência, geralmente por quem detém a guarda dos filhos. É de crucial relevância em homenagem ao princípio da proteção integral, imputando à quem comete qualquer ato que vise destruir laços de afetividade, sanção criminal. Por tudo quanto aqui sucintamente exposto, submetemos à apreciação de nossos Nobres Pares e que contamos com o apoio para a aprovação da presente proposta.

Sala das Sessões, em 10 de fevereiro de 2016.

Arnaldo Faria de Sá Deputado Federal - SP Vice-Lìder do Bloco

FONTE:

https://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1435286

E aí? Vamos nos calar diante de mais essa aberração jurídica, que se volta contra nós mães?

De modo nenhum! Não ficaremos passivas assistindo o que querem nos fazer engolir da forma como querem. Reagiremos levantando nossas vozes, até que o socorro venha.

Se aprovado este projeto de lei, o genitor que tropeçar na lei nº 12.318/10, sofrerá pena de 03 meses a 03 anos.

Com essa lei, pretende-se que a mãe perca o poder familiar, uma vez que reza o Código Civil, no artigo 1637, parágrafo único: "Suspende-se igualmente o exercício do poder familiar ao pai ou a mãe condenados por sentença irrecorrível, em virtude de crime cuja pena exceda a dois anos de prisão."

No texto original da Lei de Alienação Parental, já havia um artigo que previa prisão de dois meses a dois anos e que foi vetado pelo então Presidente Lula, justificando que no ECA já há recursos suficientes para penalização do alienante.

Entendo que a Lei nº 12.318/10, veio para blindar os pedófilos e abusadores sexuais de menores, inspirada que foi na Teoria de Richard Alan Gardner, que conforme já disse era um pedófilo que para não ser preso suicidou-se em 2003.

E o Projeto de Lei nº 4.488/16, nada mais é do que a aplicação da Teoria da Ameaça, elaborada pelo próprio Gardner e seu discípulo Ralph Underwager, que também suicidou-se no mesmo ano, também para não ser preso.

Esta lei atingirá em cheio a mãe que tiver a coragem de ir até uma Delegacia de Policia e denunciar o abuso sexual que seu cônjuge vem praticando contra seu filho.

Quando uma mãe tem essa coragem, o genitor acusado usa como mecanismo de defesa a Lei nº 12.318/2010, alegando que está havendo prática de alienação parental.

Assim, a Lei da Alienação Parental está sendo utilizada como excludente da criminalidade, e se aprovado o Projeto de Lei nº 4.488/16, ela poderá ser presa.

Hoje, quando uma mãe desesperada denuncia o que está acontecendo com seu filho ou filha,o abusador alega alienação parental e o Juiz determina a inversão da guarda e o impedimento de visitação, determinando que a criança seja entregue ao abusador, mesmo contra a sua vontade.

Temos noticia de que mais de duas mil crianças estão hoje afastadas de suas mães e em poder do genitor abusador.

A alegação de que 80% das denuncias de abuso sexual são falsas, como consta das justificativas de ambas as leis, é inverídica e desmedida.

Segundo estudos realizados recentemente por fontes fidedignas, as acusações falsas não passam de 2% a 5%, e são logo detectadas.

Portanto, 95% das denuncias são verdadeiras. No entanto, os abusadores dificilmente são processados, pois, o processo criminal esbarra no artigo 18 do Código de Processo Penal, e é arquivado aguardando fatos novos.

Que fatos novos estão aguardando?

Que o abusador consuma o ato já iniciado ou mate a criança, como tem acontecido diariamente e noticiado pela mídia?

Esta PL 4488/16 como está sendo conhecida, vem colocar uma mordaça na boca das mães, para evitar que denunciem os abusadores.

Esse crime é cometido na maioria dos casos, pelos pais de classe média alta e parece-me que a Justiça tem medo de mandar prender um abusador que é economista, engenheiro, advogado, filho de desembargadores, enfim pessoas da alta sociedade.

Quando surge um Juiz com essa coragem, a APASE vai até sua cidade, joga o nome do Juiz na lama como aconteceu em Blumenau em 2.015.

E a Justiça omitindo-se, quem sofre são as crianças e se a PL.4488/16 for aprovada, será o fim. Nenhuma mulher mais vai querer ter filhos, pois, o que se afigura é que a APASE quer convencer a sociedade de que a pedofilia é saudável,o abuso sexual de vulnerável, os filhos, é normal e faz parte de seu crescimento. Enfim, é a banalização da família como instituição mais importante da sociedade.

Estou cada vez mais convencida de que o "Homo Sapiens", está se animalizando.

No Brasil, os filhotes de Gardner vêem o projeto de lei 4.488/2016, como o apedrejamento das mulheres, tal qual acontece nos países árabes, quando estas são condenadas por adultério.

Se aprovado este projeto de lei, estaremos tendo a institucionalização do feminicidio no Brasil, em proporção muito maior a que já está ocorrendo.Será o apedrejamento moral, psicológico e psíquico da mulher, destruindo o que de mais soberano tem dentro de si: a sua auto estima!.

Para ficar mais leve, os seguidores de Gardner agora afirmam que a PL.4488/16 tem mais um efeito pedagógico.

Desde quando pena tem efeito pedagógico? Pena é punição e não ensinamento.

Outro fato que chama a atenção é que a mesma mentira existente na Lei nº 12.318/10, existe na PL.4488/16, quando afirmam que 80% das denuncias de abuso sexual são falsas.

Procurei investigar de onde surgiu esse número e não foi difícil encontrar a resposta.

O próprio Richard Alan Gardner, nos pareceres elaborados para defender pedófilos, faz constar esse porcentual, que não é verdadeiro. Foi usado como argumento em um contexto de defesa de pedófilos e abusadores sexuais. Pode ser encontrado em seu livro "True and False Accusations of Child Sex Abuse".

Em 2.012 esse número também foi apresentado por uma promotora do Rio de Janeiro, ligada a APASE, publicado no Jornal O Globo.

Esse ano a COPEVID divulgou um estudo onde faz constar que o número de denuncias falsas de abuso sexual contra crianças, varia de 2% a 8%, o que implica dizer que 95% das denuncias são verdadeiras.

Não posso falar desse Projeto de Lei 4.488/16, de apenas um artigo, sem lembrar a origem da Lei de Alienação Parental.

Como já escrevi anteriormente, consta da justificativa da Lei de Alienação parental, que ela foi inspirada na Teoria de Richard Alan Gardner. Faço questão de falar o nome inteiro, para que não se confundam com Alfred Gardner e Oswald Gardner, que nenhuma relação tem com o Gardner que estamos mencionando.

Para se situarem bem, quero deixá-los informados que Richard Alan Gardner nasceu em 28/04/1931, no Bronx, Estados Unidos, vindo a suicidar-se em 25/05/2003, temendo ser preso pelo FBI, que desde 1.998 o estava investigando.

Richard Alan Gardner contava também com a ajuda de um discípulo Ralph Charles Underwager, sendo que este nasceu em 28/07/1929, vindo também a suicidar-se em 29/11/2003, pelos mesmos motivos.

Ambos eram pedófilos e se enriqueceram as custas dos notáveis dos Estados Unidos, elaborando pareceres psicológicos e psiquiátricos para defendê-los de acusações de pedofilia e abuso sexual de crianças.

Se quisermos ir ainda mais fundo quanto a origem dessa malfadada Lei de Alienação Parental, chegaremos em Alfred Charles Kinsey, casado com Clara MC Millen, nascido em 23/06/1984, na cidade de Hoboken, Nova Jersey, EUA, e faleceu em 25/08/1956.

Kinsey também era um pedófilo, e entre 1948 a 1956, entrevistou 18.000 Norte Americanos entre eles pedófilos, prostitutas, presidiários, tendo inclusive pago para soldados alemães estuprarem crianças Judias de 02 meses a 12 anos, nos campos de concentração na Áustria, e registrarem seus comportamentos minuto a minuto.

Com esses dados e mais as experiências feitas por ele mesmo, elaborou um relatório das reações dessas crianças e dessas pessoas ao serem estupradas.

Desse relatório, conhecido como "Relatório Kinsey", escreveu dois livros: 1. O Comportamento Sexual do Homem", em 1948, e 2. O Comportamento Sexual da Mulher", em 1953. Seu trabalho foi financiado pela Fundação Rockfeller.

Kinsey foi contemporâneo da segunda grande guerra mundial que se deu entre 1939 a 1945.

O trabalho de Kinsey, segundo Reisman era como "Uma arma de destruição em massa contra a família. Sua conclusão é que Kinsey quase certamente violou as crianças sexualmente e baseou seus escritos no testemunho de criminosos que assaltaram sexualmente crianças.

De outra forma, ela pergunta, alguém apresentaria os dados na sua infame Tabela 34?

Lá, Kinsey afirmou que uma criança de 11 meses de idade experimentou 10 orgasmos em uma hora, outro com 11 meses de idade tinha 14 em 38 minutos, uma criança de 2 anos tinha 11 em 65 minutos, uma criança de 4 anos Teve 26 em 24 horas. Um jovem de 10 anos tinha 14 ao mesmo tempo, e um jovem de 12 anos tinha três em três minutos. Como alguém não tinha certeza desses resultados, o experimento foi repetido no filho de 12 anos, que depois teria experimentado nove em duas horas.

A própria Reisman explicou: "Kinsey solicitou e encorajou os pedófilos, no país e no exterior, a violar sexualmente de 317 para 2.035 crianças e crianças por seus alegados dados sobre a" sexualidade infantil "normal. Muitos dos crimes contra crianças (sodomia oral e anal, relações sexuais genitais e abuso manual) comprometidos com a pesquisa de Kinsey são quantificados em seus próprios gráficos e gráficos ".

Em um comentário, Reisman e Mary McAlister escreveram que o Instituto Kinsey da Universidade de Indiana ainda está protegendo o legado da Kinsey, atuando como fornecedora de sua pesquisa, com os últimos desenvolvimentos, incluindo relatórios, a universidade foi pega pagando US $ 200 por partes de bebês abortados.

Ela havia apontado que os dois livros de Kinsey, conhecidos como "Relatórios de Kinsey", eram "baseados em um grupo não representativo de americanos - incluindo centenas de infratores sexuais, prostitutas, prisioneiros e exibicionistas"

Reisman documenta como algumas das conclusões de Kinsey foram baseadas em dados de pedófilos em série.

"Os prisioneiros, as prostitutas, os 1.400 agressores sexuais dos homossexuais, as pessoas" fracas "e outras pessoas da" Segunda Guerra Mundial ", completaram os homens que representariam o americano médio".

Read more at https://mobile.wnd.com/.../latest-on-scientist-who-mainstrea.../...

Richard Alan Gardner norteou seu trabalho nas pesquisas de Kinsey e também complementando com pesquisas feitas por ele próprio.

Portanto, a Lei de Alienação parental que hoje temos, ou seja nº 12.318/2010, foi inspirada nos trabalhos dos ilustres personagens acima citados, unicamente para defenderem, como disse, os pedófilos e abusadores sexuais.

Atualmente, nos Estados Unidos da América do Norte, não se pode alegar alienação parental nos Tribunais, em crimes de abuso de vulneráveis e pedofilia intrafamiliar.

O Brasil é o único país do mundo que os "filhotes" de Gardner conseguiram introduzir esta lei, com a intenção de a expandirem para outros países. Mas a experiência no Brasil, como tenho demonstrado nos estudos que realizei, tem sido a mais desastrosa possível.

Isto sem considerar o fato de que os psicólogos e advogados ligados as ONGs citadas, incitam os seus seguidores a violência, ao homicídio de seus filhos e ex-esposas, e por fim, suicidarem.

Como exemplo, tenho bem claro em minha mente o suicídio ocorrido no ano de 2016, no Fórum Trabalhista, em que um pai com seu filho pequeno saltou do 17º Andar.

Assim também a chacina de Campinas em que o pai entra na casa da ex-esposa no dia 31/12/2016, mata-a, assim também todos os seus familiares e por último mata seu filhinho que a tudo assistiu. Por fim, suicida-se. Ambos eram clientes de uma psicóloga ligada a APASE.

Finalmente surge o projeto de lei que quer criminalizar a alienação parental, tendo como alvo as mães, tidas como alienadoras.

O Ex-Desembargador Lacastra, em uma palestra na Ordem dos Advogados do Brasil, chegou a afirmar que é favorável que se coloque tornezeleiras nas mães, delimitando o espaço físico em que poderão circular.

Para que tenham uma idéia do que pensam os adeptos de Gardner, quero reportar-me a fala de Dr. Marco de Almeida, do grupo "Pais em Camisa de Força".

Diz ele que a criminalização da alienação parental tem efeito pedagógico.

Com todo respeito que tenho pelo nobre colega, parece-me que ele faltou na aula de introdução ao Direito Penal.

Pena, nunca, jamais teve efeito pedagógico.

Pena, segundo o dicionário é: castigo, condenação, penitencia.

O Código Penal Brasileiro classifica as penas em preventivas e punitivas.

Em compendio algum encontrei a definição de pena como sendo uma medida pedagógica.

Diante do que expus, manifesto, juntamente com milhares e milhões de mulheres e mães nosso repúdio ao projeto de lei nº 4488/2016.

Permitam-me fazer uma comparação bastante simples, pois, o pedófilo, os abusadores de vulneráveis, intrafamiliar, dificilmente são presos.Sempre as mulheres é que são taxadas de alienadoras e seus filhos são arrancados de suas mãos e entregue nas mãos do pai abusador.

Há trezentos anos, na Inglaterra, quando se dizia que uma mulher era uma bruxa, era ela jogada na fogueira.Por isso perdura até hoje a expressão "caça as bruxas".

Dentro deste contexto, bastava o marido não querer mais sua esposa, ele a denunciava ao Clero alegando ser ela uma bruxa, e lá ia a mulher para a fogueira.

Essa lei hoje não é mais empregada, simplesmente porque não mais acreditamos em bruxas.

Será que não acreditamos mais na pedofilia, por isso os pais "pedófilos e Abusadores" não são processados?.

Pois basta a genitora denunciar seu marido pedófilo a uma autoridade, e quem vai para a fogueira é ela, e não o marido.

É exatamente assim que essa Lei da Alienação Parental está funcionando. Parece-me que as Autoridades não mais acreditam em pedofilia.

Essa fala é de livre interpretação.

A resposta fica a critério de cada consciência!.

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:35 UTC REPLY AGREE -14 DISAGREE SPAM

Another dump of copy-paste gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 01:01 UTC AGREE 13 DISAGREE SPAM

DENUNCIA... A PAS NÃO FUNCIONOU NO BRASIL E ESTAMOS EM CAOS NA JUSTIÇA BRASILEIRA.

CONHEÇA A LEI DA PAS NO BRASIL E AS CRITICAS JURIDICAS QUE EXPLANAMOS:

DENUNCIA ENCAMINHADA AO SENADO FEDERAL - CPI DOS MAUS TRATOS INFANTIS 2017/2018.

SÃO PAULO, 02 DE DEZEMBRO DE 2017.

EXMOS.SRS. SENADORES DA

COMISSAO PARLAMENTAR DE INQUERITO

DOS MAUS TRATOS INFANTIS

REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

DENUNCIA DE OCORRENCIA DE MAUS TRATOS INFANTIS NO BRASIL, PELA VIGENCIA E USO DA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL - Lei Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010 - LEI DA GUARDA COMPARTILHADA OBRIGATÓRIA - LEI Nº 13.058, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República Federativa do Brasil, estabelece ser dever da família, da sociedade e do Estado colocar as crianças e os adolescentes a salvo de toda forma de negligência,discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão; e que o § 4º do mesmo art. 227 obriga o Estado a punir severamente o abuso, a violência e a exploração sexual da criança e do adolescente;

CONSIDERANDO que o art. 5° da Lei Federal Nº 13.431, DE 4 DE ABRIL DE 2017 (Brasil) que estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência que estabelece a prioridade absoluta e ter considerada a condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, e refere-se aos instrumentos para a ESCUTA ESPECIALIZADA E DO DEPOIMENTO ESPECIAL

CONSIDERANDO a necessidade de reavaliar a aplicabilidade da Lei Federal Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010, (Lei da Alienação Parental no Brasil) que dispõe sobre a alienação parental, considerando as boas práticas existentes em outros países, que atestam que o pai desta Teoria, o psiquiatra Richard Gardner era um pedófilo, tido como professor de psiquiatria na Universidade de Columbia, mas que publicou livros com autoria própria, sem apoio desta ou qualquer Universidade, sobre a Síndrome da Alienação parental, visando e sem atualmente aplicada exclusivamente para inocentar pais acusados de abuso sexuais, trazendo a possibilidade de, agora usando uma expressão jurídica estado-unidense, na existência de Reasonable Doubt (extensão entre do precedente ao caso) se permita que uma possível vítima seja entregue sem qualquer precaução ao seu algoz.

CONSIDERANDO o Projeto de Lei Federal nº 4488/2016 (Brasil) que tramita, de autoria do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que propõe que a alienação parental seja considerada crime, e, se aprovado, poderá condenar mães que denunciem maridos ou ex-maridos, expondo crianças aos abusos sexuais por meio de uma falácia nas leis desta Nação.

CONSIDERANDO que o art. 34 da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, ratificada pelo Brasil, obriga os Estados-partes a proteger a criança contra todas as formas de exploração e abuso sexual; bem como determina proteger as crianças e adolescentes proibindo convívio com seus agressores, para proteção de sua integridade e vida;

CONSIDERANDO que o art. 144 da Constituição da República Federativa do Brasil determina que é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, garantir a segurança pública e a incolumidade das pessoas;

CONSIDERANDO a Convenção do Belém do Pará assinada pelo Brasil, em 2015, em que ordena aos países signatários:

"Reduzir a quantidade de intervenções das mulheres, meninas e adolescentes vitimas de violência sexual no processo a uma declaração ou denuncia única, na medida do possível, e interrogando as vitimas unicamente sobre o que foi denunciado em busca de se obter a informação mínima e imprescindível para a investigação, a fim de evitar a revitimização".

"Realizar investigações prontas e exaustivas tendo em conta o contexto de coercibilidade como elemento fundamental para determinar a existência da violência, utilizando provas técnicas e proibindo explicitamente as provas que se sustentam na conduta da vitima para inferir o consentimento, tais como a falta de resistência, a história sexual ou a retratação durante o processo, ou a desvalorização do testemunho COM BASE NA SUPOSTA SINDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL (SAP), DE TAL MANEIRA QUE OS RESULTADOS DESTAS POSSAM COMBATER A IMPUNIDADE DOS AGRESSORES."

"Proibir os mecanismos de conciliação ou anuência entre agressor e as vítimas de violência sexual contra as mulheres, e as causas eximentes ou excludentes de responsabilidade nesses casos, que mandam uma mensagem de permissão a sociedade, reforçando o desequilíbrio de poderes e aumentam os danos físicos e emocionais das mulheres que não se encontram em igualdade de condições de negociação."

Viemos por meio desta DENUNCIAR perante as autoridades constituídas no Brasil e Representantes de Sociedade Civil de Proteção à infância e Adolescência, a ocorrência de evidentes violações de direitos e da integridade de crianças e adolescentes, perpetrados em todos os tribunais em todo país, através do mau uso da Lei da Alienação Parental - Lei Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010, pelos fatos e fundamentos legais e jurídicos que se passará a expor :

INTRODUÇÃO

O Projeto da Lei da Alienação Parental - PL 4053/2008, com iniciativa na Câmara de Deputados, de autoria do então Deputado Federal Regis de Oliveira (PSC/SP) , traz em sua justificativa a proteção psicológica da criança que em meio ao conflito parental, pós divorcio ou em situação de separação dos genitores, sofre atos de alienação parental de um dos genitores a fim de privar o convívio da criança com o outro genitor.

A Proposta de Lei traz em seu bojo, o apoio de diversas ONGs representantes de Pais Separados, ou seja, os genitores, com os reclamos de igualdade de convivência parental, sem qualquer interferência do outro genitor, em especial as genitoras. O Projeto de Lei em questão , e que depois se consolidou na Lei 12318/2010 - Lei da Alienação Parental, tem como norteador os princípios criados por Richard Gardner, americano médico psiquiatra, que desenvolveu a Teoria da Alienação Parental entre as décadas de 70 e 80, e que a partir de 1998, quando confrontados em seus estudos, pelos operadores do Direito das Cortes Americanas, descobriu-se que a Teoria da Alienação Parental não beneficiava as crianças ou a elas dava-lhes proteção, mas sim, beneficiava os genitores, os pais, especialmente aqueles sobre os quais recaiam denúncias de abuso sexual e violência, deles contra os filhos.

Tal descoberta se deu pois as primeiras crianças que tiveram inversão de guarda nas ações de disputa de guarda nos Estados Unidos, a favor de pais sobre os quais pesavam denuncias de abusos e violência, durante a década de 80, atingiram a maturidade ou a adolescência e começaram a empreender resistência, fugindo da casa do genitor abusador, e procurando o paradeiro das mães que outrora tinham perdido a guarda de seus filhos, vindo a causar o desarquivamento dos processos e a revisão processual das causas pelas quais as crianças mesmo durante a inversão de guarda, continuavam a serem abusadas pelos pais sobre os quais inicialmente pesaram as denuncias.

Concluíram que as sentenças de inversão de guarda foram feitas com base nos laudos psicossociais tendo como seu autor Richard Gardner ou por outros profissionais que aplicaram os princípios da Teoria da Alienação Parental, e esses laudos concluíam pela falsidade da fala das crianças atribuindo imputação de falsas memórias pela genitora considerada "alienadora", e atribuíam a elas distúrbios psicológicos - a alienação parental, que interferiam no estado psicológico das crianças que rejeitavam os genitores abusadores, acarretando nas crianças a Síndrome da Alienação Parental.

A partir de então, o FBI passou a investigar os trabalhos do Dr Richard Gardner, quando então em 2003 o médico suicidou-se antes de ser indiciado por pratica de pedofilia.

Embora o Projeto da Lei da Alienação Parental trouxesse um viés de proteção a criança e ao adolescente, e o direito de convívio parental, sem interferência ou obstaculação de um ou outro genitor, e fosse concluído que tratava-se de uma eficiente ferramenta jurídica para minimizar os conflitos conjugais e assim, promover a oportunidade de convívio igualitário da criança com os genitores, isso conjugado com a Guarda Compartilhada, no entanto no texto da Lei isso não acontece, de modo que essa vem para DENUNCIAR o texto da Lei que vem desprovido de sua proposta bem, como DENUNCIAR os princípios da Teoria da Alienação Parental que visa proteger o genitor criminoso que pratica violência e abusos contra sua prole, princípios esses abaixo enumerado :

1. A SUPOSTA INTERFERENCIA PSICOLOGICA NA CRIANÇA PELO GENITOR RESPONSAVEL

2. ATRIBUIÇÃO DE PRATICAS DE ALIENAÇÃO PARENTAL POR TODOS QUE CERCAM A CRIANÇA DIRETAMENTE OU INDIRETAMENTE AS QUAIS SERIAM TESTEMUNHAS EM POTENCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA EM CASO DE DENUNCIA DE ABUSO SEXUAL OU MAUS TRATOS INFANTIS;

3. A PSICOLOGIA COMO UNICA CIENCIA ADOTADA COMO PROVA ARROLADA NA LEI E CONSIDERADA COMO VALIDA PARA COMPROVAR A ALIENAÇÃO PARENTAL - SENDO QUE NA VERDADE ELA É UMA PROVA PARA ESCONDER A APURAÇÃO DE ABUSOS E EVENTUAIS EXAMES DE CORPO DE DELITO.

4. A ATRIBUIÇÃO ATRAVES DE LAUDOS PSICOSSOCIAIS DE TRANSTORNOS PSICOLOGICOS OU BIOPSICOLOGICOS (PSIQUIATRICOS) A QUEM DENUNCIA OS ABUSOS E MAUS TRATOS INFANTIS;

5. A INFLUENCIA DAQUELE QUE FOI DIAGNOSTICADO DO TRANSTORNO PSICOLOGICO, DOS DEMAIS RESPONSAVEIS PELO CUIDADO DA CRIANÇA, OU SEJA, DAS TESTEMUNHAS EM POTENCIAL DAS DENUNCIAS DOS MAUS TRATOS E ABUSOS CONTRA A CRIANÇA

6. O DESCREDITO DA FALA DA CRIANÇA QUE DENUNCIA O ABUSO CONSIDERADO COMO INFLUENCIADA POR AQUELE QUE FOI DISGNOSTICADO DE TRANSTORNO MENTAL

7. O AFASTAMENTO GRADATIVO DO DENUNCIANTE COM A CRIANÇA ATÉ CHEGAR NA INVERSAO TOTAL DA GUARDA A FAVOR DO SEU ABUSADOR OU DE SEU ALGOZ.

DA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL

Vamos DENUNCIAR a partir de agora artigo por artigo da Lei , as evidencias de violação de direitos da proteção da criança e do adolescentes, bem como violação de direitos da legitima defesa e da presunção de inocência, as quais norteiam princípios constitucionais, além de Tratados Internacionais as quais o Brasil é signatário, em especial, Declaração de Direitos Humanos da ONU, e os Tratados da OEA, Pacto de São Jose da Costa Rica e a Convenção do Belém do Pará de 2015. Toda a explanação a seguir tem comprovação literal em processos de nosso conhecimento, as quais podemos demonstrar caso solicitado.

PRELIMINARMENTE

A LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL COMO RITO PROCESSUAL

A Lei da Alienação Parental, além de ser uma Lei do Direito Material, como a princípio se compreendeu quando na sua aprovação, no entanto, há em seu bojo um rito processual seguido pelos Tribunais e de forma exclusiva, fora do contexto do Direito Processual Civil Vigente e sem o Magistrado se ater aos artigos 1583 e seguintes do Código Civil, quanto aos critérios da concessão de guarda aos filhos menores.

Assim é que os processos de regulamentação de convívio parental tem se regido na maioria esmagadoras dos processos da seguinte forma :

1 - PETIÇÃO INICIAL

2 - CITAÇÃO DO RÉU COM PRAZO DE DEFESA

3 - CONTESTAÇÃO

4 - DESPACHO DETERMINANDO VISITA ASSISTIDA, COM A ESTIPULAÇÃO DAS REGRAS (LOCAL, DIAS E PERIODO DE VISITA, GERALMENTE EM CEVAT OU CENTRO DE VISITAS ASSISTIDAS LIGADA AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA LOCAL) E DETERMINAÇAO DE ESTUDO PSICOSSOCIAL DO ART.4º DA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL, COM NOMEAÇÃO DE PERITO PSICOLOGO, E APRESENTAÇAO DE ASSISTENTES TECNICOS E FORMULAÇÃO DE QUESITOS

5 - COM A NOMEAÇÃO, O PERITO INFORMA AS DATAS DAS ENTREVISTAS INDIVIDUAIS E NA MAIORIA DAS VEZES AS ENTREVISTAS CONJUNTAS CRIANÇA X MÃE E CRIANÇA X PAI (ACAREAÇÕES)

6 - ENTREGA DO LAUDO E ARBITRAMENTO DE HONORARIOS PERICIAIS

7- INTIMAÇÃO PARA QUE AS PARTES APRESENTEM CONTRA - LAUDOS DOS ASSISTENTES TECNICOS E FORMULEM QUESITOS COMPLEMENTARES

8 - COM A OCORRENCIA JÁ DAS VISITAS ASSISTIDAS, E SE OS LAUDOS APONTAREM OCORRENCIA DE ALIENAÇÃO PARENTAL (O QUE VEM OCORRENDO NA QUASE TOTALIDADE DOS LAUDOS), O MAGISTRADO COMEÇA A ALTERAR OS REGIMES DE VISITAS

- DE ASSISTIDAS EM CEVAT PARA LOCAL PUBLICO

- DE ASSISTIDAS EM LOCAL PUBLICO PARA VISITAS REGULAMENTARES PODENDO O GENITOR PERNOITAR COM A CRIANÇA

- AMPLIAÇÃO PARA GUARDA COMPARITLHADA

9 - SE AS DENUNCIAS DE ABUSOS OU MAUS TRATOS PERSISTIREM POR PARTE DO "ALIENADOR", O JUIZ APLICA AS SANÇOES DO ART. 6 º

- ADVERTENCIA,

- MULTA,

- TRATAMENTO PSICOLOGICO,

- INVERSAO DE GUARDA COM SUSPENSAO DE CONVIVIO PARENTAL POR TEMPO DETERMINADO, PODENDO RETORNAR AO CONVIVIO ATRAVES DE NOVA AÇÃO E MEDIANTE LAUDO DE PSICOLOGO

10 - FIM DO PROCESSO - DURAÇÃO MEDIA DO PROCESSO MINIMO - MÉDIA DE 1 ANO E MEIO - POR CAUSA DA TRAMITAÇÃO PRIORITÁRIA EXIGIDO PELO ART. 4º DA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL

Esse prazo é extremamente inferior ao prazo de tramitação do Inquérito Policial na esfera Criminal conforme o rito abaixo :

FASE DO INQUERITO POLICIAL :

- BOLETIM DE OCORRENCIA

- DEPOIMENTO DA VITIMA E TESTEMUNHAS;

- INTIMAÇÃO E DEPOIMENTO DO ACUSADO

- PERICIAS - CORPO DE DELITO

- ESTUDO PSICOSSOCIAL QUANDO NÃO HÁ LESAO CORPORAL NO ABUSO SEXUAL OU MAUS TRATOS (NOS TRIBUNAIS DOS ESTADOS DO RS E MT - ESCUTA PROTEGIDA)

- REMESSA DO INQUERITO POLICIAL AO PROMOTOR DE JUSTIÇA

- PEDIDO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA DE OFICIO A VARA DA FAMILIA PARA INFORMAÇÕES DO ANDAMENTO, LAUDOS PERICIAIS E DECISOES

- PEDIDO DE ARQUIVAMENTO POR FALTA DE PROVAS OU PEDIDO DE REMESSA DO INQUERITO POLICIAL A DELEGACIA DE POLICIA PARA REALIZAÇÃO DE NOVAS PROVAS OU OFERECIMENTO DA DENUNCIA CRIMINAL QUANDO HÁ INDICIOS DE MATERIALIDADE DO CRIME E SUA AUTORIA

FASE DO PROCESSO-CRIME

- RECEBIMENTO DA DENUNCIA CRIMINAL OU SUA REJEIÇÃO DA DENUNCIA PELO ART. 395 DO CPP

- INTIMAÇÃO E OFERECIMENTO DA DEFESA PELO RÉU

- DESPACHO DE ABSOLVIÇÃO SUMARIA OU DESPACHO DE DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DOS REQUISITOS DO ART. 397 DO CPP

- DILIGENCIAS DETERMINADAS PELO JUIZ

- AUDIENCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO COM DEPOIMENTO DO REU E OITIVA DAS TESMUNHAS DA ACUSAÇÃO E DA DEFESA

- SENTENÇA

Portanto, o que se conclui é que os processo da Vara de Família não tem aguardado a apuração das denuncias de maus tratos e abusos sexuais na esfera criminal, se antecipando no seu rito processual, culminando na inversão da guarda da criança em favor do denunciado pelos crimes de violação dos direitos da criança, antes mesmo do Processo Criminal ser julgado.

Isso decorre propositalmente em face do determinado pelo art. 4º da Lei da Alienação Parental de que as ações a ela correlata DEVEM TER TRAMITAÇÃO PRIORITÁRIA, sob pretexto de que a demora do Poder Judiciário prejudica o convívio parental quando a criança ainda está na fase de desenvolvimento psicológico, o que não é verdade. O intuito é exatamente acelerar a tramitação da inversão da guarda a fim de sufocar ou prejudicar as investigações criminais, e com isso a ação penal perder seu objeto com a sua efetivação.

Na maioria esmagadora dos casos, quando o Promotor ou o Juiz solicita oficio ao MM.Juiz da Vara de Família informações processuais com envio de laudos e decisões do processo de guarda de filhos, e é noticiado a conclusão de alienação parental no laudo oficial ou a inversão de guarda, os Promotores tem solicitado ao Juiz o arquivamento do inquérito por falta de provas e por perda do objeto, uma vez que a criança está na guarda unilateral do denunciado coma suspensão de convívio parental do outro genitor.

Por ultimo cabe salientar que a Ação de Alienação Parental prevista no art. 4 da Lei seja incidental ou cautelar, é o único tipo de ação, no nosso ordenamento processual civil em que a pena é aplicada antes da fase instrutória e sem a sentença condenatória o que por si sõ é arbitrário. Isso decorre quando tão logo é juntado o laudo do estudo psicossocial que indevidamente já "sentencia" a alienação parental, o juiz somente determina as penas do art. 6 da Lei, sem o contra-laudo, e sem a instrução de prova oral e outras necessárias para uma sentença correta. A essa altura a criança está em poder e amplo convívio com seu algoz, com todos os riscos e violências que pode ser praticada contra ela.

Essas penalidades são determinadas pelo Magistrado por decisão interlocutória, cabível o recurso de Agravo de Instrumento, no entanto, nosso Código de Processo Civil não permite a sustentação oral no julgamento dessa espécie de recurso, de modo que não é difícil dos julgadores acompanharem a decisão do Magistrado monocrático, e decidir pela manutenção da decisão recorrida, incorrendo assim, mais uma violação ao direito de ampla defesa e contraditório aquele que é acusado de prática de alienação parental.

CONTESTAÇÃO DOS ARTIGOS DA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL :

"Art. 2o Considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este. "

Quem pratica a alienação parental ?

Se a Lei da alienação parental tivesse por objetivo sanar os conflitos parentais que interferisse na formação psicológica da criança, os praticantes da alienação parental seriam somente os genitores.

Mas não é o que a Lei diz. Podem promover alienação parental :

a) os genitores,

b) os avós, e

c) todos os que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância. Exemplificamos nesse rol : os parentes próximos (tios, irmãos mais velhos, cunhados, etc), os professores de escola, serventes de escola, cuidadores de creche, as babás, psicólogos terapeutas da criança, instrutor de escola de futebol, enfim, todo e qualquer profissional ou pessoa que esteja com o contato pessoal e direto da criança, " sob a sua autoridade, guarda ou vigilância".

Tal texto legal se opõe ao art.70 do Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei Federal nº 8069/90, conforme segue :

Art. 70-B. As entidades, públicas e privadas, que atuem nas áreas a que se refere o art. 71, dentre outras, devem contar, em seus quadros, com pessoas capacitadas a reconhecer e comunicar ao Conselho Tutelar suspeitas ou casos de maus-tratos praticados contra crianças e adolescentes. (Incluído pela Lei nº 13.046, de 2014)

Parágrafo único. São igualmente responsáveis pela comunicação de que trata este artigo, as pessoas encarregadas, por razão de cargo, função, ofício, ministério, profissão ou ocupação, do cuidado, assistência ou guarda de crianças e adolescentes, punível, na forma deste Estatuto, o injustificado retardamento ou omissão, culposos ou dolosos. (Incluído pela Lei nº 13.046, de 2014)

Isso ocorre porque quando a criança conta as situações de abuso e violência praticada contra ela, ela vai procurar aqueles que ela confia, que são as pessoas que cuidam dela rotineiramente. Assim, há casos em que a criança começou a mostrar comportamento alterado na escola ou no ambiente onde permanece sob cuidados, enquanto os pais estão trabalhando, ou evidenciados por pedagogos, psicopedagogos, pediatras, e quando investigada pelo profissional que está responsável pelos cuidados da criança, esta narra o que lhe vem ocorrendo, e esses profissionais muitas vezes são quem comunicam ao genitor responsável o que a criança está lhe reportando, bem como a alteração de comportamento e de humor observados na criança.

Pois de acordo com o art. 2º esses podem praticar alienação parental e com isso, o depoimento que prestarem como testemunhas já estará desacreditado por serem potencialmente "alienadores", por força deste texto legal. Outra defesa que os acusados de abusos e maus tratos usam é que existem os alienadores por seqüência - a genitora aliena a criança incutindo falsas memórias, e esta projeta a fala aos demais personagens arrolados no artigo 2º , e com isso, consegue colocar em descrédito todo depoimento das testemunhas, prova essa garantida pelo Código de Processo Civil Brasileiro.

Torna-se evidente o cerceamento de defesa, e a violação do direito da legitima defesa, pois a prova até mesmo pode ser produzida, o Juiz pode até designar audiência para oitiva das testemunhas, mas o teor de seus depoimentos confirmando a fala e comportamento da criança que sofre abusos e maus tratos será julgada como alienação parental em série. Há que se falar até mesmo da oitiva por exemplo do Delegado de Policia que fez o Boletim de Ocorrência e comandou o Inquérito Policial, os peritos criminalistas que confirmam em seus laudos a fala da criança denunciando o abuso, todos colocados em suspeição por força do artigo 2 desta Lei,que embora não estão sob a sua autoridade, guarda ou vigilância", podem não ter valor de prova pela "alienação parental em série".

"Art. 2º Parágrafo único. São formas exemplificativas de alienação parental, além dos atos assim declarados pelo juiz ou constatados por perícia, praticados diretamente ou com auxílio de terceiros:

I - realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;

II - dificultar o exercício da autoridade parental;

III - dificultar contato de criança ou adolescente com genitor;

IV - dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar;

V - omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço;

VI - apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente;

VII - mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós."

Os atos enumerados pelo artigo 2 parágrafo único nada mais são na prática, os comportamentos reativos da genitora que denuncia e quer proteger a criança de novas perpetrações de abusos do genitor contra a criança.

Primeiro que não é só o rol descrito neste artigo mas o caput do parágrafo único deixa muito ao critério do poder discricionário do Juiz, que quaisquer atos podem ser considerados de alienação parental, ou em outras palavras, qualquer ato de um genitor, por mais banal que seja, pode ser imediatamente entendido como alienação parental pelo Juiz - estabelecendo-se um conceito extremamente subjetivo do que possa ser alienação parental, o que jamais pode existir no Direito. Pasme que há despacho que até mesmo interposição de recursos, petições contrariando decisão do Juiz, ou requerendo melhor apuração dos abusos, podem ser entendido, senão ato de alienação parental, mas até mesmo litigância de má fé.

Observe no texto : "além dos atos assim declarados pelo juiz ou constatados por perícia, praticados diretamente ou com auxílio de terceiros", implica em qualquer pessoa que esteja socorrendo a genitora e a criança na sua proteção pode também serem considerados praticantes de alienação parental - vizinho, o próprio advogado que desconhece ou por sigilo profissional não revela o domicilio de seu cliente com a criança. Em outras palavras a Lei blinda qualquer possibilidade de defesa, proteção, guarida, amparo, segurança, refúgio, a quem denuncia a favor da criança os maus tratos e abusos contra ela executados.

Há o Projeto de Lei 4488/2016 em tramitação na Câmara de Deputados Federais, com o intento de criminalizar quem pratica alienação parental com pena de 3 meses a 3 anos de prisão. O que significa que o rol de propensos a prisão estatal seria não somente os genitores, mas todo e qualquer terceiro que esteja em auxílio e refúgio das vítimas, nessa situação elencada no artigo 2, o que seria um desafio ao Estado aumentar em muito o número de presídios pelo país.

"I - realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;"

Ou seja, proibido denunciar e descrever os abusos ou os problemas de personalidade ou comportamento dos abusadores, seja aos operadores do processo judicial ou a terceiros que estão vivenciando o drama do genitor que denúncia, e a criança vitima. O genitor "alienado", torna-se intocável, sendo totalmente vedado relatar qualquer desqualificação de seu comportamento, ou ato praticado. Esse artigo viola até mesmo a possibilidade de aplicação de exceção da verdade nos crimes de calúnia, em que o genitor "alienado" ou alvo da desqualificação perpetra Queixa-Crime na esfera penal, por calunia (considerando que a acusação de abuso sexual ou maus tratos infantis imputa-lhe acusação de crime), e a defesa de quem perpetra a calúnia, que é a possibilidade da exceção da verdade, o que possibilita a sentença absolvitória, não resolve no âmbito civil a possibilidade das penalidades do art. 6º da Lei da Alienação Parental, uma vez que a desqualificação por si do genitor alvo da denúncia, já é caracterizado ato de alienação parental, podendo gerar inversões de guarda, como há casos concretos ocorrendo.

II - dificultar o exercício da autoridade parental;

III - dificultar contato de criança ou adolescente com genitor;

IV - dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar;

Esses itens ocorrem muito comumente quando o Juiz determina as visitas da criança com o genitor e esta resiste em vê-lo, tendo comportamentos reativos incisivos contra a simples presença do abusador, querendo fugir, chorar aos extremos, outras tem reações psicossomáticas como vômito ou diarréia emocional, sendo entendido pelos Juízes que o alienador promove meios para dificultar o exercício parental, o convívio ou o contato da criança com o genitor sobre o qual recae a denuncia de maus tratos ou abuso, tendo esse comportamento reativo da criança como Síndrome instalada em seu estado psicologico-emocional e que o afastamento do "alienador" resolve tal comportamento.

Ressalta que não foi encontrado casos fora do contexto de denúncia de abuso ou maus tratos, em que houve qualquer obstaculação ao convívio, em que por uma advertência judicial não fora resolvido. As incidências dos incisos do artigo acima citados ocorre quando há real resistência e recusa da criança em ver o genitor, e o Juiz interpreta como alienação parental do outro genitor, e determina ampliação do convívio trazendo mais riscos e violência emocional e psicológica a criança e ao genitor que está atuando na proteção da criança. Também a suposta "alienação parental", como a interferência de um dos genitores no psicológico da criança puro e simplesmente, não é capaz de provocar na criança reação acintosa de rejeição ao genitor, se algo mais grave não ocorreu como abuso e maus tratos contra a criança.

V - omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço;

Está ocorrendo que durante os estudos psicossociais, é informada a ocorrência de doença da criança e que impede a permanência duradoura com o outro genitor que não sabe lidar com o tratamento, e os laudos apontam que tal informação visa manipulação da genitora em impedir convívio com o genitor, apontando como alienação parental para justificar o impedimento de convívio com o pai, não sendo considerado nem receituários e exames médicos comprobatórios, atestando os laudos de que tais diagnósticos não impedem de conceder convívio ampliado ou até mesmo guarda compartilhada, lançando sobre o outro genitor a responsabilidade de uma habilidade com a deficiência com a criança que este não tem, colocando a saúde da criança em extremo risco.

Se de um lado a omissão de informações essenciais da menor ao outro genitor é alienação parental, no caso exemplificado, a informação concedida também tem sido julgada como alienação parental, de modo que a falta de critério e melhor investigação da veracidade das informações leva a uma decisão, acarretando risco até mesmo de vida da criança.

VI - apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente;

A falsa denúncia é assim considerada após a sua investigação pela autoridade competente (Delegado de Policia), após a interposição da Denúncia Criminal da Promotoria, e após a instrução criminal, com a sentença penal absolvitória, tanto que sem essas condições até mesmo o crime de calúnia perpetrado por um genitor contra outro, é elidido com a exceção da verdade, que somente não pode ser invocado quando a calúnia versa crime de ação penal pública incondicionada com sentença absolvitória. O arquivamento do inquérito policial pelo artigo 18 do Código de Processo Penal Brasileiro por insuficiência de provas não significa que o crime de abuso e maus tratos não aconteceram - significa apenas que não houve provas suficientes.

O que está acontecendo nas Varas de Família é que as denúncias estão sendo avaliadas pelo Perito Psicossocial, no estudo psicossocial previsto no art. 4, (cuja Vara e profissional não são autoridades competentes para investigar as denuncias de abusos e maus tratos infantis, e sim a Vara Criminal), estudo esse que ocorre logo após a petição inicial e a contestação, e em sendo concluído que não há indícios de abusos sexuais ou maus tratos (o que ocorre quase na totalidade desses laudos - o que se passará a expor na denuncia do art. 4 da Lei), a conseqüência - como causa e efeito, é atribuir pratica de alienação parental pela genitora que denuncia.

A partir dai a denuncia já é considerada falsa, sem passar pelo crivo de uma apurada investigação no âmbito criminal, passando o Juiz determinar imediatamente o inicio das visitas ainda que assistidas, como previsto no art. 4 da Lei.

VII - mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós.

Uma das reações para proteção da criança, principalmente quando o Juiz decreta a inversão de guarda é a mudança de domicílio da genitora com a criança, para lugar incerto e não sabido. Por mais que se justifique ou torna-se evidente os motivos da mudança de domicilio, o Juiz entende que há pratica de alienação parental.

Em situações em que não há inversão de guarda, e que a mudança de domicilio seja necessária por causa de mudança de emprego por imposição da empresa, ou para melhores condições de trabalho e financeira do genitor que detém a guarda da criança ainda que compartilhada, há a inversão de guarda, e é fixado novo domicilio como sendo o do outro genitor, pelo Juiz, e é determinado que o genitor que mudou-se de domicilio faça visitas regulamentadas a criança, portanto nenhuma justificativa é aceita pelo Juiz, privando-se quem está com a guarda de melhoria financeira, causando até desemprego por não aceitar as condições da empresa, e colocando a criança em uma novo lar que muitas vezes não está habituado, sem ter oportunidade de expressar com qual dos genitores quer ficar diante de tal mudança, e sujeitando-se a um circulo social que não quer conviver, tudo para atender interesse de um dos genitores, e não do melhor interesse da criança.

Art. 3o A prática de ato de alienação parental fere direito fundamental da criança ou do adolescente de convivência familiar saudável, prejudica a realização de afeto nas relações com genitor e com o grupo familiar, constitui abuso moral contra a criança ou o adolescente e descumprimento dos deveres inerentes à autoridade parental ou decorrentes de tutela ou guarda.

A relação de causa e efeito refletido neste artigo é totalmente o contrario do que ocorre com os abusos e maus tratos infantis - o artigo está em estreita relação com a Teoria da Alienação Parental -

Na alienação parental gera como conseqüência todo efeito enumerado no artigo 3 mencionado.

alienação parental (causa) x art. 3 (efeito)

Nos abusos e maus tratos infantis ocorre o contrario - os abusos e maus tratos infantis já são conseqüências do relacionamento disfuncional, do convívio não saudável, da falta ou a distorção do conceito de afetos do genitor abusador para com a criança, perpetra abusos morais e físicos na criança que já vem de reiterados descumprimentos de deveres de sua autoridade parental e que culmina nas agressões e abusos perpetrados no exercício da autoridade parental.

convivência não saudável / falta ou conceito distorcido de afeto parental / descumprimento dos deveres da autoridade parental (causa) x culmina nos abusos e maus tratos infantis / violação dos direitos fundamentais de proteção da criança.(efeito)

Atribui responsabilidade e culpa da disfuncionalidade relacional entre o abusador e a criança no outro genitor, colocando o suposto conflito parental como nuvem para esconder os fatos reais dos abusos e maus tratos contra a criança.

A relação de causa e efeito da alienação parental é espelho côncavo / convexo da relação de causa e efeito dos abusos e maus tratos infantis.

DOS ESTUDOS PSICOSSOCIAIS

Art. 4o Declarado indício de ato de alienação parental, a requerimento ou de ofício, em qualquer momento processual, em ação autônoma ou incidentalmente, o processo terá tramitação prioritária, e o juiz determinará, com urgência, ouvido o Ministério Público, as medidas provisórias necessárias para preservação da integridade psicológica da criança ou do adolescente, inclusive para assegurar sua convivência com genitor ou viabilizar a efetiva reaproximação entre ambos, se for o caso.

Parágrafo único. Assegurar-se-á à criança ou adolescente e ao genitor garantia mínima de visitação assistida, ressalvados os casos em que há iminente risco de prejuízo à integridade física ou psicológica da criança ou do adolescente, atestado por profissional eventualmente designado pelo juiz para acompanhamento das visitas.

Art. 5o Havendo indício da prática de ato de alienação parental, em ação autônoma ou incidental, o juiz, se necessário, determinará perícia psicológica ou biopsicossocial.

Tão somente a petição inicial é recebida bem como a contestação - em havendo em um ou em outro, denúncia de abuso sexual ou maus tratos contra a criança, e como defesa a alegação de alienação parental, imediatamente os Juízes tem determinado duas providencias:

1 - Estudo psicossocial com nomeação de Perito Psicólogo, com agendamento das entrevistas entre os genitores e a criança

2 - Determina-se simultaneamente as visitas assistidas, normalmente feitas no CEVAT (Visitório Público), ou em outro local (no próprio foro, ou em local público como Shopping Center, etc).

O que ocorre é que o genitor denunciado de abusos ou maus tratos, sabedor da acusação que lhe pesa, face ao teor da inicial ou da contestação, utiliza-se do direito da visita assistida para obter prova a favor de si. Há casos de genitores que estão gravando as crianças se entretendo com o genitor com brinquedos por ele trazidos, ou até mesmo em falas da criança durante essas visitas, na tentativa de obter delas alguma negação das denúncias. Há casos de genitores intimidando a criança que se contar para Juiz ou Psicóloga que o genitor lhe fez o mesmo poderá praticar algum mal contra a genitora, ou alguém ligado ao afeto da criança. Há casos em que há evidencias nos autos da criança se intimidando perante a psicóloga e calando os abusos, ou resistindo em falar ou entrar na sala de entrevistas. Portanto, o direito de visita assistida não está sendo feito com o intuito de não romper o convívio da criança com genitor denunciado de abuso, com o pretexto de que a demora das investigações criminais ou do estudo psicossocial faz com que a criança se distancie afetivamente do genitor, o que não pode ocorrer, pois os vínculos parentais tem que ser preservados.

Não é o que está ocorrendo. O convívio parental nas visitas assistidas estão sendo oportunidade para o genitor denunciado obter prova a favor de si, através da criança que se encontra vulnerável pois está sozinha com seu abusador, momento em que lhe é perpetradas intimidações, bem como é produzidas provas por meio de gravações da fala adulterada da criança diante do encontro isolado com o genitor.

Tal artigo viola expressamente a Convenção de Direitos da Criança da ONU pois determina que a vitima de abusos sexuais e maus tratos deve ser apartado do abusador, principalmente na fase de investigação, para que não seja perpetrada contra si qualquer forma de coação ou intimidação contra a mesma, e a sua revitimização com o convívio com seu algoz.

O art. 130 do Estatuto da Criança e do Adolescente determina que :

"Verificada a hipótese de maus-tratos, opressão ou abuso sexual impostos pelos pais ou responsável, a autoridade judiciária poderá determinar, como medida cautelar, o afastamento do agressor da moradia comum.

Parágrafo único. Da medida cautelar constará, ainda, a fixação provisória dos alimentos de que necessitem a criança ou o adolescente dependentes do agressor."

Portanto o direito de visita assistida é totalmente ilegal, e viola Lei Federal de Proteção da Criança e Adolescente, e Convenções Internacionais de proteção a criança e ao adolescente.

ESTUDO PSICOSSOCIAL

"Art. 5o Havendo indício da prática de ato de alienação parental, em ação autônoma ou incidental, o juiz, se necessário, determinará perícia psicológica ou biopsicossocial.

§ 1o O laudo pericial terá base em ampla avaliação psicológica ou biopsicossocial, conforme o caso, compreendendo, inclusive, entrevista pessoal com as partes, exame de documentos dos autos, histórico do relacionamento do casal e da separação, cronologia de incidentes, avaliação da personalidade dos envolvidos e exame da forma como a criança ou adolescente se manifesta acerca de eventual acusação contra genitor.

§ 2o A perícia será realizada por profissional ou equipe multidisciplinar habilitados, exigido, em qualquer caso, aptidão comprovada por histórico profissional ou acadêmico para diagnosticar atos de alienação parental.

§ 3o O perito ou equipe multidisciplinar designada para verificar a ocorrência de alienação parental terá prazo de 90 (noventa) dias para apresentação do laudo, prorrogável exclusivamente por autorização judicial baseada em justificativa circunstanciada. "

"O artigo 5º da Lei de Alienação Parental alude que, em havendo "indício da prática de ato de alienação parental", se necessário, o juiz determinará perícia psicológica ou biopsicossocial.

Ocorre que o conceito de alienação parental refere-se a um conflito, uma emoção que, às vezes, implica numa atitude de restrição de convívio, motivada ou imotivada. Quando motivada, visa a proteção da criança por atitude negligente, violenta ou violadora do corpo da criança. Quando imotivada, diz respeito a emoções e sentimentos de luto pela relação finda, pelo projeto de vida em família que se desfez, e, como o luto por morte de um ente querido, ela tem um tempo de duração e, naturalmente, se desfaz.

É um erro pensar que é possível capturar provas de alienação parental. Legislar sobre as emoções, supervalorizando os desejos em tempo futuro, é um equívoco. E, sendo este conceito subjetivo, constitui-se outro erro incluir o elemento biológico na chamada avaliação de alienação parental, determinando perícia biopsicossocial (perícia psiquiátrica) Não existe um instrumental orgânico, biológico que possa fazer parte de uma avaliação de alienação parental. Este conceito que fala a respeito de um conjunto de emoções temporárias é impossível de ter uma comprovação material, e não existem estudos sobre consequências psicológicas de sua ocorrência.

O inciso 1º fala da composição da avaliação, ampla, que busca informações sobre a história do casal. Se considerarmos que a dita alienação parental é uma reação que surge após as separações, não há objetividade em se procurar no passado estas provas de alienação. Enquanto emoção, portanto de percepção subjetiva, a alienação parental não contempla as exigências científicas que são imprescindíveis neste momento. Aliás, este foi o motivo que nunca foi permitido que este conceito galgasse o status de síndrome, sua falta de cientificidade, e constasse de códigos internacionais de doenças, síndromes e sintomas patológicos, elaborados pelas associações médicas e psicológicas internacionais. Não há rigor científico na apreciação deste conceito.

Neste inciso 1º, a redação da referida lei faz menção ao "exame da forma como a criança e o adolescente se manifesta acerca de eventual acusação contra o genitor." Ou seja, a lei incentivou com este inciso que peritos examinem a forma de manifestação da criança e do adolescente junto ao genitor que sofre alienação parental, segundo a afirmação de ocorrência. Este exame da forma, na falta de instrumental científico, tem sido realizado pelo olhar. E para isto, a criança ou adolescente são olhados em acareação, em avaliações que se estendem por meses e anos. Não há comprovação do que é escrito em laudo.

No entanto, estes laudos biopsicossociais, mesmo sem consistência científica, têm funcionado como laudos sentenciais porque eles têm determinado a sentença do Juiz de Vara de Família. A acusação de Alienação Parental aparece em reação à denúncia feita pela mãe de Violência Doméstica e/ou Abuso Sexual incestuoso, ou seja, esta acusação surge em defesa do pai que foi denunciado pela mãe e pela criança. O DEVER de PROTEÇÃO não pode ser suplantado pelo direito à convivência, posto que, reza a Constituição Federal, que esta convivência é saudável. A condição de convivência com violento /abusador traz consequências nefastas para a formação da criança.

Em havendo uma suspeita/confirmação de abuso sexual e/ou violência doméstica, faz-se indispensável a PROTEÇÃO da CRIANÇA, e a devida e célere investigação por órgãos competentes, criminais, por profissionais com formação adequada e consistente. No inciso 2º há referência à qualificação dos técnicos que realizarão os laudos biopsicossociais, o que não tem sido observado. Os técnicos ditos especializados não possuem formação consistente. Não há academia, nem experiência. Psicólogos sem distinção recebem o título de peritos mediante curso de 20 horas ministradas em final de semana.

O preenchimento de PROTOCOLO é indispensável para que haja confiabilidade na coleta e leitura dos dados. O Protocolo traz a objetividade necessária à linguagem universal exigida pelos Conselhos Profissionais. A acareação e a interpretação subjetiva que são usadas nestes estudos biopsicossociais são a revitimização institucional. O conceito de "amplo estudo" escrito no inciso 1º está em desacordo frontal com a necessária proteção da criança vítima de violência sexual que antecedeu a acusação de alienação parental. Esta lei exclui o preenchimento de Protocolo.

O inciso 3º fala da duração da avaliação biopsicossocial, que não deve exceder 90 dias, mas que este prazo é renovável por decisão judicial. Este prazo é em si revitimizante. Considerando-se que a acusação de alienação parental só surge em reação à denúncia de abuso sexual, violência doméstica e abandono afetivo e financeiro, estender-se um prazo por 90 dias é torturante para vítimas, originalmente, de violência física, sexual e psicológica, para a incriminação da mãe denunciante de violação de direitos fundamentais. A escuta especial tem por objetivo a verificação da voz da criança, sujeito de direito, em breve tempo, com protocolo e registro áudio visual, o que evita a série de revitimizações que tanto danifica a mente da criança." (Dra Ana Maria Iencarelli, CEO da ONG Onguardians, Psicanalista Especialista em Tratamento com crianças e adolescentes vitimas de abusos e maus tratos)

Na prática, é o perito quem está determinando a ocorrência de alienação parental em 99% dos laudos determinados no art. 4 da Lei da Alienação Parental, e os 1% dos laudos que não atestam alienação parental, atestam como inconclusivos, pois não querem declarar abertamente que há evidencias de abusos ou maus tratos contra a criança alvo do estudo psicossocial, apenas alertando quando a visita vigiada, mesmo diante do alerta do risco. E os juízes estão 100% concedendo visita assistida e ampliando o convívio, diante desse quadro.

O que colabora no sentido dos Peritos não se encorajarem de atestarem expressamente indícios de abuso sexual em seus laudos é que oportunamente eles poderão serem arrolados no Processo Criminal pela Promotoria a fim de que esclareça ao Juiz Criminal as bases de seu convencimento pela ocorrência de abuso, principalmente em casos em que não há vestígios materiais de abuso(presença de sêmen na criança, rompimento de hímen, ruptura anal, etc), onde a prova é apenas a narrativa da criança e a observação de seu comportamento durante a narrativa. Em não conseguindo convencer o Juiz Criminal acerca der sua convicção pericial da ocorrência do crime, com advento de eventual sentença absolvitória, o Réu poderá representá-lo no Conselho Regional de Psicologia, podendo perder sua credencial, além de sofrer processo por denunciação caluniosa, ou laudo fraudulento, e sofrer condenação de reparação civil. Tudo isso porque os Peritos Judiciais em geral não tem decretado por Lei, a sua imunidade judicial a semelhança dos cargos públicos com imunidade institucional como os delegados de policia, policiais, juízes e promotores, em situações e que seus relatórios, pareceres e decisões não acarretam contra si responsabilidade civil ou criminal.

Outro fato surge que os 99% laudos que atestam alienação parental diante de uma denuncia de abusos e maus tratos infantis, negam a ocorrência de abusos mesmo narrando a entrevista da criança que narra os abusos, ou estão dando interpretação ou valoração diversa na descrição do abuso da criança, concluindo ao final que há interferência psicológica da genitora na criança, seja por imputação de falsa denuncia na fala da criança, ou seja atribuindo a descrição do abuso interpretação ou sentido equivocado, levando a criança a reação errônea sobre os abusos praticados.

Esses laudos nunca são gravados de modo que o perito pode construir sua analise a favor da alienação parental sem precisar provar ao Juiz a veracidade do conteúdo das entrevistas ou as verdadeiras impressões de reações dos entrevistados nas falas da entrevista.

Com base na conclusão dos laudos, os juízes passam a conduzir o processo na aproximação e ampliação cada vez maior do convívio do abusador com a criança, até culminar inevitavelmente na inversão de guarda, como se verá a seguir :

"Art. 6o Caracterizados atos típicos de alienação parental ou qualquer conduta que dificulte a convivência de criança ou adolescente com genitor, em ação autônoma ou incidental, o juiz poderá, cumulativamente ou não, sem prejuízo da decorrente responsabilidade civil ou criminal e da ampla utilização de instrumentos processuais aptos a inibir ou atenuar seus efeitos, segundo a gravidade do caso:

I - declarar a ocorrência de alienação parental e advertir o alienador;

II - ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado;

III - estipular multa ao alienador;

IV - determinar acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial;

V - determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão;

VI - determinar a fixação cautelar do domicílio da criança ou adolescente;

VII - declarar a suspensão da autoridade parental.

Parágrafo único. Caracterizado mudança abusiva de endereço, inviabilização ou obstrução à convivência familiar, o juiz também poderá inverter a obrigação de levar para ou retirar a criança ou adolescente da residência do genitor, por ocasião das alternâncias dos períodos de convivência familiar. "

O presente artigo surge dos princípios que compõe a chamada Teoria da Ameaça de Ralph Underwager, discípulo de Richard Gardner este criador da Teoria da Alienação Parental.

Ralph Underwager fundamenta sua teoria nos princípios de que o perpetrador ou perpetradora da alienação parental precisa ser contida, na medida da severidade de grau da interferência, em outras palavras, quanto mais resistência ao convívio do genitor acusado de abuso e maus tratos, mais severo é a Síndrome instalada na criança e com isso, o alienador(a) precisa ser contido, e acriança precisa ser afastada da influencia da "alienadora" para que a Síndrome cesse.

I - declarar a ocorrência de alienação parental e advertir o alienador;

A advertência é o passo inicial e intimidatório para que o denunciante se cale, e não insista na denuncia, ou em caso de novas violações contra a criança, não perpetre novas denuncias.

II - ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado;

Expõe com isso a criança a maiores riscos em convívio com seu algoz, contrariando Convenção de Direitos da Criança da ONU que determina o afastamento da vitima de seu agressor.

Na concepção dos defensores da alienação parental, a ampliação do convívio da criança com o genitor alienado diminue proporcionalmente o convívio da criança do alienante, diminuindo a interferência deste com relação a criança, e diminuindo a rejeição da criança ao alienado.

Mas na verdade expõe a criança ao aumento do convívio de seu agressor, e na proporção desse aumento de convívio, a criança quebra a resistência, e aceita a condição forçada de convívio, momento esse que culmina na inversão de guarda, e cada vez mais novos abusos são perpetrados contra a criança, agora sob guarda do abusador.

III - estipular multa ao alienador;

É um mecanismo de empobrecimento do denunciante dos abusos e maus tratos. A multa desapropria seus bens, ao ponto de não conseguir sustentar financeiramente o processo judicial, havendo troca de defensores por falta de condições financeiras, e até mesmo, perda de emprego e venda de patrimônio. Como a maioria das denuncias são perpetradas pela genitoras, pois os índices oficiais de abusos são 78% pelos pais biológicos, tal penalidade é uma violência direta contra a mulher e seu direito de defesa da prole e violação de seu direito a maternidade;

IV - determinar acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial;

O acompanhamento psicológico culmina sempre na emissão de relatório informando o sucesso ou não da terapia, que significa dizer o quanto a denunciante está se superando das causas de sua suposta alienação parental, que é a "falsa" denuncia de abuso sexual ou maus tratos". Essa dinâmica é feita conjuntamente com a inquirição do profissional da vida pregressa geralmente da suposta "alienadora", inclusive familiar bem como a mesma é instigada pelo profissional a revelar os conflitos de convívio com o outro genitor, sendo posteriormente utilizado contra ela, para reforçar ainda mais a conclusão do nível de alienação parental existente.

Tal situação viola o principio consagrado na Convenção de São Jose da Costa Rica referente a legitima defesa, e presunção de inocência, além de violar direito fundamental constitucional e o artigo 379 do Código de Processo Civil, em que determina que :

Art. 379. Preservado o direito de não produzir prova contra si própria, incumbe à parte:

I - comparecer em juízo, respondendo ao que lhe for interrogado;

II - colaborar com o juízo na realização de inspeção judicial que for considerada necessária;

III - praticar o ato que lhe for determinado.

A produção de prova deve ter estrita observância ao principio da não "auto-incriminação" (nemo tenetur se detegere), que embora seja um principio penal, no entanto, também por analogia se aplica perfeitamente no caso concreto. A parte não pode produzir prova contra si mesma, dando direito a ela o direito ao silêncio, o direito de não colaborar na produção de prova em favor de sua própria condenação.

Submeter-se ao tratamento psicológico ou psicossocial do art. 6 é remeter todas as suas falas contra si mesma, corroborando na perda de sua parentalidade, a favor do genitor abusador, pois a cada narrativa das denuncias nas sessões de terapias revertem contra ela mesma, agravando sua condição de defesa processual.

Também a submissão coercitiva a tratamento psicológico ou biopsicossocial (psiquiátrico), é constrangimento ilegal e abuso de autoridade pois em referencia a tratamento de saúde mental, a parte processual não pode ser coagida a tal, principalmente se não provado existência de transtorno mental que justifique tal medida.

A Síndrome de Alienação Parental não tem reconhecimento cientifico na Organização Mundial da Saúde, nem reconhecimento pela Associação Medica America e nem pela Associação Psicologia Americana. A própria Organização dos Estados Americanos reconhece sua ineficácia, através da Convenção do Belém do Pará, e proíbe sua aplicação quando há denúncia de abuso sexual e maus tratos infantis.

A temeridade da determinação ao tratamento sugerido, é que como "tratamento" ligado à saúde pública, determinado pelo Poder Judiciário, a mesma encontra-se amparada nos mesmos termos de direitos previstos pela Lei Estadual, em São Paulo (SP) - Lei 10241/99, art. 1995.

Artigo 2º - São direitos dos usuários dos serviços de saúde no Estado de São Paulo:

VII - consentir ou recusar, de forma livre, voluntária e esclarecida, com adequada informação, procedimentos diagnósticos ou terapêuticos a serem nele realizados;

XIV - ter assegurado, durante as consultas, internações, procedimentos diagnósticos e terapêuticos e na satisfação de suas necessidades fisiológicas:

a) a sua integridade física;

b) a privacidade;

c) a individualidade;

d) o respeito aos seus valores éticos e culturais;

e) a confidencialidade de toda e qualquer informação pessoal;

Portanto ninguém pode estar obrigado a tratamento de saúde seja qual for, principalmente sem comprovação de sua estrita necessidade, se assim não desejar, bem como abrir confidencias de sua vida particular a profissional em quem não se confia.

Por outro lado, a recusa em submeter-se a TRATAMENTO PSICOLOGICO do art. 6º -IV da Lei da Alienação Parental, embora ela não pode ser obrigatória como exposto, porém, o Magistrado tem decidido na sua recusa, pela PRESUNÇÃO DA CULPA, ou seja, a recusa da parte condenada a tanto induz o Magistrado a conclusão pela Presunção da culpa no sentido de haver distúrbio psicológico ou psiquiátrico, decidindo pela incapacidade no exercício parental e determinando a inversão de guarda.

Assemelha-se tal ato processual ao exame do bafômetro a quem é parado pela autoridade policial, o qual o cidadão, na recusa de se submeter ao teste do bafômetro, o policial anota na autuação da recusa ao teste, o que refletirá oportunamente na PRESUNÇÃO DA CULPA em conduzir o veiculo embriagado, sendo que na verdade, o cidadão recusou-se a produzir prova contra si mesma.

V - determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão;

VII - declarar a suspensão da autoridade parental.

Esses dois itens trata da violação ao direito da parentalidade de quem está sendo indevidamente acusado de alienação parental, principalmente contra quem denuncia abusos e maus tratos, que é a perda da guarda da criança, e a suspensão de ter contato com a criança e com as informações da criança, inclusive escolares, pelo período determinado pelo Juízo.

É a violação a maternidade e também violação contra o desenvolvimento saudável da criança que não pode conviver sem a figura parental saudável de referencia, sendo afastada dessa figura sumariamente pela autoridade judiciária, agravada pela situação de extremo risco em casos de denuncia de abusos, pois a criança é separada daquele a quem o protege e a quem ele confia.

O afastamento sumario e temporário da criança com o outro genitor que lhe ampara, gera como conseqüência a "alienação parental em sentido inverso", pois a criança começa a esquecer e a desapegar da figura do outro genitor, e quando retorna ao convívio, a mesma pode desprezar, ignorar, ou menosprezar a presença do genitor afastado.

"Parágrafo único. Caracterizado mudança abusiva de endereço, inviabilização ou obstrução à convivência familiar, o juiz também poderá inverter a obrigação de levar para ou retirar a criança ou adolescente da residência do genitor, por ocasião das alternâncias dos períodos de convivência familiar. "

Essa situação agrava o conflito parental, em condições em que não há denúncia de abuso ou maus tratos, contra a criança, pois ao invés do Juízo amenizar o conflito, determinando a entrega e retirada da criança em local neutro, a fim de evitar contato entre as partes, como a escola ou outro estabelecimento de formação cultural ou educacional da criança, a inversão da obrigação de levar e trazer a criança agrava ainda mais o conflito parental.

Em situações de denúncias de abuso e maus tratos, a conseqüência que este artigo gera é que na concepção da criança, a pessoa que deveria lhe proteger está pessoalmente providenciando o deslocamento e a entrega dela para seu algoz, no local de sua tortura, de seus abusos, violando Convenção Internacional de Direitos da Criança de afastamento total da criança de seu abusador.

"Art. 7o A atribuição ou alteração da guarda dar-se-á por preferência ao genitor que viabiliza a efetiva convivência da criança ou adolescente com o outro genitor nas hipóteses em que seja inviável a guarda compartilhada."

Quando há inversão da guarda mas o Juízo não aplica ainda a suspensão do poder familiar, o abusador não manifesta ou pratica atos de impedimento do convívio da criança com o outro genitor que denuncia os abusos, porém, de forma sistemática, continua perpetrando abusos na criança, na Constancia da guarda invertida, ou da guarda compartilhada, e quando a criança relata a denunciante de que os abusos não cessaram, ou a genitora continua denunciando os abusos e por fim o Juízo suspende definitivamente o convívio, deixando de ter qualquer contato com o filho, ou é advertida antes para cessar as denúncias.

Portanto, a Lei da Alienação Parental é na sua integralidade, violadora da proteção da integridade de crianças e adolescentes em situação de violência domestica, abusos sexuais. Ela anula totalmente a investigação desses crimes, e blinda por completo os agressores e abusadores, razão pela qual hoje o Brasil é o 1º lugar em pedofilia sendo 78% dos abusos e maus tratos denunciados praticados pelos pais biológicos e 4% pelas mães biológicas, e o Brasil é o 5º lugar em feminicídio, a níveis mundiais. A Lei da Alienação Parental atinge diretamente as crianças em situação de violência domestica, e as mulheres na sua maternidade. Enquanto no Brasil, através da Lei Federal 11340/2006, a mulheres tem direito a medidas protetivas de afastamento de seus agressores em contexto de violência domestica, as mesmas por outro lado, são obrigadas a conviver com seus agressores por força do convivo parental obrigatório dos agressores com os filhos por força da alienação parental, perdendo a medida protetiva de afastamento do agressor sua eficácia. Isso explica o aumento dos índices de feminicidio nos ultimo 7 anos, tudo após a vigência da Lei da Alienação Parental - Lei Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010 , e da Lei da Guarda Compartilhada obrigatória - LEI Nº 13.058, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. ambas necessitando de ser revogadas no Brasil, em caráter de extrema urgência.

Desse modo, a Lei da Alienação Parental surge em nosso sistema jurídico como contraponto do Estatuto da Criança e do Adolescente - LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990, uma vez que enquanto cria medidas de proteção a criança em risco em face de "denuncias de violência e abusos sexuais", a exemplo de seu art. 130 em que determina medida protetiva de afastamento do genitor, o art. 4º determina imediata visita ainda que assistida somente com um "indício de alienação parental", sendo uma de suas espécies a falsa denuncia de abusos sexuais, sem qualquer investigação profunda e definitiva sobre as denuncias de violação da integridade da criança, colocando a criança em convívio com seu agressor, desacredita da oitiva da criança vitima de abusos e maus tratos, pelo principio da reprogramação de sua fala pelo suposto "alienador", e não permite que a criança e adolescente tenha sua vontade e decisão respeitada quanto a recusa do convívio parental com seu agressor, entendendo a recusa ou a própria resistência como Síndrome da Alienação Parental instalada no psicológico da criança e do adolescente, e não como uma conseqüência emocional do não convívio com aquele que lhe causa um mal.

A Lei da Alienação Parental também se insurge em nosso sistema jurídico como contraponto da Lei da Violência Domestica, mais conhecida como Lei Maria da Penha - LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006., uma vez que, considerando que o feminicídio e infanticídio são crimes praticados pelos homens, e na maior parte dentro do contexto de violência doméstica, e tendo em vista a proporção de ocorrências de abusos sexuais infantis comprovados serem de 78% com pais biológicos, a utilização da Alienação Parental e seus princípios como mecanismo de defesa nos processos judiciais de disputa de guarda de filhos em que há denúncias desses abusos são mais comuns e predominantemente entre os homens do que pela mulheres, embora a Alienação Parental seja tese de defesa para ambos.

Porém, em um contexto em que a mulher e os filhos saem de uma relação afetiva com histórico de violência domestica, a devida proteção garantida pela Lei Maria da Penha lhe é negada, uma vez que, mesmo sob medida protetiva de afastamento do agressor, a medida protetiva perde seu efeito quando o Magistrado estabelece o direito de convívio entre o agressor e os filhos, fazendo com que este tenha aproximação com a mulher sob proteção para os períodos do convívio, fato esse que acaba agravando mais o conflito, aumentando os riscos de lesão ou morte contra a mulher e a prole, a exemplo do trágico homicídio ocorrido na Chacina de Campinas, em que a mãe, a criança e os familiares da mãe, totalizando 12 pessoas foram assassinados pelo pai, vindo esse a suicidar-se em seguida, entre tantos outros exemplos.

Diante do exposto, manifestamos e denunciamos com manifesto repudio a violação de direitos das crianças e adolescentes em todo país, através da vigência e aplicação da Lei da Alienação Parental - Lei Nº 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010 , e da Lei da Guarda Compartilhada obrigatória - LEI Nº 13.058, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014., e clamamos a todos os órgãos judiciais e institucionais de proteção a criança e adolescente, a propositura de medidas urgentes para que revoguem imediatamente as Leis ora denunciadas, em cumprimento as Convenções Internacionais as quais o Brasil é signatário.

É o que clamamos. É o que queremos.

E que Deus nos ajude e salve nossa Nação.

DR. FELICIO ALONSO - OAB(SP) 51.093

DRA. PATRICIA REGINA ALONSO -OAB(SP) 166.791

DRA. ELIZABETHI REGINA ALONSO -OAB(SP) 140.066

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:39 UTC REPLY AGREE -13 DISAGREE SPAM REMOVE

Another dump of copy-paste gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 01:02 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

DEPOIS QUE FOI APROVADA A LEI DA "PAS", VEJAM QUANTAS MORTES QUE TIVEMOS DE PAIS MATANDO FILHOS (VITIMAS E DENUNCIANTES) E EX MULHER (TESTETMUNHAS)

https://www.alienacaoparentalacademico.com.br/vx-mortes-alienacao-parental/

Patricia Alonso 2019-May-10 - 18:41 UTC REPLY AGREE -13 DISAGREE SPAM REMOVE

Another dump of gender ideology propaganda.

Enesto Perez 2019-May-21 - 01:02 UTC AGREE 13 DISAGREE SPAM REMOVE

Yes, there is a problem in Brazil regarding the Law 12.318/2010 on parental alienation.

This problem is the lack of scientific research and personnel training in that country respect child custody legal cases.

The problem is reflected in a recent study made in consequence with the following conclusion: "It is fundamental that more research is carried out with the intention of empirically substantiating the discussions held on parental alienation, and, consequently, refining the conceptual and professional practices of those who work and decide on the future of children exposed to various types of violence in the context of Judicial litigations.": https://www.redalyc.org/pdf/2871/287148579003_2.pdf

To resolve it, it is precisely needed to catalogue the clinical definition of justified and unjustified disavowal of a child towards a parent, which actually gives the judge in a courtroom a pericial tool to analyse between extremes and find the shades of gray for every individual case, and then apply therapeutic legal sentences. This is the new trend in courtrooms worldwide. Reference: https://www.anu.edu.au/fellows/jbraithwaite/_documents/Articles/Restorative_Justice_2002.pdf

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-22 - 16:12 UTC AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

What is wrong with these people?

Please read whatever article you want in your own time and then comeback and tell us your opinion, at most give us the link to your reference.

THIS IS NOT A REPOSITORY.

What is wrong with you?

Veronica Villaseñor 2019-May-17 - 00:18 UTC REPLY AGREE 12 DISAGREE SPAM REMOVE

Richard A. Gardner teorizzava la "normalizzazione" della pedofilia esprimendo posizioni assolutamente favorevoli ad essa. Attraverso alcune sue dichiarazioni capiamo anche il motivo per il quale egli evidentemente amasse difendere padri pedofili ("....Ogni volta che ci compare l'immagine del bambino abusato sessualmente, gratifichiamo indirettamente i nostri impulsi pedofili").

Gardner stesso avvertiva che la pedofilia fosse "....una pratica diffusa e accettata letteralmente (da) miliardi di persone" (ciò ci deve allarmare oltremodo e far capire che il fenomeno delle false denunce non ha affatto l'entità sostenuta dal Gardner e dai suoi allievi !).

Nel 1992, R. Gardner pubblicò il suo libro "Vere e false accuse di abuso sessuale infantile", una guida per i professionisti della giustizia e della salute mentale. Nel capitolo I, intitolato "Una teoria sulla varietà del comportamento sessuale umano", descriveva ciò che vedeva, come le dinamiche e le caratteristiche del comportamento sessuale umano. Nel testo Gardner comincia col dire che, quando parla del comportamento sessuale umano, non è favorevole all'utilizzo di termini naturali o innaturali, in quanto variano a seconda dei diversi periodi e società. Inoltre, sostiene che i comportamenti sono considerati "innaturali" secondo la punizione "o il permesso" di ogni società. R. Gardner continua spiegando tutte le parafilie da zoofilia (sesso con gli animali), necrofilia (sesso con cadaveri), la coprofilia (comportamento sessuale che coinvolge la defecazione) pedofilia (il sesso del bambino / as), esibizionismo, ecc. ritenendo che questi comportamenti sessuali servirebbero per promuovere gli obiettivi di sopravvivenza dell'uomo e, pertanto, aumentano la procreazione della specie, e che l'uomo come "macchina del sesso" più stimoli ha e migliore sarebbe la sua "performance" procrreativa. Secondo Gardner la pedofilia servirebbe anche a scopi procreativi. "Ovviamente, non serve a tali obiettivi al livello immediato in cui i bambini non possono essere incinti e nessuno può lasciare incinta altri. Tuttavia, un bambino che si avvicina agli incontri sessuali in tenera età è probabile che si senta fortemente sessualizzato e bramerà le esperienze sessuali durante gli anni della pubertà. In questo modo, un "bambino carico" trasmetterà molto probabilmente i suoi geni alla sua progenie in giovane età. (Dirò di più sulla pedofilia nel prossimo capitolo perché la sua importanza è centrale in questo libro)" Gardner, Richard A (1992) p. 24 "La sessualizzazione dei bambini può avere scopi procreativi, perché un bambino sessuato può riprodursi in giovane età. Quanto più giovane è la macchina di sopravvivenza ed è usata nel momento in cui appaiono gli impulsi sessuali, tanto più lunga è la durata della capacità creativa, e maggiore è la probabilità che l'individuo creerà più macchine di sopravvivenza nella generazione successiva".

Gardner mori suicida nel 2003, il corpo fu trovato dal figlio, con il quale pare avesse un pessimo rapporto. L'uomo presentava numerose ferite d'arma bianca al petto ed al collo.

Ecco le sue frasi piu' famose, tratte dai suoi libri (testi che egli pubblicava da se', senza validita'scientifica, non essendo peer review).

Ringraziamo lo Psichiatra Dottor Andrea Mazzeo, che da anni e' impegnato a combattere dentro e fuori i tribunali la PAS, oggi chiamata PA ossia Alienazione Parentale (o Genitoriale) Disturbo Relazionale, denunciando la sua infondatezza e l''uso strumentale di difesa a giustificazione di pedofili e abusanti, utilizzata da non pochi Avvocati.

"La pedofilia intrafamiliare (cioè l'incesto) è molto diffusa ed ... è probabilmente un'antica tradizione".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: SALEM WITCH TRIALS REVISITED.CRESSKILL, NJ: CREATIVE THERAPEUTICS, 119 (1991).

......

"Il bambino deve riuscire a provare pietà per il padre per la sventura (nella nostra società) di avere tendenze pedofile. In altri luoghi e in altri tempi, ciò verrebbe considerato normale".RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 592(1992).

........

"Egli [il pedofilo] è anche stato sfortunato per quanto riguarda il luogo e il periodo temporale in cui è nato per l'atteggiamento sociale nei confronti della pedofilia. Comunque ,questi non sono motivi per condannare se stesso".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 593(1992).

.......

"Penso che tutti noi possediamo in noi un poco di pedofilia".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,26 (1991).

....

"Ogni volta che gli accusatori imputano un'accusa, si pongono nella situazione di formarsi un'immagine visuale inconscia dell'incontro sessuale. E ogni volta che in loro si ripete questa scena, gli accusatori gratificano il desiderio di essere coinvolti nelle attività di cui sono accusati i perpetratori nell'immagine visuale. Ogni volta che ci compare l'immagine del bambino abusato sessualmente, gratifichiamo indirettamente i nostri impulsi pedofili".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,25 (1991).

.......

"[Il pedofilo] deve essere aiutato a rendersi conto che la pedofilia è stata considerata normale da un'enorme numero di individui, nella storia del mondo. Deve essere aiutato a rendersi conto che, perfino oggi, è una pratica diffusa e accettata da letteralmente miliardi di persone".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 593(1992).

.....

Sugli impulsi pedofili dei giudici:"Non c'è dubbio sul fatto che i casi di abuso sono motivo di grande eccitazione per la vasta varietà di individui ivi coinvolti, gli accusatori, gli avvocati dell'accusa, gli altri avvocati, i giudici, i periti, gli psicologi, i giornalisti, i lettori dei giornali e tutti quelli che vi partecipano - a eccezione della persona accusata falsamente e della vittima innocente... Tutti si divertono, tranne le due figure centrali, che non solo provano poca se non nulla eccitazione sessuale, da tutta questa faccenda, ma le cui vite stanno per essere devastate nell'arco del processo".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,31 (1991).

.....

"I giudici non sono scevri da meccanismi psicopatologici... Anch'essi possono avere impulsi pedofili repressi nei confronti dei quali c'è soppressione, repressione e senso di colpa. Le indagini e gli approfondimenti dei dettagli del caso provocano gratificazioni voyeuristichee indirette... Incarcerare gli accusati può essere utile a livello psicologico per nascondere gli impulsi pedofili dello stesso giudice".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,107 (1991).

......

Sugli abusi sessuali come fantasie materne: Nel presentare accuse di abuso sessuale, "le fantasie sessuali soppresse e represse della stessa madre vengono proiettate sul figlio e sul padre. Visualizzando il padre mentre compie un'esperienza sessuale con il figlio, la madre soddisfa indirettamente i suoi propri desideri di essere la protagonista di tali aperture e attività".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME, 126 (1992).

.....

Gardner ritiene che la madre può vedere il padre come un pericolo per il bambino a causa del "suo stesso desiderio inconscio di nuocere al bambino".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME, 128 (1992).

.....

Gardner Dichiara che alcune persone sono più afflitte dalla pedofilia di altre e per questo hanno bisogno di indulgere in immaginazioni più frequenti di atti sessuali con bambini. Tali persone sono più propense a produrre accuse di falsi abusi.

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,26 (1991).

......

Sull'incoraggiamento di abusi da parte della Madre:"In alcuni casi l'abuso è stato effettivamente incoraggiato (apertamente o in modo subdolo) dalla madre per usare il bambino come oggetto sostitutivo alla gratificazione sessuale per il padre. Tali madri trovano odiosi gli atti sessuali e il bambino viene utilizzatocome conveniente rimpiazzo - proteggendo così la madre evitandole di esporsi all'atto nocivo".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THEDIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 122 (1987).

......

"Talvolta, le madri che hanno subito abusi sessuali da bambine possono avere creato una situazione che aumenta la possibilità che il padre abusi del figlio. Possono farlo come modo per dominare il trauma del loro stesso abuso. Possono segretamente e/o inconsciamente sperare che la resistenza del bambino o il successo dell'azione permetteranno loro indirettamente di fare la stessa cosa per se stesse. O, possono avere ceduto all'abuso per frigidità o indifferenza sessuale e utilizzando il bambino come fonte sostitutiva di soddisfazione per i loro mariti".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 130 (1987).

......

"L'abuso sessuale di alcune ragazze da parte dei loro padri viene a volte permesso consciamente e inconsciamente dalle loro madri".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THEDIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 194 (1987).

......

"Talvolta l'abuso subito dalle madri è risultato in problemi di inibizione sessuale, con il risultato nel suo vedere il sesso come disgustoso. Possono dunque promuovere(consciamente o inconsciamente) l'utilizzo dei loro figli come sostituti sessuali per proteggere loro stesse dall'essere coinvolte in atti sessuali".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 185(1992).

......

"[Una] madre sessualmente inibita può vedere con ripugnanza gli atti sessuali. Consciamente o inconsciamente spinge il padre a dirottare verso la figlia le sue attenzioni sessuali al fine di toglierselo di dosso. In questa maniera, lei evita di rimanere coinvolta in quelle attività 'disgustose' e allo stesso tempo autorizza la 'bestia' a gratificare i suoi istinti primitivi, mantenendolo 'domo' e neutralizzandolo."

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,36 (1991).

......

Sulla Madre Vendicativa:"Sebbene le madri in queste situazioni possano avere una varietà di motivazioni per programmare i figli contro i loro padri, la più comune riguarda il vecchio motto 'L'inferno non racchiude altrettanta furia di una donna schernita'".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THEDIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 86 (1987).

......

Sulle Fantasie e sui Desideri Infantili riguardanti il sesso:Gardner scrive che la descrizione fatta dai bambini sulle attività sessuali è un modo per affrontare i loro desideri. È il modo del bambino per dire "Non sono io che voglio che lui mi violenti, è lui che vuole violentarmi".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE 129,(1992).

.......

"Per mezzo del processo della formazione reattiva si possono trasformare [le fantasie sessuali del bambino] in sgradevoli e con ciò attenuare il senso di colpa che si verificherebbe se la bambina dovesse accettare il fatto che quello che lei desidera sono attività sessuali.Invece di dire "Vorrei avere un coinvolgimento sessuale con mio padre", lei può dire"Detesto avere una relazione sessuale con mio padre".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 129(1992).

.......

"[Il] bambino normale mostra un'ampia varietà di fantasie e comportamenti sessuali,molti dei quali, se esibiti da un adulto, verrebbero etichettati come 'malati' o 'perversi'... Ogni bambino è propenso ad avere un elenco delle attività sessuali 'preferite' che donano interesse e godimento (o piacere)".

RICHARD A. GARDNER, SEX ABUSE HYSTERIA: THE SALEM WITCH TRIALS REVISITED,12 (1991).

....

L'incorporazione di fantasie che Gardner considera "ridicole, grottesche o inutili" come l'accusa che l'abusante ha inserito il pene nella bocca del bambino o della bambina e non l'ha mosso.

RICHARD A. GARDNER, PROTOCOLS FOR SEX-ABUSE EVALUATION, 61 (1995).

.....

"Nell'alienazione a volte operano fattori edipici. Una bambina con una relazione seduttiva e romanticizzata con suo padre (a volte favorita dallo stesso padre) può trovare particolarmente doloroso il suo coinvolgimento con un'altra donna. Mentre le visite si possono essere svolte in modo lineare e fluido prima della nuova relazione del padre, dopo questo coinvolgimento si può verificare un rapido deterioramento nella relazione della bambina con il padre. Una bambina di questo tipo può dire, al padre: "Devi scegliere tra me e lei".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 91 (1987).

.....

"Il bambino che ha patito abusi in buona fede può benissimo avere goduto dell'esperienza e spesso soffrirà di sensi di colpa per questo piacere perché il bambino, in seguito, ha appreso che l'atto è inaccettabile, peccaminoso o addirittura criminoso".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 114 (1987).

.....

"[I bambini abusati sessualmente] si possono considerare fortunati per avere avuto un genitore che ha donato loro una tale gratificazione".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 145 (1987).

....

"Solo perché una bambina piccola presenta la fantasia del padre coinvolto sessualmente con lei, non vuol dire che il padre lo abbia fatto. Si può semplicemente trattare della verbalizzazione di un desiderio".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 157 (1987).

...

Il bambino descritto da Gardner come iniziatore:"Al momento attuale, il bambino sessualmente abusato viene generalmente considerato essere la vittima. Io penso che esistano situazioni in cui il bambino abusato sessualmente sia stato l'iniziatore... Diverse persone pensano che i bambini piccoli non abbiano forti urgenze e che, per questa ragione, sia altamente improbabile che possano essere gli iniziatori in qualunque genere di incontro sessuale con un adulto. Questa ipotesi non è necessariamente valida. Ho visto diversi bambini che avrei considerato completamente normali che avevano sviluppato forti urgenze sessuali durante il primo anno di vita".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 165 (1987).

....

Sulla malvagità dei bambini: Definisce i bambini "malvagi" e scrive che "la cosa che colpisce è il livello di sadismo che molti di questi bambini possono mostrare. In parecchi casi sono rimasto impressionato da quella che considero la crudeltà innata di questi bambini".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ALLEGATIONS OF CHILD SEX ABUSE, 119-20(1992).

....

"Casi ben pubblicizzati di abuso sessuale spesso coinvolgono bambini che danno testimonianze in cui forniscono dettagli di abusi sessuali da loro subiti. Queste testimonianze possono essere viste alla televisione da altri bambini - e generare una certa dose di invidia per l'attenzione di vaste proporzioni e la notorietà di cui godono questi bambini".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THEDIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 101-102(1987)6

.....

"Parecchi [bambini che inventano] ottengono una gratificazione morbosa dall'attenzione di cui godono, attenzione che possono non avere mai ricevuto. Alcuni di questi bambini sono invidiosi dei bambini le cui testimonianze sono state mostrate in televisione".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 109-110(1987).

....

"Ci può essere una gratificazione morbosa o sadica nel racconto della storia".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 113 (1987).

....

On Therapy with Children Who are Sexually Abused "Bisogna avere una particolare cura nel non alienare il bambino dal genitore abusante. Mandare via di casa un genitore pedofilo "deve essere preso seriamente in considerazione dopo che tutti i tentativi possibili di trattamento della pedofilia e riconciliazione con la famiglia si sono dimostrati vani".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ACCUSATIONS OF CHILD SEX ABUSE .CRESSKILL, NJ: CREATIVE THERAPEUTICS, 537 (1992).

.....

"Al bambino bisogna dire che non esiste il genitore perfetto. Lo sfruttamento sessuale deve essere messo in un elenco negativo, ma bisogna apprezzare anche le doti positive".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ACCUSATIONS OF CHILD SEX ABUSE .CRESSKILL, NJ: CREATIVE THERAPEUTICS, 572 (1992).

.....

"I bambini più grandi devono essere aiutati a rendersi conto che gli incontri sessuali tra un adulto e un bambino non vengono considerati universalmente atti riprovevoli. Al bambino può essere spiegato delle altre società in cui questo comportamento veniva considerato normale. Il bambino può essere aiutato ad apprezzare la saggezza dell'Amleto di Shakespeare, che disse: "Nulla è buono o cattivo, è il pensiero che lo fa diventare tale".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ACCUSATIONS OF CHILD SEX ABUSE .CRESSKILL, NJ: CREATIVE THERAPEUTICS, 59 (1992).

....

"In tali discussioni, il bambino deve essere aiutato ad apprezzare che noi abbiamo,nella nostra società, un atteggiamento esageratamente punitivo e moralistico, riguardo agli incontri sessuali adulto-bambino".

RICHARD A. GARDNER, TRUE AND FALSE ACCUSATIONS OF CHILD SEX ABUSE .CRESSKILL, NJ: CREATIVE THERAPEUTICS, 572 (1992).

....

Sui terapisti"Le madri con la Sindrome di Abuso Genitoriale hanno un modo di trovare i terapisti,per lo più donne, che di riflesso si uniscono a loro nella loro campagna di denigrazione paterna... [che] in alcuni casi addirittura si uniscono al sistema delirante paranoide della madre... alcune di queste terapiste sono anch'esse paranoiche. In altre alberga una tale e profonda ostilità nei confronti degli uomini che cercheranno ogni possibilità di scaricare la loro rabbia su di essi."

RICHARD A. GARDNER, QUALIFICATIONS OF RICHARD A. GARDNER, M.D. FOR PROVIDING COURT TESTIMONY, 149 (1992), REPRINTED IN, KATHLEEN COULBORNFALLER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME: WHAT IS IT AND WHAT DATASUPPORT IT?, 3 CHILD MALTREATMENT, 100, 102 (1998).

....

"Credo che la riluttanza di chi lavora nel settore degli abusi sessuali di riconoscere e accettare la frequenza in aumento di accuse false di abusi sessuali si debba riportare a certi fattori psicologici operativi al momento della scelta della loro carriera... Io credo che le persone che sono state sessualmente abusate nell'infanzia siano più propense a entrare in questo settore più di altre che non hanno provato simili esperienze infantili".

RICHARD A. GARDNER, THE PARENTAL ALIENATION SYNDROME AND THE DIFFERENTIATION BETWEEN FABRICATED AND GENUINE CHILD SEX ABUSE, 104 (1987

michela nacca 2019-May-26 - 21:17 UTC REPLY AGREE -2 DISAGREE SPAM

The terms unjustified parental alienation and justified parental estrangement have been implemented in the International Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11). The draft resolution A72 / 29 Add.1 (ICD-11) was adopted without amendments and by a unanimous vote. It includes gaming disorder, parental alienation, parental estrangement, traditional medicine, gender incongruence, among many other classifications. This coding tool have been approved by the Committee B of the World Health Organization Assembly on May 25, 2019. The session began at 9:00 am and concluded at 2:00 pm in Geneva, Switzerland. It was approved that the adoption of this new tool by the 194 Member States must be before 2022.

Best regards,

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-27 - 15:22 UTC AGREE 3 DISAGREE SPAM REMOVE

None of Gardner's >40 books was ever submitted tyo peer review. He published his books from the his own Publishing Company that he created in his own house. Zero scientific validity.

*** CONSIDER the following fro Gardner bio:

Regarding Wiliam Bernet and his defense of his 'fraternal friend' Richard Gardner:

I take no issue here with his views and practices as well as with his social entourage of pro-pedophilia friends. There are serious researcher conducting research on that aspect -- so we'll wait.

I take an issue with Bernet renditions of Gardner professional qualifications -- which Bernet knew very well.

(i) His fraternal friend made his reputation in PAS circles in US Courts as a Professor and Doctor in the Psychiatry Department at Columbia University. Indeed, evidence, in written and audiovisual media, reveals that he claimed to be a Full Tenured Professor and Doctor at Columbia University. He used these 'professional qualifications' to provide his services as "expert of false accusations of sexual abuses of children by fathers" in cases like those in which Woody Allen and Michael Jackson were accused of pedophilia and sexual abuse of children.

(ii) He was never a professor and doctor at Columbia University. He was -- since 1963 -- an unpaid volunteer in the Psychiatry Department with the honorific title that is given to all volunteers of 'Clinical Professor'. That honorific title DOES NOT render a Clinical Professor a member of the Faculty and Staff of Columbia University. Only provides the Volunteer with access to university facilities and allows the volunteer to put the title in the personal CV -- with the clause that the volunteer explains when necessary that he/she IS NOT in the Faculty-Stuff of the University. Bernet disregarded all that and presented himself in Courts as Full Tenured Professor and Doctor.

(iii) Richard Gardner published his 'personal ideas' about his PAS in an 'opinion journal' of which he was a member in December of 2014. By February 2015, the Faculty of Psychiatry held a Departmental Meeting to discuss their unpaid volunteer and his publications of his personal ideas about his PAS. At the end of the meeting, with a unanimous vote, the Faculty of the Psychiatry Department of Columbia University expelled for life Richard Gardner from the Department and the University.

(iv) The Faculty of the Psychiatry Department of Columbia University gave three major reasons for Gardner expulsion:

- Gardner was ignorant of the Discipline of Psychiatry;

- Gardner did not know how to think 'scientifically' -- that is according to the scientific criteria of the discipline;

- Gardner was a naive inductivist - who 'inferred' his 'personal ideas about his PAS' from personal observations of patients that he treated from his home office.

(v) Gardner never set foot in the Psychiatry Department of Columbia University from 1985 to 2003 -- the year in which he died.

(vi) In his obituary in the New York Times, Gardner and his family claimed that he had been a Professor and Doctor at Columbia UNiversity. Columbia University intervened and asked the New York Times to make corrections: Gardner had never been part of the FAculty and of the Medical Body of Columbia UNiversity; he had been an unpaid volunteer from 1963 to 1985.

(vii) Everyone by now knows what happened in 1985. Perhaps William Bernet can claim that he knew nothing about this story of his fraternal friend Richard Gardner.

(viii) It wil be asked shortly to the professionals at the ICD-11 what they know about what William Bernet knows about his own 'constructions' of his own relationship with the ICD-11 and the DSM-5.

(Re: It is garbage to say that Richard A. Gardner was a "militant criminal doctor," that he advocated the legalization of pedophilia, that Gardner was not a psychiatrist, that PAS does not exist, etc.)

sarnen Gustafson 2019-May-26 - 23:22 UTC REPLY AGREE -7 DISAGREE SPAM REMOVE

The terms unjustified parental alienation and justified parental estrangement have been implemented in the International Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11). The draft resolution A72 / 29 Add.1 (ICD-11) was adopted without amendments and by a unanimous vote. It includes gaming disorder, parental alienation, parental estrangement, traditional medicine, gender incongruence, among many other classifications. This coding tool have been approved by the Committee B of the World Health Organization Assembly on May 25, 2019. The session began at 9:00 am and concluded at 2:00 pm in Geneva, Switzerland. It was approved that the adoption of this new tool by the 194 Member States must be before 2022.

Best regards,

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-27 - 15:23 UTC AGREE 6 DISAGREE SPAM REMOVE

Jose-Luis Espinosa-Fernandez:

I am reporting your name to the ICD-11 for spamming the website and spreading disinformation about iCD-11 activities.

I will also ask the ICD-11 to make available publicly all you interventions of its websites.

And furthermore, I will ask the ICD-11 to make available publicly any of you interactions and conjoint activities with Bernet from 2013 to today May 27, 2019.

All the information will be provided to investigative journalists who are already reconstructing Bernet's activities in the evolution of Parental Alienation Organizations in the US, Europe, and the Anglo-Australian World since 2007. Your activities -- puny as the might be -- will be included. Needless to add that all your activies on the web -- see ResearchGate -- have already been archived and made available to journalists and researchers.

When the file is completed, it will be made available also to the University of Vanderbilt.

sarnen Gustafson 2019-May-27 - 19:06 UTC REPLY AGREE -5 DISAGREE SPAM REMOVE

The majority of the professionals who don't acknowledge the growth on parental alienation research, reject it due to their bias ideologization. Furthermore, some others don't go in the open as they fear the angry response from the more militant elements of the gender ideology lobby as we all have witnessed in this very exercise. And certainly, other few restrain themselves because they fear their stigmatization by part of the more strident elements of religious communities which discriminate divorcees. As in many other examples in history, scientific knowledge has to break cultural barriers prior to be accepted by the general population. This is the case of the phenomenon behind the term parental alienation, which fortunately has already broken its way into mainstream channels worldwide. It was about time.

Fernando Avalos-Reyes 2019-May-27 - 21:08 UTC AGREE 5 DISAGREE SPAM REMOVE

You have the prerogative to report anything you want without the need to announce it here.

The International Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11) now includes: Gaming disorder, work burnout, parental alienation, parental estrangement, traditional medicine, gender incongruence, among many other denomination. There are in the region of 55,000 codes in the Eleventh Edition of the ICD compared with around 14,400 in the old ICD-10. The terms unjustified parental alienation and justified parental estrangement have been implemented under the caregiver-child relationship problems section. For this and other objectives, 4000 delegates from WHO's 194 Member States and partner organizations convened in Geneva, Switzerland from 20 to 28 May 2019, for the Seventy-second session of the World Health Assembly (WHA), the theme of which was "UNIVERSAL HEALTH COVERAGE: LEAVING NO-ONE BEHIND". The ICD-11 draft resolution A72 / 29 Add.1 was adopted without amendments and by a unanimous vote. This coding tool have been approved by the Committee B of the World Health Assembly on May 25, 2019 at 10:20 am. The session began at 9:00 am and concluded at 2:00 pm, Geneva time. It was approved that the adoption of this new tool by the Member States should be before 2022.

Best regards,

Jose-Luis Espinosa-Fernandez 2019-May-29 - 01:48 UTC AGREE 3 DISAGREE SPAM REMOVE

English:

I am not an expert in the term, if this is correct or not, but at least I can share my own personal experience: currently I'm in a separation process and I'm not allowed to see my kids. I heard that the kids want to see me, but the mother and grandmother sistematically denied it. They said them that the father is no longer to visit them. They didn't even allow the kids to be visited by their grandparents, making them a feeling of loneliness. Even some days prior to Father's Day, my son son cried and weeped at school, saying that he doesn't know who to give the present he is making. And all because of the separation. In the meantime, my efforts have been focused on to regain the right to visit my kids. It has been a slow and painful struggling process.

I'm not sure if all this process fits on the definition discussed on this topic, but at least I can say this: I do wonder if all of this would damage to my children's happiness and/or mental health. I do really hope not.

Best regards,

Spanish/Español:

No soy experto en el tema, si es correcto o no, pero al menos puedo compartir my propia experiencia: actualmente estoy en un proceso de separación y no se me ha permitido ver a mis niños. Supe que los niños quieren verme, pero la madre y abuela sistemáticamente lo han negado. Ellas le dicen que el papá no va a volver visitarlos más. Incluso han negado a los niños a ser visitados por sus abuelos, generándoles un sentimiento de soledad. Incluso días antes del Día del Padre, mi hijo comenzó a llorar en la escuela, diciendo que ya no sabe a quién dar el regalo que está preparando. Y todo debido a la separación. Mientras, mis esfuerzos se han focalizado en reestablecer mi derecho a visitar a mis hijos. Ha sido una lucha muy lenta y dolorosa.

No estoy seguro si todo este proceso encaja en la definición discutida en este tópico, pero al menos puedo decir esto: de verdad me pregunto si todo esto dañaría la felicidad y/o salud mental de mis hijos. De verdad espero que no.

Muchos saludos,

Guillermo Fuenzalida 2019-Sep-30 - 17:48 UTC REPLY AGREE DISAGREE SPAM

The Medical and Scientific Advisory Committee (MSAC) has discussed this proposal. There was agreement that:

• Parental alienation is a type of caregiver/parent-child relationship problem and is primarily relevant in forensic settings. It is not a disease or disorder and is therefore located in Chapter 24 Factors influencing health status or contact with health services.

• An index term (and therefore a foundation entity), was added for parental alienation so that it could appropriately be classified in case it is reported.

• As an index term, parental alienation does not have a code in the ICD so is not uniquely identified in statistics.

• Some discussants refer to a parental alienation 'syndrome', which is not included in the ICD-11.

• Incorporation of a term for classification purposes does not indicate WHO endorsement or any sort of formal recognition. It is only an acknowledgment that it is a term that may be used in health care settings and therefore may need to be classified.

MSAC Recommendation

Retain the index term (and therefore foundation entity) 'parental alienation', as it is an issue that may be recorded in a clinical context. Inclusion of the term does not indicate formal recognition or endorsement by WHO.

MSAC Secretariat 2019-Oct-10 - 16:23 UTC



Commento inserito il 2 ottobre 2019

"The term "parental alienation" (PA) is currently being considered as an index term for "caregiver-child relationship problem" in ICD-11. However, the PA theory is not supported by credible scientific research, and is based on Gardner's Parental Alienation Syndrome (PAS), which has since been largely debunked by scientists and professional authorities alike.
Despite the lack of scientific credibility, PA is often misused and utilized by a parent in order to divert attention from legitimate claims of domestic violence and abuse. Testimonies and research findings are emerging from across the globe regarding the misuse of PA, and Israel is no exception, as we are witnessing more and more cases of PA misuse coming forward. This international phenomenon raises several dire concerns regarding the safety and health of many women and children if PA were to receive acknowledgement by the World Health Organization.
We are therefore requesting the removal of all references to "parental alienation" and related concepts in ICD-11 for the following reasons:
1. Research shows that children's resistance to contact with a parent are better explained by factors other than PA - such as parental violence, parental conflict, or parental neglect. In fact, studies show that denigration alone seldom leads to the manipulation of a child against the other parent, but rather has the opposite effect, and impairs the relationship between the child and the parent engaging in denigration. Despite this, PA advocates ask us to ignore other plausible explanations of children's resistance to contact a parent (such as violence or neglect), and instead adopt a simplistic view of the child-parent relationships that ignores these verified and credible factors.
2. Parental alienation remedies are harming children - Parental alienation experts often recommend that children be removed from the preferred parent in order to undergo 'reunification therapy' and restore a positive relationship with the rejected parent. However, there is no current credible research or evidence to back these remedies and their effectiveness. On the contrary - research shows that these treatments are likely to cause children lasting psychological, emotional and developmental harm, and are contrary to accepted child development principles. Inclusion of PA in the ICD11 will lead courts to disregard the need to assess the validity of PA claims before prescribing these potentially harmful remedies.
3. The PA concept will have a negative effect on the legal responsibility to assess children's best interest and safety - PA is often being used in family law cases in order to persuade courts that children's behavior toward the 'alienated' parent have no grounding, and in order to divert attention away from the behavior of the 'alienated' parent, whose actions may have directly influenced the child's responses (whether it be violence, intimidation or humiliation). PA claims are resulting in evidence of abuse being ignored by the courts, and in children being placed with abusive parents, even in cases where judges made positive findings of family violence. Inclusion of PA in the ICD11 will promote the further misuse of the concept and will result in more court rulings that will endanger the health and well-being of children.
The inclusion of "parental alienation" anywhere in the ICD11, even as an index term, will likely be used to strengthen and promote destructive worldwide trends in family courts that are currently causing serious harm to both children and their primary caregivers. We therefore ask that "parental alienation" and any related concept be removed from the ICD11.

THE RUTH AND EMANUEL RACKMAN CENTER FOR THE ADVANCEMENT OF WOMEN'S STATUS, Bar-Ilan University, Israel

Clicca qui ed inizia a scrivere. Vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit.

Clicca qui ed inizia a scrivere. Ex ea commodi consequatur quis autem vel eum iure.